OS SENTIDOS DA ESCOLA NAS CONVERSAS DOCENTES DO WHATSAPP

Palavras-chave: Pesquisa-formação. Cibercultura.Escola básica. WhatsApp

Resumo

O presente artigo tem como objetivo compreender como os usos do aplicativo WhatsApp podem potencializar práticas pedagógicas que contribuam para a formação continuada de professores. Usos esses que vêm dando sentidos e formas à cibercultura, que é a cultura contemporânea estruturada pelas tecnologias digitais em rede (SANTOS, 2015). A pertinência desta pesquisa inscreveu-se num amplo movimento da pesquisa multirreferenciaal (ARDOINO, 1998; SANTOS, 2005; e MACEDO, 2009) bricolando com a pesquisa com os cotidianos (ALVES, 2008; CERTEAU, 2009) em que o pesquisador não separa a prática pedagógica da pesquisa acadêmica. Ao trazer como dispositivo de pesquisa o WhatsApp encontramos nas conversas dos professores alguns princípios da cibercultura como o hipertexto, a interatividade, as múltiplas linguagens e a possibilidade de articulação e ressignificação de novas práticas cotidianas nos espaçostempos escolares. Assim, procuramos arquitetar e criar ambiências formativas emergentes, autorais e abertas que foram sendo cocriadas no processo da pesquisa. É isso o que nos interessa como possibilidade de compreensão de como essas práticas acontecem cotidianamente, mergulhando, sendo membro, interagindo, problematizando e acionando dispositivos que nos permitam perceber que as conversas com e de professores devem ser colocadas no centro do trabalho de investigação de nossas pesquisas, mostrando como cada um (re)inventa diariamente suas formas de atuar e de  expressar suas diferentes perspectivas sobre a docência, sobre o pensar com/na escola e o contexto sociotécnico em que estão inseridos.

Referências

ALVES, Nilda; OLIVEIRA, Inês Barbosa de Oliveira. Pesquisa nos/dos/com os cotidianos das escolas: sobre redes de saberes. Petrópolis: DP et al, 2008.
ARDOINO, Jacques. Nota a propósito das relações entre a abordagem multirreferencial e a análise institucional (história ou histórias). In: BARBOSA, J. (coord.); revisão de tradução BARBOSA, S. Multirreferencialidade nas ciências e na educação. São Carlos: Editora da UFSCar, 1998, p. 42- 49.
CERTEAU, Michel. A invenção do cotidiano 1: artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 2009.
FREIRE, Leticia de Luna. Favela, bairro ou comunidade? Quando uma política urbana torna-se uma política de significados. Revista Dilemas. Editora Garamond Ltda: Rio de Janeiro, 2008.
MACEDO, Roberto Sidnei. A etnopesquisa implicada: pertencimento, criação de saberes e afirmação. Brasília: Liber Livro, 2012.
_________, Roberto Sidnei. Outras luzes: um rigor intercrítico para uma etnopesquisa política. In: MACEDO, R. S.; GALEFFI, D.; PIMENTEL, Á. Um rigor outro: sobre a questão da qualidade na pesquisa qualitativa. Salvador, BA: EDUFBA. 2009.
MISSE, Michel et al. Entre palavras e vidas: um pensamento de encontros com margens, violências e sofrimentos. Entrevista com Veena Das. Dilemas. Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, vol.5, nº 2 - abr/maio/ jun 2012- pp. 335-356.
MORIN, Edgar. Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre: Sulina, 2006.
SANTOS, Edméa. Educação online: cibercultura e pesquisa-formação na prática docente. Salvador, 2005. Tese de doutorado. FACED-UFBA.
SANTOS, Rosemary dos. Formação de Formadores e Educação Superior na cibercultura:itinerâncias de Grupos de Pesquisa no Facebook. 2015. 183 f. Tese de Doutorado em Educação – Faculdade de Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2015.
SPINK, Mary Jane et al. A produção de informação na pesquisa social: compartilhando ferramentas. 1ª. ed. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2014. p. 295-322.
ZIBECHI, Raúl. Territórios em resistência: cartografia política das periferias urbanas latino-americanas. 1ª ed. - Rio de Janeiro: Consequência Editora, 2015.
Publicado
2019-06-26