A VIVÊNCIA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM CIÊNCIAS NATURAIS EM ESCOLAS PÚBLICAS DO MUNICÍPIO DE HUMAITÁ, AMAZONAS

  • Jaqueline Souza Chaves INSTITUTO DE EDUCAÇÃO, AGRICULTURA E AMBIENTE, UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS (IEAA/UFAM).
  • Renato Abreu Lima Docente da Universidade Federal do Amazonas (UFAM).

Resumo

O Estágio de Licenciatura é uma exigência da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (nº 9394/96). O estágio é necessário à formação profissional a fim de adequar essa formação as expectativas do mercado de trabalho onde o licenciado irá atuar. Assim, o estágio oferece oportunidade de aliar a teoria à prática visando fortalecer essa relação baseado no princípio metodológico de que o desenvolvimento de competências profissionais implica em utilizar conhecimentos adquiridos, quer na vida acadêmica quer na vida profissional e pessoal. De modo que, o estágio constitui-se em um importante instrumento de conhecimento e de integração do aluno na realidade social, econômica e do trabalho em sua área profissional. Com isso, o presente trabalho teve como objetivo relatar a vivência ocorrida no Estágio Supervisionado de Ensino, realizado nas escolas públicas de Humaitá-Amazonas desenvolvido no curso de Licenciatura Dupla: Ciências – Biologia e Química, da Universidade Federal de Amazonas/Campus Vale do Rio Madeira. Ao concluir a regência nas escolas públicas, percebe-se que o redimensionamento do estágio tem levado ao enfrentamento de dificuldades como a resistência de alguns alunos-estagiários e professores-titulares das turmas em que se desenvolve o estágio, pois este tem a oportunidade de aprender com a prática docente.

Biografia do Autor

Jaqueline Souza Chaves, INSTITUTO DE EDUCAÇÃO, AGRICULTURA E AMBIENTE, UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS (IEAA/UFAM).
Discente do Curso de Ciências: Biologia e Química, IEAA/UFAM.
Renato Abreu Lima, Docente da Universidade Federal do Amazonas (UFAM).
Biólogo, Pós-Graduado em Gestão Ambiental, Mestre em Meio Ambiente e Doutor em Biodiversidade e Biotecnologia pela UFAM.

Referências

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. São Paulo: Saraiva, 1996.

PIMENTA, S.G.; LIMA, M.S.L. Estágio e Docência. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2004.

CARDOSO, S.; BECK, F.L.; MELLO, F.B.; SOGLIO, F.K.D. Estágio Supervisionado em Unidades de Produção Agrícola. Editora da UFRGS. Porto Alegre/RS, p. 100, 2011.

LIBÂNEO, J.C. O planejamento escolar. Coleção Magistério 2º Grau Série Formação do Professor. São Paulo: Cortez, p. 221-247, 1991.

ROMANATTO, M.C. A noção de número natural em livros didáticos de matemática: comparações entre textos tradicionais e modernos. Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de São Paulo, São Carlos – SP, 1987.

KONRATH, M.L.P.; CARNEIRO, M.L.F.; TAROUCO, L.M.R. Estratégias pedagógicas, planejamento e construção de objetos de aprendizagem para uso pedagógico. Novas Tecnologias na Educação, v.7, n.1, p.1-10, 2009.

SILVA, A.C.M.; FREITAG, I.H.; TOMASELLI, M.V.F.; BARBOSA, C.P. A importância dos recursos didáticos para o processo de ensino-aprendizagem. Arquivos do MUDI, v.21, n.2, p.20-31, 2017.

LOPES, P.M.A.; MELO, M.F.A.Q. O uso das tecnologias digitais em educação: seguindo um fenômeno em construção. Psicologia da Educação, v.38, n.1, p.49-61, 2014.

LUCENA, G. L.; SANTOS, V. D.; SILVA, A. G. Laboratório virtual como alternativa didática para auxiliar o ensino de química no ensino médio. Revista Brasileira de Informática na Educação, v.21, n.2, p.27-36, 2013.

LIMA V.A.; MARCONDES, M.E.R. Ciência e Tecnologia na Escola: Desenvolvendo Cidadania por meio do projeto Biogás – Energia Renovável para o Futuro. Revista Química Nova na Escola, v.33, n.2, p.19-24, 2011.

BRASIL. Orientações Curriculares para o Ensino Médio. Ciências da natureza, a temática e suas tecnologias / Secretaria de Educação Básica – Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2006.

SILVA, R.A.O.; PIOCHON, E.F.M.; MORAIS, S.P. Estágio Curricular Supervisionado Em Biologia: Vivenciar e Refletir a Prática. Universidade Federal de Goiás. 2009.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: Ciências naturais. Brasília: MEC/SEF, 1997. p 137.

BRASIL. MEC. Parâmetros Curriculares Nacionais – Ensino Médio. Brasília: 1998.

PRETTO, N.L. A ciência nos livros didáticos. Campinas/Salvador: Unicamp/UFBA, 1985.

KRASILCHIK, M.; MARANDINO, M. Ensino de ciências e cidadania. São Paulo: Moderna, 2004.

LIMA, M.E.C.C.; JÚNIOR, O.G.A.; BRAGA, S.A.M. Aprender ciências: um mundo de materiais. Belo Horizonte: Ed. UFMG. P. 78,1999

GARRIDO, E. Sala de aula: Espaço de construção do conhecimento para o aluno e de pesquisa e desenvolvimento profissional para o professor. In: CASTRO, A.D.; CARVALHO, A.M.P.(org.). Ensinar a ensinar: Didática para a escola fundamental e médio. São Paulo: Pioneira, Thomson Learning, 2002.

BERNARDELLI, M.S. Encantar para ensinar: Um procedimento alternativo para o ensino de química. In: Convenção Brasil Latino Americano. Congresso Brasileiro e Encontro Paraense de Psicoterapias Corporais. Foz do Iguaçu, 2004.

SILVA, F.S.S.; MORAIS, L.J.O.; CUNHA, I.P.R. Dificuldades dos professores de biologia em ministrar aulas práticas em escolas públicas e privadas do município de Imperatriz (MA). Revista UNI, v.1, n.1, p.135-149, 2011.

SOBRINHO, R.S. A Importância do ensino da Biologia para o Cotidiano. Programa Especial de Formação Pedagógica de Docentes na área de Licenciatura em Biologia. FGF. Fortaleza - CE 2009.

BORGES, R.M.R.; LIMA, V.M.R. Tendências contemporâneas do ensino de Biologia no Brasil. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciências, v.6, n.1, p.165-175, 2007.

DURÉ, R.C.; ANDRADE, M.J.D.; ABÍLIO, F.J.P. Ensino de Biologia e contextualização do conteúdo: quais temas o aluno de ensino médio relaciona com o seu cotidiano?. Experiências em Ensino de Ciências, v.13, n.1, p.259-271, 2018.

Publicado
2019-08-01