FITOSSOCIOLOGIA EM TRECHO DE MATA CILIAR DO INSTITUTO DE NATUREZA E CULTURA NO MUNICÍPIO DE BENJAMIN CONSTANT-AM

  • Nilton Slobodzian UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS (UFAM).
  • Emerson Dechechi Chambó UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS (UFAM).
  • Márcia Nascimento Pinto UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS (UFAM).
  • Renato Abreu Lima Instituto de Educação, Agricultura e Ambiente da Universidade Federal do Amazonas (IEAA/UFAM).

Resumo

Matas ciliares são importantes sistemas ecológicos, pois além de abrigarem várias formas de vida silvestre, servem de proteção ao sistema hídrico e aos seres que dela dependem para sobreviver, suscitando desta forma estudo e proteção. Com isso, o presente estudo objetivou analisar o grau de regeneração em um trecho de mata ciliar no curso d’água que margeia o Instituto de Natureza e Cultura – UFAM no município de Benjamin Constant – AM. Foram demarcadas cinco parcelas de 20m X 20m no entorno do curso d'água. Todos os indivíduos com CAP >= 10cm foram numerados, identificados e relacionados em uma planilha. Para tracar o perfil esquemático foram escolhidas duas áreas de 20mX10m, uma imediatamente na entrada da mata e, outra mais afastada da área de borda da mata. Foram identificadas 40 espécies, 36 gêneros e 27 famílias, perfazendo um total de 164 indivíduos. As famílias de maior representatividade com relação ao número de indivíduos foram: Hypericaceae (36), Moraceae (24), Arecaceae (19), Fabaceae (12), Melastomataceae (10) e Lecythidaceae (8), o que representa 80,1% da riqueza total. A família Hypericaceae apesar de ter apresentado apenas duas espécies foi a que mais se destacou em relação ao número total de indivíduos, e a espécie Vismia guianensis sobressaiu com 30 indivíduos, o que representa 18,29% do total amostrado, participando de 100% das parcelas estudadas. Verificou-se que a vegetação esta na fase inicial de regeneração, por sofrer interferência antrópica contínua.

Biografia do Autor

Nilton Slobodzian, UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS (UFAM).
Discente do Curso de Licenciatura em Ciências: Biologia e Química, Instituto de Natureza e Cultura (INC), Universidade Federal do Amazonas (UFAM), Rua 1º de Maio, 05, Colônia, 68930-000, Benjamin Constant, AM, Brasil
Emerson Dechechi Chambó, UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS (UFAM).
Docente do INC/UFAM.
Márcia Nascimento Pinto, UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS (UFAM).
Docente do INC/UFAM.
Renato Abreu Lima, Instituto de Educação, Agricultura e Ambiente da Universidade Federal do Amazonas (IEAA/UFAM).
Biólogo, Pós-Graduado em Gestão Ambiental, Mestre em Meio Ambiente e Doutor em Biodiversidade e Biotecnologia pela UFAM.

Referências

MARTINS, S.V. Recuperação de matas ciliares. Coordenação Editorial Emerson de Assis. Viçosa: Aprenda Fácil, 2001.

SOUZA, F.M.; BATISTA, J.L.F. Restoration of seasonal semideciduous forests in Brazil: influence of age and restoration design on forest structure. Forest Ecology and Management, v.191, p.185-200, 2004.

PEREIRA, I.M.; REIS, G.G.; REIS, M.G.F.; BRITES, R.S. Caracterização da paisagem com ênfase em fragmentos florestais do município de Viçosa, Minas Gerais. Revista Árvore v.25, n.3, p.327-333, 2001.

GAMA, J.S.; BOTELHO, A.S.; BENTES-GAMA, M.M. Composição florística e estrutura da regeneração natural de floresta secundária de várzea baixa no estuário amazônico. Revista Árvore, v.26, n.5, p.559-566, 2002.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico 2010: Características da População e dos Domicílios, Resultados do Universo. Disponível em: http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=130060&search=||infogr%E1ficos:-informa%E7%F5es-completas. Acesso em 08 de fev. de 2017.

FIDALGO, E.C.C.; COELHO, M.R.; ARAÚJO, F.O.; MOREIRA, F.M.S.; SANTOS, H.G.; SANTOS, M.L.M. Levantamento do uso e cobertura da terra de seis áreas amostrais relacionadas ao projeto BiosBrasil (Conservation and Sustainable Management of Below-Ground Biodiversith: Phase I), município de Benjamim Constant (AM). Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 2005.

RAUNKIAER, C. The life formas of plants and statistical geography claredon, Oxfor, 632- 1934.

MUELLER-DOMBOIS, D.; ELLENBERG, H. Aims and methods of vegetation ecology. New York: Wiley, 1974. 547p.

LORENZI, H.; SOUZA, H.M.; TORRES, M.A.V.; BACHER, L.B. Árvores exóticas no Brasil: madeireiras, ornamentais e aromáticas. Nova Odessa: Plantarum, 2003. p.305.

MAGURRAN, A.E. Ecological Diversity and its Measurement. Cambridge University, London, 1998. 179p.

BROWER, J.E.; ZAR, J.H. Field & laboratory methods for general ecology. W.C. Brown Publishers, Boston, 1984.

LIMA, E.P.C. Florística e estrutura de uma área degradada por garimpo de ouro abandonado e do remanescente florestal de entorno, no município de Alta Floresta-MT. 2008. (Dissertação de Mestrado em Ciências Ambientais), Universidade do Estado de Mato Grosso, Cáceres, 2008.

HIGUCHI, M.G.F.R.; REIS, G.G.; PINHEIRO, A.L.; SILVA, C.T.; OLIVEIRA, C.H.R. de. Composição florística da regeneração natural de espécies arbórea ao longo de oitos anos em um fragmento de floresta estacional emidecidual, em Viçosa, MG. Revista Árvore, v.30, n.6, p.893-904, 2006.

SOARES, P. Levantamento fitossociológico da regeneração natural em reflorestamento misto no município de Cotriguaçu, estado de Mato Grosso / Paulo Soares – Cuiabá (MT): 2009.

VOLPATO, M.M.L. Regeneração natural em uma floresta secundária no domínio de Mata Atlântica: uma análise fitossociológica.Viçosa,1994. 123 f. Dissertação (Mestrado em Ciência Florestal) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, 1994.

PEZZOPANE, J.E.M. Caracterização fitossociológica, microclimática e ecofisiológica em uma floresta estacional semidecidual secundária. Viçosa, 2001. 225 f. Tese (Doutorado em Ciência Florestal) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2001.

SALLES, J.C.; SCHIAVINI, I. Estrutura e composição do estrato de regeneração em um fragmento florestal urbano: implicações para a dinâmica e a conservação da comunidade arbórea. Acta Botânica Brasileira, v.21, n.1, p.223-233, 2007.

KIPPER, J.; CHAMBÓ, E.D.; STEFANELLO, S.; GARCIA, R.C. Levantamento Florístico De Um Componente Arbóreo De Mata Ciliar Do Rio Paraná, Marechal Cândido Rondon, PR. Scientia Agraria Paranaensis, v.9, n.1, p.82- 92, 2010.

LEITÃO-FILHO, H.F. Aspectos taxonômicos das florestas do Estado de São Paulo. Silvicultura em São Paulo, v.1, p.197-206, 1982.

SALIS, S.M.; TAMASHIRO, J.Y.; JOLY, C.A. Florística e fitossociologia do estrato arbóreo de um remanescente de mata ciliar do rio Jacaré-Pepira, Brotas, SP. Revista Brasileira de Botânica, v.17, n.2, p.93-103, 1994.

RODRIGUES, R.R.; NAVE, A.G. Heterogeneidade florística das matas ciliares. Pp. 45-71. In: RODRIGUES, R.R.; Leitão-Filho, H.F. Matas Ciliares: conservação e recuperação. São Paulo, EDUSP/Editora da Universidade de São Paulo, 2000.

FELFILI, M.J.; EISENHLOHR, P.V.; MELO, M.M.R.F.; ANDRADE, L.A.; MEIRA NETO, J.A.A. Fitossociologia no Brasil: métodos e estudos de casos. Viçosa: UFV, 2011.

STEFANELLO, D.; IVANAUSKAS, N.M.; MARTINS, S.V.; SILVA, E.; KUNZ, S.H. Síndromes de dispersão de diásporos das espécies de trechos de vegetação ciliar do rio das Pacas, Querência – MT. Acta Amazonica, v.40, n.1, 141-150, 2010.

SILVA-JÚNIOR, M.C.; FELFILI, J.M.; WALTER, B.M.T.; NOGUEIRA, P.E.; REZENDE, A.V.; MORAIS, R.O.; NÓBREGA, M.G.G. 2001. Análise da flora arbórea de Matas de Galeria no Distrito Federal: 21 levantamentos. Pp. 143-191. In: RIBEIRO, J.F.; FONSECA, C.E.L.; SOUZA-SILVA, J.C. Cerrado: caracterização e recuperação de Matas de Galeria. Planaltina, EMBRAPA/Cerrados.

VENZKE, T.S.; MARTINS, S.V.; NERI, A.V.; KUNZ, S.H. Síndromes de dispersão de sementes em estágios sucessionais de mata ciliar, no extremo sul da Mata Atlântica, Arroio do Padre, RS, Brasil. Revista Árvore, v.38, n.3, p.403-413, 2014.

MELO, F.P.L.; RODRIGUEZ-HERRERA, B.; CHAZDON, R.L.; MEDELLIN, R.A; CEBALLOS, G.G. Small Tent-Roosting Bats Promote Dispersal of Large-Seeded Plants in a Neotropical Forest. Biotropica, v.41, n.6, p.737-743, 2009.

AGUILAR-GARAVITO, M; RENJIFO, L, M.; PÉREZ-TORRES, J. Seed dispersal by bats across four successional stages of a subandean landscape. Biota Colombiana, v.15, n.2, p.87-101, 2014.

MAGURRAN, A. E. Medindo a diversidade biológica. Curitiba: Editora da UFPR, 2011.

DAMASCENO-JÚNIOR, G.A. Estudo Florístico e Fitossociológico de um trecho de mata ciliar do Rio Paraguai, Pantanal, MS e suas relações com o regime de inundação. Campinas, SP – 1997.

DURIGAN, G.; RODRIGUES, R.R.; SCHIAVINI, I. A heterogeneidade ambiental definindo a metodologia de amostragem da floresta ciliar. In: RODRIGUES, R.R.; LEITÃO-FILHO, H.F. (eds.). Matas ciliares: conservação e recuperação. São Paulo: EDUSP, 2000.

ARAÚJO, R.A.; COSTA, R.B.; FELFILI, J.M.; GONÇALVEZ, I.M.; SOUSA, R.A.T.M.; DORVAL, A. Florística e estrutura de fragmento florestal em área de transição na Amazônia Matogrossense no município de Sinop. Acta Amazonica, v.39, n.4, p.865-878, 2009.

MELO, M.S. Florística, fitossociologia e dinâmica de duas florestas secundárias antigas com história de uso diferentes no nordeste do Pará-Brasil – Piracicaba/SP, 2004.

Publicado
2019-08-01
Como Citar
Slobodzian, N., Chambó, E. D., Pinto, M. N., & Lima, R. A. (2019). FITOSSOCIOLOGIA EM TRECHO DE MATA CILIAR DO INSTITUTO DE NATUREZA E CULTURA NO MUNICÍPIO DE BENJAMIN CONSTANT-AM. South American Journal of Basic Education, Technical and Technological , 6(1). Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/SAJEBTT/article/view/2328
Seção
Artigos Originais Ciências Biológicas