O PROFESSOR DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL E AS REFORMAS EDUCACIONAIS

IMPLICAÇÕES NA SUA ATUAÇÃO POLÍTICA E PEDAGÓGICA

Palavras-chave: Reformas Educacionais. Política de Avaliação. Trabalho Docente.

Resumo

A presente pesquisa tem por objetivo identificar e analisar como o professor se posiciona e responde em termos de atuação profissional, às pressões da política educacional orientada para a busca de resultados (ou desempenho) dos alunos frente às avaliações em larga escala, nas escolas de Ensino Fundamental (anos iniciais), no município de Rio Branco, Acre. O foco é a relação estabelecida entre professor-reforma-estratégias que esse profissional tem desenvolvido frente às exigências que têm provocado alterações em seu trabalho. Para tanto, se apoia em referenciais teóricos, como: Torres (2009); Freitas (2012); Ball (2004); Oliveira (2004); Ximenes (2012), Contreras (2002) e Giroux (1997). Os sujeitos da pesquisa são professores da rede municipal de Educação de Rio Branco – Acre que atuam nos anos iniciais do Ensino Fundamental, priorizando-se os professores do 3º (terceiro) e 5º (quinto) anos. É um estudo de abordagem qualitativa com enfoque descritivo que visou à obtenção de dados com o suporte da entrevista semiestruturada e de questionário. A pesquisa identificou que significativas mudanças foram empreendidas na rede de ensino local com o regime de colaboração, reestruturando a organização do ensino, resultando em modificações no trabalho docente. Trabalho pedagógico dos professores tem sido direcionado por descritores do ensino e avaliações periódicas, tornando a ação do professor essencialmente regulada. Ao professor tem sido imputado a responsabilidade pelos resultados, produzindo como consequência a intensificação do seu trabalho e a restrição da autonomia profissional. As estratégias de enfrentamento têm se voltado fortemente para ações didático-metodológicas em detrimento às de natureza política.

Referências

ACRE. Secretaria de Estado de Educação. Convênio/SEE/nº 020/2006. Convênio que entre si celebram o Estado do Acre através da Secretaria de Estado de Educação e o Município de Rio Branco através da Prefeitura Municipal de Rio Branco. Rio Branco, 2006.

______ . Lei nº 1.694, de 21 de dezembro de 2005. Institui o Sistema Público de da Educação Básica do Estado do Acre, face às diretrizes da Educação Nacional e demais instrumentos legais relativos ao regime de colaboração entre as redes de ensino do Estado e Municípios. Rio Branco, 2005.

BALL, S. J. Performatividade, privatização e o pós-Estado do Bem-Estar. Educação & Sociedade, Campinas, v. 25, n. 89, p. 1105-1126, set./dez. 2004.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011, 229 p

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9.394, 20 de dezembro de 1996.

CONTRERAS, J. Autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002.

FREITAS, L. C. Os reformadores empresariais da educação: da desmoralização do magistério à destruição do sistema público de educação. Campinas, 2012. In: Educação e Sociedade: revista de ciências da educação. Campinas, SP: Cortez, 1978-.

FRIGOTTO, G. O enfoque da dialética materialista histórica na pesquisa educacional. In: FAZENDA, I. (Org.). Metodologia da pesquisa educacional. 10. ed. São Paulo: Cortez, 2008. p. 69-90.

GIROUX, Henry A. Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 1997, 270 p.

HUBERMAN, M. O ciclo de vida profissional dos professores. In: NÓVOA, A. (Org.). Vida de Professores. 2. ed. Portugal: Porto Editora, 1995, p.31-61.

HYPOLITO, A. M.; VIEIRA, J. S.; PIZZI, L. C. V. Reestruturação Curricular e Auto-Intensificação do Trabalho Docente. Currículo sem Fronteiras, v.9, p.100-112, 2009.

OLIVEIRA, D. A. A reestruturação do trabalho docente: precarização e flexibilização. Educação & Sociedade, Campinas, v. 25, n. 89, p.1127-1144, set./dez. 2004.

PÁDUA, E. M. M. Análise de conteúdo, análise de discurso: questões teórico-metodológicas. Revista de Educação Puc-Campinas, Campinas, n. 13, p. 21-30, nov. 2002.

PAULO NETTO, José. Introdução ao Estudo do Método de Marx. 1ª ed. São Paulo: Expressão Popular, 2011. 64 p.

PINTO, U. A. A docência em contexto e os impactos das políticas públicas em educação no campo da didática. In: LIBÂNEO, J. C.; ALVES, N. (Orgs.). Temas de pedagogia: diálogos entre didática e currículo. São Paulo: Cortez, 2012, p.513-533.

SOARES, M. C. C. Banco Mundial: políticas e reformas. In: DE TOMMASI, L.; WARDE, M. J.; HADDAD, S. (Orgs.). O Banco Mundial e as políticas educacionais. 6 ed. São Paulo: Cortez, 2009, p.15-40.

TORRES, R. M. Melhorar a qualidade da educação básica? As estratégias do Banco Mundial. In: DE TOMMASI, L.; WARDE, M. J.; HADDAD, S. (Orgs.). O Banco Mundial e as políticas educacionais. Tradução de Mónica Corullón. 6 ed. São Paulo: Cortez, 2009, p.125-193.

XIMENES, S. B. Responsabilidade Educacional: concepções diferentes e riscos iminentes ao direito à educação. Campinas, 2012. In: Educação e Sociedade: revista de ciências da educação. Campinas, SP: Cortez, 1978.
Publicado
2020-05-29
Como Citar
Rodrigues da Silva, C., & Miranda de Lima, E. (2020). O PROFESSOR DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL E AS REFORMAS EDUCACIONAIS: IMPLICAÇÕES NA SUA ATUAÇÃO POLÍTICA E PEDAGÓGICA. REVISTA COMMUNITAS, 4(7), 234-248. Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/3079
Seção
Demanda Contínua