ASPECTOS EXPRESSIONISTAS EM O SONHO DE STRINDBERG

Palavras-chave: August Strindberg, O sonho, expressionismo

Resumo

O artigo se apresenta como centro de reflexões sobre o mundo, na virada dos séculos XIX e XX, dentro da perspectiva teatral, envolvido no movimento de contramão do padrão tradicional da forma de se construir o drama, trazendo-nos representação de caráter subjetivo. É desse modo que o presente trabalho se pauta no objetivo de analisar O sonho, de Strindberg, considerando aspectos do expressionismo: a deformação de uma realidade como mimesis aristotélica, o olhar crítico sobre a instituição do casamento burguês, e o papel intermediário da personagem e, pelas entrelinhas, do artista que se encontra entre o mundo dos homens e o mundo dos deuses. Esses elementos revelam o espírito renovador das artes durante a belle époque, incorporando e enriquecendo a era das vanguardas.

Referências

BAUDELAIRE, C. L'albatros. Fleurs du mal.org. Versão pdf. Disponível em: . Acesso em: 23 ago. 2018.
BERGSON, H. O riso: ensaio sobre a significação da comicidade. Trad. I. C. Benedetti. São Paulo: Martins Fontes, 2004.
BÍBLIA. N. T. João. In: BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Trad. João Ferreira de Almeida. Rev. At. 2 ed. Barueri: SBB, 2008.
CASALS, J. El expresionismo: orígenes y desarrollo de una nueva sensibilidad. Barcelona: Montesinos, 1982.
FREUD, S. O mal-estar na civilização. In:______. Obras psicológicas completas de Sigmund Freud: edição standard brasileira. Trad. J. Salomão. Rio de Janeiro: Imago, 1996.
GIGLIOTTI, G. C. O uso da iluminação com estética expressionista em filmes da primeira metade do século XX. Revista de estética e semiótica, Brasília, v2, n2, jul-dez, 2012.
MARTINEZ, D. A. Visões do inferno ou a cena deformada: uma leitura do expressionismo no teatro de Raul Brandão. 2016. 127 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Literários)-Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquista Filho", Faculdade de Ciências e Letras, Araraquara, 2016.
MODERN, R. E. El expresionismo literario. Buenos Aires: Editorial Nova, 1958.
NIETZSCHE, F. Assim falou Zaratustra: um livro para todos e para ninguém. São Paulo: Cia das Letras, 2011.
SCHOPENHAUER, A. O mundo como vontade e representação – livro IV. Acrópolis, 2001. Versão pdf. Disponível em: . Acesso em: 19 ago. 2018.
STRINDBERG, August. O Sonho. Trad. de João da Fonseca Amaral. Lisboa: Editorial Estampa, ?.
SZONDI, P. Teoria do drama moderno (1880-1950). Trad. Luiz Sérgio Repa. São Paulo: Cosac & Naify Edições, 2001.
VASQUES, E. Expressionismo e teatro. Lisboa: Escola Superior de Teatro e Cinema, 2007.
Publicado
2019-12-10