IMIGRAÇÃO HAITIANA PARA O BRASIL E AS FRONTEIRAS FÍSICAS, PSÍQUICAS E CULTURAIS

Palavras-chave: Imigrantes; Trabalho; Fronteiras; História Oral;

Resumo

Neste texto busco discutir a imigração haitiana para o Brasil, levando em consideração dois aspectos específicos: (i) a fronteira psíquica e cultural que existe acerca do distanciamento do Haiti em relação a demais países, como por exemplo, o Brasil; e (ii) a fronteira física em relação ao trajeto que os imigrantes haitianos realizam até chegar ao Brasil principalmente pela cidade de Assis Brasil que corresponde a fronteira do Acre com o Peru e a Bolívia. Como metodologia deste texto, utilizo um livro de literatura intitulado “Falhas” da escritora haitiana Yanick Lahens que escreveu sobre experiências vividas pela população haitiana após o terremoto de janeiro de 2010; discuto também a partir de entrevistas realizadas entre os anos de 2016 à 2019 com haitianos que vivem na cidade de Cascavel-PR acerca de: suas histórias de vida, de imigração e de trabalho, buscando sintetizar não apenas a imigração mas o aspecto da emigração. A partir de tais evidências, apresento neste texto que além das fronteiras físicas, as fronteiras estabelecidas no imaginário popular acerca de imigrantes de um país pobre, localizado naquilo que a sociologia do trabalho definiu como “periferia” do capitalismo, possuem fortes implicações em suas vidas, seja no percurso realizado para chegar até o Brasil que destacam as dificuldades como: fome, sede e a busca pela sobrevivência ou também nas experiências de trabalhos extenuantes e precários que se obrigam a realizar para manter não apenas sua própria sobrevivência, mas a de sua família que permaneceu no Haiti e aguarda o dinheiro enviado mensalmente.

Referências

BORTOLOTO, Claudimara C. Migração e Trabalho na contemporaneidade: os haitianos no Oeste do Paraná. Tese de Doutorado - Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Faculdade de Ciências e Letras, Campus de Araraquara, 2019.
CALEGARI, Jorge O. Codemò: escravos sem grilhões: vida operária ao redor da zona franca CODEVI em Ouanaminthe. Dissertação de Mestrado- Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, 2014.

COGGIOLA, Osvaldo: Haiti: terremoto, colonização e resistência. In: O olho da História, n.14, Salvador, junho de 2010.

COTINGUIBA, Marília; COTINGUIBA, Geraldo. Fronteiras e aspectos do rito de mudança de categoria jurídico-política dos sujeitos haitianos em mobilidade transacional no Brasil. In: BAENINGER, Rosana; PERES, Roberta; FERNANDES, Duval; SILVA, Sidney; ASSIS, Gláucia; CASTRO, Maria da Consolação; COTINGUIBA, Marília (orgs). Imigração haitiana no Brasil. Jundiaí, Paco Editorial: 2016.

FARIA, Andressa Virgínia. A diáspora haitiana para o Brasil: o novo fluxo migratório (2010-2012). Dissertação de Mestrado – Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Programa de Pós-graduação em Geografia- Tratamento da Informação Espacial. Belo Horizonte, BH: 2012.

FERNANDES, Duval. FARIA, Andressa. O visto humanitário como resposta ao pedido de refúgio dos haitianos. In: R. bras. Est. Pop., Belo Horizonte, v.34, n.1, p.145-161, jan./abr. 2017.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.
LAHENS, Yanick. Falhas. Brasília: Fundação Alexandre de Gusmão, 2012.
MAMED, Letícia. Trabalho, imigração e modernização dependente no Brasil: o recrutamento de haitianos pela agroindústria da carne. In: ANAIS DO XIV ENCONTRO NACIONAL DA ABET, São Paulo: 15 a 18 de setembro, 2015.

MAMED, Letícia. Haitianos na Amazônia: a morfologia da imigração haitiana pelo Acre e o horizonte de inserção precarizada no Brasil. In: Ruris. Volume 10. Número 1. P.73-111, Março, 2016.

MARTINS, José Renato; SOUZA, Maria Adélia; ARAUJO, Danielle Michelle; ZOMICHANI JUNIOR, James. Diáspora haitiana: da utopia à realidade. Foz do Iguaçu- PR: Gráfica Grapel, 2014.

MINCHOLA, Luís Augusto B. Salaamaalekun Brasil: o fluxo migratório senegalês e sua acolhida. In: REDIN, Giuliana (org) Imigrantes no Brasil: proteção dos direitos humanos e perspectivas político-jurídicas. Curitiba: Juruá, 2015.

POLLACK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. In: Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 2, n. 3, 1989, p. 3-15.

SAYAD, Abdelmalek. A Imigração ou os Paradoxos da Alteridade. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1998.

SCHWARCZ, Lilia. Sobre o autoritarismo no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

STEINMAN, Milton; GUMERA, Melissa; FERRETTI, Mario; ALMEIDA, Cristiane; IOSHIMOTO, MARIA; GUSMAN, Silvia, NETO, Miguel; SANTOS, Oscar; KANAMURA, Alberto; LOTTENBERG, Claudio. Terremoto no Haiti: uma experiência multiprofissional. In: Einstein. 9(1 Pt 1), 2011, 1-7.

SEGUY, Franck. A catástrofe de janeiro de 2010, a “internacional comunitária” e a recolonização do Haiti. Tese de Doutorado – Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. Campinas, SP: 2014.

SILVA, Sidney Antonio. Fronteira Amazônica: passagem obrigatória para haitianos? In: Revista Interdisciplinar de Mobilidade Humana. Ano XXIII, n.44, p.119-134, jan/jun. 2015.

THOMSON, Alistair. Histórias (co)movedoras: história oral e estudos de migração. Revista Brasileira de História. São Paulo, ANPUH/Humanitas/FAPESP nº44, vol. 22, 2002
Publicado
2019-12-10