Esta é uma versão desatualizada publicada em 2021-07-30. Leia a versão mais recente.

A PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO – ANÁLISE DO APLICATIVO UBER EATS.

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47418/uaquiri.vol3.n1.2021.5070

Palavras-chave:

Capitalismo; Trabalho; Uber Eats.

Resumo

Este artigo se propõe a fazer uma análise sobre a tecnologia como um mecanismo de degradação do trabalho, utilizado pelo capitalismo, para subjugar e alienar seus trabalhadores, focando no caso do aplicativo de entrega de refeições Uber Eats. Tem como objetivo principal examinar as condições de trabalho altamente prejudiciais em que os funcionários são sujeitos, e o papel da falácia do empreendedorismo nesse cenário. Para isso, foram necessários discussões e análises de textos, leituras e sistematizações de obras bases para entender o capitalismo e suas facetas, a gradativa degradação do trabalho e como isso afeta diretamente os trabalhadores, além de textos, artigos e reportagens sobre o aplicativo em si, possibilitando desta forma um panorama acerca do quão prejudiciais são esses novos mecanismos trabalhistas que estão se colocando em vigência nos últimos anos.

Referências

ALVES, José. As revoltas dos trabalhadores em Jirau (RO): Degradação do trabalho represada na produção de energia elétrica na Amazônia. 2014. 671 f. Tese (Doutorado em Geografia) – Faculdade de Ciências e Tecnologia, da Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente (SP).

ANTUNES, Ricardo. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e negação do trabalho. São Paulo: Boitempo, 2009.

ANTUNES, Ricardo. O privilégio da servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. São Paulo: Boitempo, 2018.

ANTUNES, Ricardo. Trabalho intermitente e uberização do trabalho no limiar da Indústria 4.0. In: ANTUNES, Ricardo (Org.). Uberização, trabalho digital e indústria 4.0. São Paulo: Boitempo, 2020.

BBC. ‘Oito horas sem comer, só consegui tomar água’: o cadeirante que entrega comidas por aplicativos na avenida Paulista. Disponível em: https://g1.globo.com/economia/concursos-e-emprego/noticia/2020/02/18/oito-horas-sem-comer-so-consegui-tomar-agua-o-cadeirante-que-entrega-comidas-por-aplicativos-na-avenida-paulista.ghtml. Acesso em: 19 de fevereiro de 2020.

CANTOR, Renán Veja. A expropriação do tempo no capitalismo atual. In: ANTUNES, Ricardo (Org.). Riqueza e miséria do trabalho no Brasil IV: trabalho digital, autogestão e expropriação da vida. São Paulo: Boitempo, 2019.

FAGUNDEZ, Ingrid. Como ser ‘top’: Ubers viram youtubers e faturam ensinando segredo do sucesso a motoristas e entregadores. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-49884077 Acesso em: 31 de outubro de 2019.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política – livro I. Tradução SANT’ANNA, Reginaldo, 27 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

MÉSZÁROS, István. A crise estrutural do capital. São Paulo: Boitempo, 2011.

MOREIRA, Ruy. A geografia do espaço-mundo: conflitos e superações no espaço do capital. Rio de Janeiro: Consequência Editora, 2016.

PONTE, Karina Furini da. O desenvolvimento sustentável e o controle social da natureza e do trabalho: um estudo a partir da fábrica de preservativos masculinos de Xapuri (AC). 2014. 360f. Tese (Doutorado em Geografia) – Faculdade de Ciências e Tecnologia, da Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente (SP).

PRIEB, Sérgio A. M.; CARCANHOLO, Reinaldo A. O trabalho em Marx. In: CARCANHOLO, Reinaldo (org.). Capital: essência e aparência. Vol. 1. São Paulo: Expressão Popular, 2011.

SLEE, Tom. Uberização: a nova onda do trabalho precarizado. São Paulo: Editora Elefante, 2017.

Downloads

Publicado

2021-07-30

Versões