FORMAÇÃO DOCENTE NO MUNICÍPIO DE CRUZEIRO DO SUL/ACRE: O CURSO DE HABILITAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO DO INSTITUTO SANTA TERESINHA

  • Ana da Cruz Ferreira Universidade Federal do Acre
  • Maria Irinilda da Silva Bezerra UFAC
  • Yasmin Andria Araújo da Silva
Palavras-chave: Saberes, Práticas, Curso de Magistério, Ensino Privado.

Resumo

A Lei 5.692/71 promoveu a implantação do Curso de Habilitação Específica para o Magistério em substituição ao Curso Normal. Nesta direção, o objetivo desse trabalho foi analisar a formação de professores desenvolvida no Curso de Magistério do Instituto Santa Teresinha, observando os saberes que eram ensinados neste curso e demonstrando quais características desta escola que a qualificaram como instituição privada de formação docente. Como metodologia, utilizamos um estudo bibliográfico baseando-se nas ideias de Bezerra (2015), Saviani (2009), entre outros. Realizamos ainda uma pesquisa documental, analisando planos de aula, regimentos e históricos escolares pertinentes ao curso ora estudado. Concluímos que o Curso de Habilitação para o Magistério da referida instituição refletia as orientações da Lei 5.692/71 e era caracterizado por enfatizar valores morais, cívicos e religiosos. Também foi possível compreender que este curso trouxe muitas contribuições na formação docente cruzeirense, pois permitiu que diversos professores tivessem uma formação profissionalizante para lecionar nas salas de aula.

 

 

Biografia do Autor

Ana da Cruz Ferreira, Universidade Federal do Acre

Ana da Cruz Ferreira, aluna do Curso de Pedagogia da Universidade Federal do Acre – Campus Floresta, bolsista de Iniciação Cientifica/PIBIC desde 2017. Membro do Grupo de Pesquisa do CNPq: Investigação Doente e Diversidades/GRIDD - E-mail: anacf15.af@gmail.com

Referências

AMARAL, S. R. R. A formação de professores para a educação infantil e anos iniciais do ensino fundamental: permanências e rupturas decorrentes das dinâmicas sociais e da legislação do magistério. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n.43, 2011.

BEZERRA, M. I. Da S. Tese de Doutorado. Formação docente institucionalizada na Amazônia acriana: da escola normal regional à escola normal padre Anchieta (1940-1970). Universidade Federal Fluminense, Programa de Pós-Graduação em Educação. Niterói/RJ, 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei nº 5.692 de 11 de agosto de 1971 – Publicação original. Câmara dos Deputados Legislação [online]. 1971 s.p. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1970-1979/lei-5692-11-agosto-1971-357752-publicacao original-1-pl.html.

SAVIANI, Dermeval. Formação de professores: aspectos históricos e teóricos do problema no contexto brasileiro. Revista Brasileira de Educação [online]. 2009, vol.14, n.40, p.143-155. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-24782009000100012.

TANURI, L. M. História da formação de professores. Revista Brasileira de Educação [online]. 2000, n.14, p.61-88. Disponível em: HTTPS://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=1&cad=rja&uact=8&ved=0ahUKEwjn-pX-oq7XAhXBjZAKHe7EB64QFggnMAA&url=http%3A%2F%2Fwww.scielo.br%2Fpdf%2Frbedu%2Fn14%2Fn14a05&usg=AOvVaw1_LQxwVqCeDVi8FySpAfJb.

VICENTINI, P. P.; LUGLI, R. G. História da profissão docente no Brasil: representações em disputa. São Paulo: Cortez, 2009.

Fontes Analisadas

- Quadro do corpo docente em atuação no Curso de Habilitação para o Magistério, 1988.

- Quadro curricular do Curso de Habilitação para o Magistério, 1992.

- Parecer nº 349/72 do Conselho Federal de Educação, 1972.

- Parecer nº 04/73 do Conselho Estadual de Educação do Estado do Acre, 1973.

- Parecer mº 01/83 do Conselho Estadual de Educação do Estado do Acre, 1983.

- Parecer nº 16/86 do Conselho Estadual de Educação do Estado do Acre, 1986.

- Parecer nº 05/87 do Conselho Estadual de Educação do Estado do Acre, 1987.

- Plano de Curso de Literatura Brasileira, 2000.

- Plano de Curso de Língua Portuguesa, 2000.

- Plano de Curso de Matemática, 2001.

- Regimento Interno do Instituto Orfanológico Santa Teresinha de 1º e 2º graus, 1978.

- Regimento Interno do Instituto Orfanológico Santa Teresinha de 1º e 2º graus, 1996.

Publicado
2018-07-27
Seção
Artigos