PRODUÇÃO CIENTÍFICA NACIONAL SOBRE A CONSTRUÇÃO DO PENSAMENTO EVOLUTIVO DOS ÚLTIMOS CINCO ANOS

Autores

Palavras-chave:

Charles Darwin, Evolução, Pensamento Evolutivo.

Resumo

A evolução é um dos temas mais polêmicas dentro da biologia, capaz de gerar grandes conflitos entre o meio científico e o religioso. Quando estudamos evolução, o primeiro nome que vem em mente é de Charles Robert Darwin, conhecido como uma das mentes mais brilhantes da humanidade, mas Darwin não foi o pioneiro a reconhecer e defender que as espécies evoluíam. O objetivo deste estudo é descrever a produção científica nos últimos 5 anos, que abordam pensadores e cientistas que contribuíram na construção do pensamento evolutivo. A pesquisa foi realizada com periódicos obtidos na plataforma SciELO Brasil no 1º bimestre de 2019. Foram identificados 21 artigos que, depois de selecionados, foram analisados de acordo com critérios pré-estabelecidos. Os resultados mostraram que a elaboração da teoria evolutiva vem sendo arquitetada desde os tempos antigos por filósofos, na tentativa de descobrir como a vida surgiu no planeta Terra e que motivou a construção do que conhecemos hoje como biologia evolutiva. Com este estudo, confere-se que tais publicações apontaram que existiram ideias tanto primitivas quanto avançadas no período anterior e posterior a Darwin.

Biografia do Autor

Marcelo Franco Leão, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutorado em andamento Educação em Ciências (UFRGS). Mestre em Ensino (UNIVATES). Especialização em Orientação Educacional (Dom Alberto) e em Relações Raciais na Educação e na Sociedade Brasileira (UFMT). Graduação em Licenciatura em Química (UNISC) e em Física (UNEMAT). Professor do Departamento de Ensino do IFMT Campus Confresa. Membro do Grupo de Pesquisa Ensino de Ciências e Matemática no Baixo Araguaia (EnCiMa).

MARKONDES LACERDA ARAÚJO , IFMT Campus Confresa

Licenciatura em Biologia pelo IFMT Campus Confresa. Professor da Educação, Básica, Técnica e Tecnológica no IFMT Campus Confresa.

Referências

[1] FUTUYAMA, Douglas Joel. Biologia evolutiva. 3. ed. Ribeirão Preto/SP: funpec editora, 2009.
[2] MAYR, Ernst. O que é a evolução. Rio de Janeiro: Rocco, 2009.
[3] DORVILLÉ, Luís Fernando Marques; SELLES, Sandra Lúcia Escovedo. Criacionismo: transformações históricas e implicações para o ensino de ciências e biologia. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v.46. n. 160, p. 442-465, abr./jun. 2016. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-15742016000200442&lang=pt>. Acesso em: 04 fev. 2019.
[4] MAYR, Ernst. Desenvolvimento do pensamento biológico: diversidade, evolução e herança. Brasília, DF: Editora Universidade de Brasília, 1998.
[5] REECE, Jane B. et al. Biologia de Campbel. 10. ed. Porto Alegre: Artmed, 2015.
[6] SADAVA, David et al. Vida: a ciência da biologia, volume II: Evolução, Diversidade e Ecologia. 8. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.
[7] HARARI, Yuval Noah. Homo Deus: uma breve história do amanhã. 1. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.
[8] GRIFFITHS, Anthony James F. et al. Introdução à genética. 9. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008.
[9] FUTUYAMA, Douglas Joel. Evolução, Sociedade e Ciência. São Paulo, Sociedade Brasileira de Genética: Virtuale Comunicação, 2002.
[10] GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.
[11] MOROSINI, Marília Costa; FERNANDES, Cleoni Maria Barboza. Estado do Conhecimento: conceitos, finalidades e interlocuções. Educação Por Escrito, Porto Alegre, v. 5, n. 2, p. 154-164, jul./dez. 2014. Disponível em: < https://goo.gl/TQNA9Z>. Acesso em: 20 fev. 2019.
[12] TEIXEIRA, P. M. M.; MEGID NETO, J. O estado da arte da pesquisa em ensino de Biologia no Brasil: um panorama baseado na análise de dissertações e teses. REEC. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, v. 11 (2), p. 273-297, 2012. Disponível em: https://goo.gl/wJT8vn, acesso em: 13/02/2019
[13] BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2012.
[14] BATISTA, Irinéa de Lourdes; LUCAS, Lucken Bueno. Contribuições axiológicas à educação científica: valores cognitivos e a seleção natural de Darwin. Ciência & Educação, Bauru, v. 19, n. 1, p. 201-216, 2013. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-73132013000100014&lang=pt>. Acesso em: 14 fev. 2019.
[15] TEIXEIRA, Pedro; ANDRADE, Marcelo. Entre as crenças pessoais e a formação acadêmica: como professores de biologia que professam fé religiosa ensinam evolução? Ciência & Educação, Bauru, v. 20, n. 2, p. 297-313, abr. 2014. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-73132014000200297&lang=en >. Acesso em: 04 fev. 2019.
[16] SELLES, Sandra Escovedo; DORVILLÉ, Luís Fernando Marques; PONTUAL, Leandro Vahia. Ensino religioso nas escolas estaduais do Rio de Janeiro: implicações para o ensino de ciências/biologia. Ciência & Educação, Bauru, v. 22, n. 4, p. 875-894, out./dez. 2016. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-73132016000400875&lang=en>. Acesso em: 04 fev. 2019.
[17] FARIAS, Felipe. O neolamarckismo de Edward Drinker Cope e a ideia de progresso biológico no processo evolutivo. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 37, n. 3, p. 1009-1029, out. 2017. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-59702017000401009&lang=pt>. Acesso em: 16 fev. 2019.
[18] OLIVEIRA, Graciela Silva; BIZZO, Nelio; PELEGRINI, Giuseppe. Evolução biológica e os estudantes: um estudo comparativo Brasil e Itália. Ciência & Educação, Bauru, v. 22, n. 3, p. 689-705, jul./set. 2016. Disponível em:
< http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-73132016000300689&lang=en>. Acesso em: 07 fev.2019.
[19] PUIG-SAMPER, Miguel Ángel; GONZÁLEZ, Armando Garcia; PELAYO, Francisco. La polémica evolucionista en España durante el siglo XIX: una revisión. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v.24, n.3, p.585-601, jul./set. 2017. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-59702017000300585&lang=en>. Acesso em: 14 fev. 2019.
[20] COLLEY, Eduardo; FISCHER, Marta Luciane. Especiação e seus mecanismos: histórico conceitual e avanços recentes. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, São Paulo, v. 20, n. 4, p. 1671-1694, dez. 2013. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-59702013000401671&lang=pt>. Acesso em: 16 fev. 2019.
[21] ARCANJO, Fernanda Gonçalves; SILVA, Edson Pereira. Pangênese, genes, epigênese. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 24, n. 3, p. 707-726, jul./set. 2017. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-21172016000200029&lang=pt>. Acesso em: 07 fev. 2019.
[22] PAPAVERO, Nelson; SANTOS, Christian Fausto Moraes dos. Evolucionismo darwinista? Contribuições de Alfred Russel Wallace à teoria da evolução. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 34, n. 67, p. 159-180, jun. 2014. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-01882014000100008&lang=en>. Acesso em: 14 fev. 2019.
[23] ALMEIDA, Sheila Alves de; LIMA, Maria Emília Caixeta de Castro. Cientistas em revista: Einstein, Darwin e Marie Curie na ciência hoje das crianças. Revista Ensaio, Belo Horizonte, v.18, n. 2, p. 29-47, mai./ago. 2016. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-21172016000200029&lang=pt>. Acesso em: 03 fev. 2019.
[24] HALL, Jonh; KIRDINA-CHANDLER, Svetlana. Towards an intellectual history of evolutionary economics: competition and struggle versus cooperation and mutual aid. Brazilian Journal of Political Economy, São Paulo, v. 37, n. 3, p. 551-564, jul. 2017. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-31572017000300551&lang=en>. Acesso em: 16 fev. 2019.
[25] CAPONI, Gustavo. Herbert Spencer: entre Darwin y Cuvier. Scientiae Studia, São Paulo, v. 12, n. 1, p. 45-71, jan./mar. 2014. Disponível em:
< http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1678-31662014000100003&lang=pt>. Acesso em: 03 fev. 2019.
[26] HARTFELDER, Klaus. Fritz Müller – Darwin's scientific correspondent in Brazil for 17 years. Genetics and Molecular Biology, Ribeirão Preto/SP, v. 41, n. 3, p. 722-724, jul./set. 2018. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-47572018000400722&lang=en>. Acesso em: 16 fev. 2019.
[27] FERRETTI, Frederico. Evolução e revolução: os geógrafos anarquistas Elisée Reclus e Pëtr Kropotkin e sua relação com a ciência moderna, séculos XIX e XX. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 25, n. 2, p. 553-568, abr./jun. 2018.
[28] OLIVEIRA, Almir Leal de. O litoral do Nordeste do Brasil como objeto científico darwinista: as prospecções de John Casper Branner, 1899-1911. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, Rio de janeiro, v. 21, n. 3, p. 931-949, set. 2014. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-59702014000300931&lang=en>. Acesso em: 14 fev. 2019.
[29] FILHO, Roberto Sobreira Pereira; WAIZBORT, Ricardo. As funções de um cérebro darwinista: Guedes Cabral e o evolucionismo de Funções do cérebro (1876). História, Ciências, Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 20, n. 4, p. 1585-1604, set./dez. 2013. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-59702013000401585&lang=pt>. Acesso em: 16 fev. 2019.
[30] ARTEAGA, Juanma Sánchez; ALMEIDA, Ronnie Jorge Tavares de; EL-HANI, Charbel Niño. A questão racial na obra de Domingos Guedes Cabral. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 20, n. 4, p. 1585-1604, dez. 2013. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-59702016000900033&lang=pt>. Acesso em: 14 fev. 2019.
[31] SANTOS, Wellington Bittencourt dos; EL-HANI, Charbel Niño. A abordagem do pluralismo de processos e da evo-devo em livros didáticos de biologia evolutiva e zoologia de vertebrados. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, Belo Horizonte, v. 14, n. 3, p. 199-216, set./dez. 2013. Disponível em:
< http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-21172013000300199&lang=en>. Acesso em: 04 fev. 2019.
[32] CARVALHO, André Luís de Lima. Das intermináveis incursões de Darwin pelo Brasil, pela América Latina e pelo mundo. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 20, p. 1421-1426, nov. 2013. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-59702013000501421&lang=pt>. Acesso em: 03 fev. 2019.
[33] SILVA, Gláucia Oliveira. Is natural selection a chimera? reflections on the ‘survival’ of a principle. Vibrant: Virtual Brazilian Anthropology, Brasília, v. 14, n. 3, dez. 2017. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-43412017000300200&lang=en>. Acesso em: 16 fev. 2019.
[34] SILVA, Gláucia; DUARTE, Luís Fernando Dias. Epigênese e epigenética: as muitas vidas do vitalismo ocidental. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, v. 22, n. 46, p. 425-453, jul./dez. 2016. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-71832016000200425&lang=en>. Acesso em: 14 fev.2019.

Downloads

Publicado

2020-06-02

Como Citar

Leão, M. F., & LACERDA ARAÚJO , M. (2020). PRODUÇÃO CIENTÍFICA NACIONAL SOBRE A CONSTRUÇÃO DO PENSAMENTO EVOLUTIVO DOS ÚLTIMOS CINCO ANOS. South American Journal of Basic Education, Technical and Technological , 7(1), 254-273. Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/SAJEBTT/article/view/3236

Edição

Seção

Artigos Originais Ciências Biológicas