FORMAÇÃO INICIAL E ATUAÇÃO PROFISSIONAL DOS PROFESSORES QUE MINISTRAM AULAS DE FÍSICA NO ENSINO MÉDIO NO MUNICÍPIO DE CONFRESA-MT

  • Paulo Geonany Liberal Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso
  • Marcelo Franco Leão Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso http://orcid.org/0000-0002-9184-916X

Resumo

Este estudo teve por objetivo caracterizar a formação inicial e a atuação profissional dos professores que ministram aulas de Física, no Ensino Médio, nas escolas públicas do município de Confresa-MT, e, a partir da análise desses dados, apresentar alguns questionamentos acerca do ensino de Física ministrado nessas condições. A pesquisa ocorreu no segundo semestre de 2017 e envolveu 19 professores de 8 escolas localizadas nas zonas urbana e rural deste município. Trata-se de um levantamento descritivo e exploratório, que utilizou da abordagem mista, o que permitiu realizar importantes questionamentos sobre a maneira que está ocorrendo o ensino dessa disciplina nas escolas de atuação dos investigados. Os dados foram obtidos por meio de questionário estruturado. Os resultados, além de preocupantes, são reveladores, pois, a maioria dos professores (15 profissionais) não possuem formação específica de licenciatura em Física.  Dentre os entrevistados, 5 deles se declararam inseguros para ministrar aulas de Física. Além disso, determinados conceitos, com destaque para Termodinâmica, Física Quântica e Ótica, foram classificados pelos investigados como conteúdos muito difíceis de ser ensinados. Frente a esta realidade, surgem alguns questionamentos sobre a qualidade do ensino dessa disciplina no município, que é realizado por profissionais não licenciados em Física e/ou inseguros.

Biografia do Autor

Paulo Geonany Liberal, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso
Especialização em Ensino de Ciências (IFMT). Licenciatura em Física (UFMG).
Marcelo Franco Leão, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso
Doutorado em Educação em Ciências (UFRGS). Mestre em Ensino (UNIVATES). Especialização em Orientação Educacional (Dom Alberto) e em Relações Raciais na Educação e na Sociedade Brasileira (UFMT). Graduação em Licenciatura em Química (UNISC) e em Física (UNEMAT). Professor do Departamento de Ensino do IFMT Campus Confresa. Membro do Grupo de Pesquisa Ensino de Ciências e Matemática no Baixo Araguaia (EnCiMa).

Referências

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Estudo exploratório sobre o professor brasileiro com base nos resultados do censo escolar da educação básica 2007. Brasília: Inep, 2009. Disponível em: <http://download.inep.gov.br/download/censo/2009/Estudo_Professor_1.pdf>. Acesso em: 13 out. 2017.

SCHEIBE, L.; DELIZOICOV, N.; DURLI, Z. Licenciaturas em Santa Catarina: o contexto atual. Roteiro (UNOESC), v. 1, p. 7-20, 2009.

GOBARA, S. T.; GARCIA, J.R.B. As Licenciaturas em Física das Universidades Brasileiras: Um diagnóstico da Formação Inicial de Professores de Física. Revista Brasileira de Ensino de Física (Impresso), v. 29, p. 519-526, 2007.

SANTOS, C. A. B.; CURI, E. A formação dos professores que ensinam Física no Ensino Médio. Ciência e Educação (UNESP. Impresso), v. 18, n. 4, p. 837-849, 2012.

SILVA, F.R.; BARROS, M.A.; LABURÚ, C.E.; SANTOS, L.C.A. Crenças de eficácia, motivação e a formação de professores de Física. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 28, n. 1: p. 214-228, abr. 2011.

ARRUDA, S.M. Entre a inércia e a busca: reflexões sobre a formação em serviço de professore de Física do Ensino Médio. São Paulo, 2011.

MALACARNE, V. Os professores de química, Física e biologia da região oeste do paraná: formação e atuação. São Paulo: 2007.

COELHO, S.M.; NUNES, A.D.; WIEHE, L.C.N. Formação Continuada de Professores numa visão construtivista: Contextos didáticos, estratégias e formas de aprendizagem no ensino experimental de Física. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 25, n. 1: p. 7-34, abr. 2008.

SILVA, N.C. Laboratório virtual de Física Moderna: sistemas para espectrometria. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 32, n. 2, 542 p. 542-562, ago. 2015.

MASSONI, N.T. Ensino de Laboratório em uma disciplina de Física Básica voltadas para curso de Engenharia: análises e perspectivas. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 31, n. 2, p. 258-288, ago. 2014.

PEREIRA; M.V.; MOREIRA, M.C.A. Atividades prático-experimentais no ensino de Física. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 34, n. 1, p. 265-277, abr. 2017.

PINTO, J.M.R. O que explica a falta de professores nas escolas brasileiras? Jornal de Políticas Educacionais, n. 15, p. 03-12, janeiro-junho, 2014.

GIL, A. C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: método qualitativo, quantitativo e misto. 3. Ed. Porto Alegre: Artmed, 2010.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2012.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dez de 1996. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, 1996.

NÓVOA, A.; HUBERMAN, M.; GOODSON, I.F.; HOLLY, M.L.; MOITA, M.C.; GONÇALVES, J.A.M.; FONTOURA; M.M.; BEM-PERETZ, M. Vidas de Professores. Porto Editora, 2000, Capítulo II, p. 31-61.

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO; SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO ESPORTE E LAZER. Edital nº 01/2017 – 03 de julho de 2017.

Publicado
2019-08-01
Seção
Artigos de Ciências Exatas, Tecnológicas e Multidisciplinar