DIVERSIDADE E CONSTITUIÇÃO DE PESQUISAS NA ÁREA DE/DA(S) LETRAS: CONTRADIÇÕES E INTER-RELAÇÕES

Autores

  • Shelton SOUZA Universidade Federal do Acre - UFAC
  • Grassinete Albuquerque Oliveira Universidade Federal do Acre - UFAC http://orcid.org/0000-0002-2765-8705
  • Maristela Alves de Souza DINIZ Universidade Federal do Acre - UFAC
  • Aline KIELING Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Letras: Linguagem e Identidade da Universidade Federal do Acre e Bolsista CAPES

Palavras-chave:

Diversidade, Letras, Contradições, Intervenções

Resumo

Neste volume da revista GEADEl, entendemos que iniciá-lo com o poema Contranarciso de Paulo Leminsky se faz necessário. Nos versos “em mim/eu vejo/o outro/e outro/enfim dezenas/trens passando/vagões cheios de gente centenas” construímos um sentido de postura de que formamos um “nosotros”. O termo nosotros, aqui abordado, aproxima da compreensão apresentada por Roig (2009) para quem todo “eu” é um + os outros, ou seja, um "nosotros”. Essa linha de compreensão, tecida por meio de Contranarciso, constrói-se a partir de diferentes possibilidades de sentidos que as artes literárias podem oferecer ao leitor, que, dialogicamente, o texto, sem o próprio leitor, não existe (MARCUSCHI, 2008), o que mostra a impossibilidade de textos e sujeitos andarem sozinhos, individualmente.

Biografia do Autor

Shelton SOUZA, Universidade Federal do Acre - UFAC

Doutor em Linguística (2017) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro/UFRJ. Professor de Linguística e Língua Portuguesa na Universidade Federal do Acre/UFAC. Suas principais áreas de atuação são: teoria e análise de línguas, principalmente de línguas indígenas brasileiras, fonologia, morfologia e sintaxe, ensino de português como L1/L2, análise do português em contraste com línguas indígenas, línguas de sinais (Libras) e línguas europeias para fins didáticos, análise e produção de material didático para o ensino de português como L1/L2 e estuda a inter-relação entre língua(gens), sexualidades, gêneros sociais e produção e (re)construção de identidades em diferentes espaços sociais.

Grassinete Albuquerque Oliveira, Universidade Federal do Acre - UFAC

Doutora em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem pela PUC-SP (2020). Líder do Grupo de Estudos em Análise do Discurso e Ensino de Línguas (GEADEL) e pesquisadora do Grupo de Pesquisa Inclusão linguística em Cenários de Atividades Educacionais (ILCAE). Professora da Universidade Federal do Acre (UFAC), com linhas de interesse relacionadas às questões de Formação de Formadores, Tecnologias na Educação, Linguística Aplicada ao ensino de Línguas e Estudos da Linguagem. 

Maristela Alves de Souza DINIZ , Universidade Federal do Acre - UFAC

Possui Doctorado en Investigación Transdisciplinar en Educación, pela Universidad de Valladolid, Espanha (2019). Professora Titular da Universidade Federal do Acre , Brasil. 

Aline KIELING , Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Letras: Linguagem e Identidade da Universidade Federal do Acre e Bolsista CAPES

Licenciada em Letras Inglês e respectivas literaturas pela Universidade Federal do Acre (UFAC), mestra em Letras: Linguagem e Identidade pelo PPGLI/UFAC, doutoranda pelo mesmo programa e bolsista CAPES.

Referências

BANIWA, Gersem. Língua, Educação e Interculturalidade na perspectiva indígena. Revista de Educação Pública, v. 26, n. 62, maio/agosto de 2017.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade Líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

CAPONE, Stefânia. A busca da África no candomblé: tradição e poder no Brasil. Rio de Janeiro: Pallas, 2009.

CASTILLO, Lisa Earl. Entre a oralidade e a escrita: a etnografia nos candomblés da Bahia. Salvador: Edufba, 2010.

DERRIDA, Jacques. Gramatologia. São Paulo: Perspectiva, 1973.

DERRIDA, Jacques. Escritura e diferença. São Paulo: Perspectiva, 1995.

FABRÍCIO, B. F. Linguística Aplicada como espaço de desaprendizagem. In: MOITA LOPES, L. P. da. (Org.). Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. 2a ed. São Paulo: Parábola Editorial, 2008. p. 45-65.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Trad. T. T. da SILVA e G. L. LOURO. 11ª ed. Rio de Janeiro: DP&A, [1992] 2006.

KRENAK, Ailton. Ideias para adiar o fim do mundo. 2 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2020.

LEMINSKY, Paulo. Toda Poesia. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

KUMARAVADIVELU, B. A linguística aplicada na era da globalização. In: MOITA LOPES, L. P. (org.). Por uma linguística aplicada INdisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.

NETO, José Borges. O que é Filosofia da Linguística? (tradução e adaptação da introdução "What is the Philosophy of Science?") de HITCHCOCK, C. (ed). Contemporary debates in Philosophy of Science, Malden, MA: Blackwell, 2004, p. 1-19), 2008.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Produção textual, análise de géneros e compreensão. São Paulo: Parábola, 2008.

MOITA LOPES, L. P. (Org.). Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006.

OLIVEIRA, Océlio Lima; SOUZA, Shelton Lima. A relação entre língua, nação e identidade no candomblé acreano. Revista Tropos, v. 5, n. 2, dezembro de 2016.

PENNYCOOK, Alastair. Uma lingüística aplicada transgressiva. In. LOPES, Luiz Paulo Moita (Org.). Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006.

PESCA, Adriana Barbosa; FERNANDES, Alexandre Oliveira; KAYAPÓ, Edson. Por uma escrita indígena: eu ser, minha voz, minha autoria, Revista Eletrônica Multidisciplinar Pindorama, v. 11, n. 1, p. 187-201, jan-/jun, 2020.

RAJAGOPALAN, Kanavillil. Repensar o papel da linguística aplicada. In. LOPES, Luiz Paulo Moita (Org.). Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006.

autoria, Revista Eletrônica Multidisciplinar Pindorama, v. 11, n. 1, p. 187-201, jan-/jun, 2020.

RIBEIRO, D. O que é lugar de fala? Belo Horizonte (MG): Letramento: Justificando, 2017.

ROIG, A.A. Teoría y crítica del pensamiento latinoamericano. Una ventana, Buenos Aires, 2009.

ROCHA, Christia; SOUZA, Shelton. O gênero textual Memórias Literárias em uma escola da rede pública de ensino em Rio Branco/AC: experenciar no ensino e na aprendizagem de português como língua materna. The Especialist, v. 41, n. 5, 2020.

SANTOS, Boaventura de Souza. Construindo as Epistemologias do Sul: Antologia Esencial. Volume

I: Para um pensamento alternativo de alternativas / Boaventura de Sousa Santos; compilado por Maria Paula Meneses... [et al.]. - 1a ed. - Ciudad Autónoma de Buenos Aires: CLACSO, 2018.

SOUSA SANTOS, Boaventura; MENESES, Maria Paula. Epistemologias do Sul. 2 ed. São Paulo: Almedina, 2010.

SOUZA, S. L.; PADILHA, R. N. Aprendizagem de Português escrito por indígenas Jaminawa: dificuldades e estratégias facilitadoras. Muiraquitã, Rio Branco, v. 4, n. 2, 2016.

SOUZA, Shelton Lima; OLIVEIRA, Océlio Lima. “A escrita permite o acesso ao segredo?”: uma reflexão sobre a inter-relação entre oralidade e escrita em terreiros de candomblé. Revista Tropos, v. 6, n. 1, julho de 2017.

SÜSSEKIND, M. L.; COUBE, A. L. da S. Universidadescolas: deslocando linhas abissais. [Orgs.] MASTRELLA-DE-ANDRADE, M. R. (De)Colonialidades na relação Escola-Universidade para a formação de professoras(es) de Línguas. Campinas, SP : Pontes Editores, 2020.

Esta imagem foi produzida pelo ilustrador Flávio Wetten

Downloads

Publicado

2021-07-27

Edição

Seção

Apresentação