REDES DIGITAIS DE APRENDIZAGEM E COMPLEXIDADE NO ENSINO-APRENDIZAGEM ON-LINE DE INGLÊS

Digital learning networks and complexity in online English language teaching and learning

  • Solange Lopes Vinagre COSTA PUC-SP
Palavras-chave: Ensino-aprendizagem de inglês; redes digitais de aprendizagem; complexidade.

Resumo

Este artigo tem por objetivo apresentar uma interpretação, feita pelas lentes dos conceitos de redes digitais de aprendizagem (CASTELLS, 2003; GOMEZ, 2004; HARASIM et al., 2005; KADUSHIN, 2012) e da complexidade (MORIN, 2015a), das interações de alunos de inglês em uma oficina on-line realizada no Google Classroom como complemento de aulas presenciais. Tal interpretação foi feita por meio de análises quantitativas, observando os grafos que representam os fluxos das postagens feitas pelos alunos e pela professora no fórum de discussão, bem como por interpretações qualitativas de scripts das postagens. Esse estudo procurou compreender os aspectos dessa interação que pudessem contribuir para o aprimoramento do desenvolvimento de atividades virtuais, buscando proporcionar situações de ensino-aprendizagem da língua inglesa que possam ser mais significativas para os alunos e que promovam sua participação mais ativa no processo de ensino aprendizagem.

Biografia do Autor

Solange Lopes Vinagre COSTA, PUC-SP

Mestre em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Brasil(2018). Monitora de Educação Profissional do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial - SP, Brasil. Doutoranda em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Bolsista CAPES

Referências

CASTELLS, M. Comunidades virtuais ou sociedade de rede? In: A galáxia da Internet: reflexões sobre a Internet, os negócios e a sociedade. Trad. Maria Luiza X. de A. Borges. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003. p.98-113.

GOMEZ, M.V. Concepções de rede. In: Educação em rede: uma visão emancipadora. São Paulo: Cortez: Instituto Paulo Freire, 2004. p.27-56.

HARASIM, L. et al. Redes de aprendizagem: um guia para ensino e aprendizagem on-line. São Paulo: Editora Senac, 2005.

KADUSHIN, C. Understanding social networks: theories, concepts, and findings. New York: Oxford University Press, 2012.

KENSKI, V.M. Educação e Internet no Brasil. Cadernos Adenauer XVI [Internet] 3, 2015, p.133-50. Disponível em: <http://www.pucrs.br/famat/viali/doutorado/ptic/textos/Kenski.pdf>. Acesso em: 24 maio 2020.

LAVE, J.; WENGER, E. 1991. Situated learning: legitimate peripheral participation. Cambridge: Cambridge University Press.

LEFFA, V.J. A aprendizagem de línguas mediada por computador. In: LEFFA, V. (org.). Pesquisa em linguística aplicada: temas e métodos. Pelotas: Educat, 2006. p. 11-36.

LEFFA, V. Redes sociais: ensinando línguas como antigamente. In: ARAÚJO, J.; LEFFA, V. (org.) Redes sociais e ensino de línguas: o que temos de aprender? São Paulo: Parábola, 2016. p.137-153.

MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. Tradução Eliane Lisboa. 5ed. Porto Alegre: Sulina, 2015a.

MORIN, E. Ensinar a viver: manifesto para mudar a educação. Tradução Edgard de Assis Carvalho e Mariza Perassi Bosco. 5 ed. Porto Alegre: Sulina, 2015b.

SANTAELLA, L.; LEMOS, R. Redes e sistemas. In: Redes sociais digitais: a cognição conectiva no Twitter. São Paulo: Paulus, 2010.

WEISSHEIMER, J; LEANDRO, D.C. Facebook e aprendizagem híbrida de inglês na universidade. In: ARAÚJO, J.; LEFFA, V. (org.) Redes sociais e ensino de línguas: o que temos de aprender? São Paulo: Parábola, 2016.

Publicado
2020-07-17