“TEM QUINHENTOS ANOS QUE OS ÍNDIOS ESTÃO RESISTINDO[...]”: DOS ESPECTROS DE PASSADOS REMEMORADOS SURGEM POSSIBILIDADES DE EXISTIR

Autores

  • Shelton Lima de SOUZA Universidade Federal do Acre/UFAC
  • Maristela Alves de Souza DINIZ Universidade Federal do Acre/UFAC
  • Grassinete C. de Albuquerque OLIVEIRA Universidade Federal do Acre - UFAC http://orcid.org/0000-0002-2765-8705
  • Luciano Mendes SARAIVA Universidade Federal do Acre/UFAC
  • Aquésia Maciel GÓES Universidade Federal do Acre/UFAC
  • Aline KIELING Universidade Federal do Acre/UFAC
  • Paula Tatiana da SILVA-ANTUNES Universidade Federal do Acre/UFAC

Palavras-chave:

Linguagem, Indígenas, Subjetividades

Resumo

Os sujeitos estão inseridos no mundo e, para tanto, desenvolvem diferentes maneiras de se relacionar com ele. Por meio das linguagens, conseguimos desenvolver diferentes formas de conexão que nos permitem dizer: sou isso, sou aquilo. É nas linguagens e com elas que os sujeitos se fazem presentes, rememoram passados e projetam futuros que se constroem em meio a possibilidades que os próprios sujeitos criam para estabelecer amostras de suas possíveis humanidades.

Biografia do Autor

Shelton Lima de SOUZA, Universidade Federal do Acre/UFAC

Possui graduação em Letras/Português do Brasil como Segunda Lingua (2006), mestrado em Linguística/Gramática (2008), ambos realizados na Universidade de Brasilia/UnB, e doutorado em Linguística (2017) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro/UFRJ com bolsa da Fundação de Amparo à Pesquisa do Acre/FAPAC. Professor Adjunto Nível IV de Linguística e Língua Portuguesa no Centro de Educação, Letras e Artes/CELA da Universidade Federal do Acre/UFAC. Professor permanente do Programa de Pós-graduação em Letras: Linguagem e e Identidade/PPGLI/UFAC. Membro do grupo de pesquisa GEADEL (Grupo de Estudos em Análise do Discurso e Ensino de Línguas). Sócio da Associação Brasileira de Linguística (Abralin), do Grupo de Estudos Linguísticos e Literários da Região Norte (GELLNORTE) e da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC). Membro do Grupo de Trabalho Estudos Linguísticos na Amazônia/ELIAB da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Letras e Linguística/ANPOLL. Professor permanente do Programa de Pós-graduação Profissional em Letras/ProfLetras/UFAC. Coordenador do Polo Aplicador do Exame Celpe-Bras INEP/UFAC. Foi professor efetivo de Língua Portuguesa da educação básica na Secretaria de Educação de Goiás/SEE-GO. Suas principais áreas de atuação são: A relação entre língua(gens), identidades e alteridades, teoria e análise de línguas, principalmente de línguas indígenas brasileiras, fonologia, morfologia e sintaxe, análise de categorias aspecto-temporais e modais, ensino de português como língua materna e não materna, análise do português em contraste com línguas indígenas, línguas de sinais (Libras) e línguas europeias para fins didáticos e análise e produção de material didático para o ensino de português como língua materna e não materna.

Maristela Alves de Souza DINIZ, Universidade Federal do Acre/UFAC

Professora de Língua e Literatura Espanholas na Universidade Federal do Acre/UFAC. Doutora em Investigación Transdisciplinar en Educación pela Universidad de Valladolid - UVA, Espanha (2019). Atualmente é professora Adjunta, Nível III, do Curso de Letras / Língua Espanhola e Literaturas da Universidade Federal do Acre. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Língua Espanhola e Literaturas de Língua Espanhola, atuando principalmente em: formação de professores; educação de língua e literatura espanholas focalizado em uma perspectiva plurilingue; letramento crítico-integrado das línguas-culturas; contato entre línguas na região de tríplice fronteira Brasil-Bolívia-Peru.

Grassinete C. de Albuquerque OLIVEIRA, Universidade Federal do Acre - UFAC

Doutora em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem pela PUC-SP (2020). Líder do Grupo de Pesquisa em Educação, Linguagens, Linguística Aplicada e Ensino (ELLAE) e pesquisadora do Grupo de Pesquisa Inclusão linguística em Cenários de Atividades Educacionais (ILCAE). Professora da Universidade Federal do Acre (UFAC), com linhas de interesse relacionadas às questões de Formação de Formadores, Tecnologias na Educação, Linguística Aplicada ao ensino de Línguas e Estudos da Linguagem. 

Luciano Mendes SARAIVA, Universidade Federal do Acre/UFAC

Professor Adjunto II do Centro de Educação, Letras e Artes (CELA), da Universidade Federal do Acre (UFAC). Docente do curso de Licenciatura em Letras Espanhol. Doutor em Linguística Aplicada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro com pesquisa em Estudos Culturais, dialogando com análise do discurso e análise da narrativa, América Latina, canção como gênero discursivo e ensino de línguas.

Aquésia Maciel GÓES, Universidade Federal do Acre/UFAC

Aquésia Maciel Goes, é professora Assistente no curso de Letras Espanhol - UFAC (2022), possui graduação em Letras espanhol pela Universidade Federal do Acre - UFAC (2016), e mestrado em Literatura Comparada pelo Programa de Pós-Graduação em Literatura Comparada da Universidade Federal da Integração Latino-Americana - UNILA.

Aline KIELING, Universidade Federal do Acre/UFAC

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Letras: Linguagem e Identidade da Universidade Federal do Acre. Bolsista CAPES.

Paula Tatiana da SILVA-ANTUNES, Universidade Federal do Acre/UFAC

Doutora em Estudos da Linguagem pela Universidade Estadual de Londrina, Brasil (2014). Vice-líder do Grupo de Estudos em Análise de Discurso e Ensino de Línguas - GEADEL, Professora Adjunta - Classe C - nível 2, da Universidade Federal do Acre , Brasil.

Referências

ALBÁN ACHINTE, A. Pedagogías de la re-existencia. Artistas indígenas y afrocolombianos. In: Pedagogías decoloniales: Prácticas insurgentes de resistir, (re)existir y (re)vivir. Tomo I, Quito: Ediciones Abya-Yala, 2013, p. 443-468.

ALBÁN ACHINTE, Adolfo. Prácticas Creativas de Re-existencia: más allá del arte ...el mundo de lo sensible. Buenos Aires: Del Signo, [2000] 2017.

BANIWA, G. J. S. L. Língua, educação e interculturalidade na perspectiva indígena. Revista de Educação Pública, v. 26, n. 62/1, p. 295-310, 2017. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/educacaopublica/article/view/4996. Acesso em: 10 jul. 2021.

CRYSTAL, D. Language death. Cambridge: Cambridge University Press, 2000.

DERRIDA, J. Escritura e diferença. São Paulo: Perspectiva, 1995.

KRAUSE-LEMKE, Cibele. Translinguagem: uma abordagem dos estudos em contexto estrangeiro e brasileiro. Trabalhos em Linguística Aplicada. v. 59, n. 3. 2020, p. 2071-2101. Disponível em: https://www.scielo.br/j/tla/a/pWQK3Q5r9bcNQfsnmrFkyGb/?format=pdf&lang=pt. Acesso: 31 jul. 2022.

KRENAK, A. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2020.

LÉVI-STRAUSS, Claude. O homem nu. Trad. Beatriz Perrone-Moisés. São Paulo: Cosac Naify, 2011. (Mitológicas, 4).

MAHER, T. M. Sendo índio em português… In. SIGNORINI, I. Lingua(gem) e identidade: elementos para uma discussão no campo aplicado. Campinas: Mercado de Letras; São Paulo: Fapesp, 1998.

PESCA, A. B.; FERNANDES, A. O.; KAYAPÓ, E. Por uma escrita indígena: eu ser, minha voz, minha autoria. Revista Pindorama, v. 11, n. 1 (2020), Jan./Jun. 2020.

PLATÃO. A República. Tradução de Ciro Mioranza. São Paulo: Lafonte, [séc. IV a.C.] 2019.

PENNYCOOK, Alastair. Posthumanist applied linguistics. First edition. London; New York: Routledge/Taylor & Francis Group, 2018.

PIÑEIRO, M. G; GUILLÉN, C. D.; VEZ, J. M. Didáctica de las lenguas modernas. Competencia plurilingüe e intercultural. Madrid: Editorial Síntesis, S. A. 2010.

QUIJANO, Aníbal. “Colonialidade do poder, eurocetrismo e América Latina”. LANDER, Edgardo (org). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latinoamericanas. CLACSO, Buenos Aires, Argentina. 2005.

RAJAGOPALAN, K. 0 conceito de identidade em linguística: é chegada a hora para uma reconsideração radical? Tradução de Almira Pisella. In. SIGNORINI, I. Lingua(gem) e identidade: elementos para uma discussão no campo aplicado. Campinas: Mercado de Letras; São Paulo: Fapesp, 1998.

SÁEZ, Oscar Calavia. Nawa, Inawa. Ilha Revista de Antropologia, v. 4, n. 1, p. 035–057, 2002.

SHANENAWA, E. C. G. “Os novos não falam a Nuke Tsãy, querem ser não indígenas”: usos linguísticos e possibilidades de (re)existências linguísticas do povo Shanenawa da Terra Indígena Katukina/Kaxinawa (Aldeia Morada Nova). Dissertação (Letras: Linguagem e Identidade). 109 p. Rio Branco: UFAC, 2022.

SOUZA, S. L. Povo e língua Jaminawa (variedade de Kayapucá): da realidade social às formas linguísticas e às categorias Aspecto-temporal, Modo e Negação. Tese (Linguística). 261 p. Rio de Janeiro: UFRJ, 2017.

SOUZA, S. L. Aspectos (socio)linguísticos dos indígenas Jaminawa da aldeia Kayapucá: bilinguismo e educação. The Especialist, v. 39, n. 2, p. 1-12, 2018. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/esp/article/view/39867. Acesso em 10/09/2019.

SOUZA, S. L. Dialogando, desnormatizando e (re)existindo em espaços superdiversos: a escrita indígena em contexto universitário, 2022. (no prelo).

WALSH, Catherine (Ed.). Pedagogías decoloniales: prácticas insurgentes de resistir, (re)existir y (re)vivir. Tomo I. Quito, Ecuador: Ediciones Abya-Yala, 2013. Disponível em: http://agoradeeducacion.com/doc/wp- content/uploads/2017/09/Walsh-2013-Pedagog%C3%ADasDecoloniales.-Prácticas.pdf. Acesso: 31 jul. 2022.

WELP, Anamaria; GARCIA, Ofelia. A Pedagogia translíngue e a elaboração de tarefas na formação integral do educando brasileiro. Ilha do Desterro, v. 75, n. 1 p. 47-64, 2022. DOI: http://dx.doi.org/10.5007/2175-8026.2022.e82165. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/desterro/article/view/82165/48273. Acesso em: 29 de jul. 2022.

Downloads

Publicado

2022-08-02

Edição

Seção

Apresentação