O ESTEREÓTIPO FEMININO NO IMAGINÁRIO POPULAR SOBRE OS POVOS CIGANOS

Autores

  • Elisabete Pessoa L. SILVA FAETEC

Palavras-chave:

Discursos; Estereótipos; Mulher Cigana; Literatura

Resumo

Os estereótipos são fenômenos que sempre estiveram presentes nas representações discursivas atribuídos a determinados povos. Porém, quando se trata da figura feminina, sobretudo em espaços que valorizam a cultura do machismo e do patriarcado, alguns padrões sempre foram explorados, inclusive na literatura, embora não fossem o suficiente para representar com propriedade os atributos de uma mulher cigana. Assim este estudo tem por objetivo fazer uma leitura de diferentes personagens femininos que foram descritas como cigana feiticeira ou sedutora nas narrativas ficcionais. Trate-se de um estudo bibliográfico, de cunho qualitativo e descritivo. Para a realização, utilizou-se como aportes teóricos  G.Allport (1971),  Serge  Moscovici (2009) e  ElzaMaria Tchio (2008). Como resultado da reflexão crítica sobre a figura da mulher cigana, percebe-se que a identidade forjada não a  representa  e não encontra eco no atual contexto cultural.

 

Referências

Referências bibliográficas

ALLPORT, G. La naturaleza del prejuicio. Buenos Aires: Editorial Universitaria de Buenos Aires,1971.

ASSIS, Machado de. Todos os romances e contos consagrados. V. 2. 1. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2016.

_____. Várias Histórias: A cartomante. São Paulo: Editora Ática, 2003.

_____. Todos os romances e contos consagrados. V. 2. 1. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2016.

_____. Várias Histórias: A cartomante. São Paulo: Editora Ática, 2003.

BACEGA, Maria Aparecida. Palavra e discurso, História e literatura. São Paulo: Ática, 2007.

CERVANTES, Miguel De. La Gitanilla. Disponível em: . Acesso em: 15 nov. 2020.

FOUCAULT, Michel. A Ordem do Discurso. São Paulo: Edições Loyola, 2016.

LIPPMANN, Walter. Vozes, 2008.

MERIMÉE, Prosper. Carmen e outras histórias, novelas e contos completos, trad. Mário Quintana. Rio de Janeiro: Editora Zahar, 2015.

MOSCOVICI, Serge. Os ciganos: entre perseguição e emancipação. Revista Sociedade e Estado, Brasília, v. 24, n. 3, p. 653-678, set./dez. 2009. Disponível em: . Acesso em 6/08/2016.

MOTA, Gisele. A sociedade Espanhola, vista através de “La Gitanilla”(1613). Revista de História: USP, v. 47, n. 95, 1973.

SCHWARZ, Roberto. Duas Meninas. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

SILVA, Elisabete Pessoa L. Discursos em cena no Cancioneiro da Cidade Nova, de Mello Moraes Filho: Um olhar sobre as identidades ciganas. Tese de Doutoraado apresentada ap Programa de Pós-graduação em Linguística Aplicada do Centro de Artes e Letras da UFRJ. Rio de Janeiro: 2021.

SORIA, Ana Paula C. B. Juncos ao vento: literatura e identidade romani(cigana). Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós-graduação em Literatura do Instituto de Letras- Departamento de Teoria Literária e Literaturas da UnB. Brasília: 2015.

TCHIO, Elza Maria. Cultura e produção das diferenças: estereótipos e preconceitos no Brasil, Espanha e Portugal. Technopolitik, 2008.

TEIXEIRA, Rodrigo Corrêa. Ciganos no Brasil. Uma breve história. São Paulo: Crisálida, 2009.

VOLÓCHINOV, Valentin. Marximismo e filosofia da linguagem. Problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem.Tradução, notas e glosário Sheila Grillo e Ekaterina Vólkova Américo. São Paulo: Editora 34, 2017.

Downloads

Publicado

2022-08-02