LÍNGUA(GENS) EM TEMPOS DE PANDEMIA: O FAZER-SE OUVIR “APESAR DE”

EDITORIAL

Palavras-chave: LINGUAGEM. EDUCAÇÃO. ARTIGOS

Biografia do Autor

Grassinete C. de Albuquerque OLIVEIRA, Universidade Federal do Acre - UFAC

Doutora em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem pela PUC-SP (2020). Líder do Grupo de Estudos em Análise do Discurso e Ensino de Línguas (GEADEL) e pesquisadora do Grupo de Pesquisa Inclusão linguística em Cenários de Atividades Educacionais (ILCAE). Professora da Universidade Federal do Acre (UFAC), com linhas de interesse relacionadas às questões de Formação de Formadores, Tecnologias na Educação, Linguística Aplicada ao ensino de Línguas e Estudos da Linguagem. 

Paula Tatiana SILVA-ANTUNES, Universidade Federal do Acre - UFAC

Doutora em Estudos da Linguagem pela Universidade Estadual de Londrina, Brasil (2014). Vice-líder do Grupo de Estudos em Análise de Discurso e Ensino de Línguas - GEADEL,  Professora Adjunta - Classe C - nível 2, da Universidade Federal do Acre , Brasil

Shelton SOUZA, Universidade Federal do Acre - UFAC

Doutor em Linguística (2017) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro/UFRJ. Professor de Linguística e Língua Portuguesa na Universidade Federal do Acre/UFAC. Suas principais áreas de atuação são: teoria e análise de línguas, principalmente de línguas indígenas brasileiras, fonologia, morfologia e sintaxe, ensino de português como L1/L2, análise do português em contraste com línguas indígenas, línguas de sinais (Libras) e línguas europeias para fins didáticos, análise e produção de material didático para o ensino de português como L1/L2 e estuda a inter-relação entre língua(gens), sexualidades, gêneros sociais e produção e (re)construção de identidades em diferentes espaços sociais.

GABRIELA OLIVEIRA-CODINHOTO, Universidade Federal do Acre - UFAC

Graduada em Letras (2008) pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP), câmpus de São José do Rio Preto, e mestrado (2011) e doutorado (2016) em Estudos Linguísticos, ambos pela mesma instituição. Atualmente é professora do Centro de Educação, Letras e Artes da Universidade Federal do Acre - Ufac, onde atua, também, como professora do quadro permanente do Programa de Pós-Graduação em Letras: Linguagem e Identidade (PPGLI) e do Programa de Pós-Graduação em Letras - Mestrado Profissional (ProfLetras). Publicou o livro "Estratégias de relativização e construções alternativas nas línguas indígenas do Brasil", em parceria com Roberto Gomes Camacho, pela Editora Cultura Acadêmica da UNESP em 2013. É pesquisadora do Grupo de Pesquisa em Gramática Funcional (UNESP/CNPq) e do Grupo de Estudos em Análise de Discurso e Ensino de Línguas (Ufac/CNPq). Tem experiência na área de Linguística, com ênfase em Gramática Funcional, atuando principalmente nos seguintes temas: Oração Relativa, Subordinação, Aquisição de Escrita, Línguas Indígenas Brasileiras e Tipologia Linguística.

Aline Suelen SANTOS, Universidade Federal do Acre - UFAC

Professora da Universidade Federal do Acre - UFAC, possui graduação em licenciatura em letras - habilitação dupla português/inglês (2010) e mestrado em letras (2012), ambos pela Universidade Federal de Sergipe (UFS). Doutorado (2019) em Estudos Linguísticos, pela UNESP. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Leitura e Escrita. É membro do grupo membro de pesquisa Estudos em Análise de Discurso e Ensino de Línguas (UFAC) e do grupo de pesquisa Estudos sobre a linguagem (UNESP).

Maristela Alves de Souza DINIZ, Universidade Federal do Acre - UFAC

Possui Doctorado en Investigación Transdisciplinar en Educación, pela Universidad de Valladolid, Espanha (2019). Professora Titular da Universidade Federal do Acre , Brasil. 

Referências

AMOSSY, R. (org.). In: ______. Imagens de si no discurso: a construção do ethos. Trad. Dilson Ferreira da Cruz, Fabiana Komesu e Sírio Possenti. São Paulo: Contexto, 2005. p. 9-28.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

______ (VOLOCHÍNOV, V. N.). Marxismo e filosofia da linguagem. Trad. Michel Lahud e Yara F. Vieira. São Paulo: Hucitec, 2004.

______. Os gêneros do discurso. Paulo Bezerra (Organização, Tradução, Posfácio e Notas). Notas da edição russa: Seguei Botcharov. São Paulo: Editora 34, [1952-1953] 2016.

BAUMAN, Z. Modernidade Líquida. Trad. Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

______. Babel – Entre a incerteza e a Esperança. Trad. Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Zahar, 2016.

______; LEONCINI, T. Nascidos em Tempos Líquidos: transformações no terceiro milênio. Rio de Janeiro: Zahar, 2018.

BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua estrangeira. Brasília: MEC/SEF, 1998.




CASTELLS, M. Comunidades virtuais ou sociedade de rede? In: A galáxia da Internet: reflexões sobre a Internet, os negócios e a sociedade. Trad. Maria Luiza X. de A. Borges. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003. p.98-113.

CORACINI, M.J. A celebração do outro: arquivo, memória e identidade (línguas materna e estrangeira), plurilinguismo e tradução. Campinas: Mercado de Letras, 2007.

ENGESTRÖM, Y.; SANINO, A. Discursive manifestations of contradictions in organizational changes efforts. A methodological framework. Journal of Organizational Change Management, v. 24, n.3, 2011, p. 368-87.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e mudança social. Trad. rev. técnica Izabel Magalhães. Brasília: Editora Universidade de Brasília, [1992] 2001.
FERREIRA, A. J. Formação de professores raça/etnia: reflexões e sugestões de materiais de ensino em português e inglês. Cascavel: Assoeste, 2006.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, [1996] 2002.

FREITAS, A. L. S. Pedagogia do inédito-viável: contribuições de Paulo Freire para fortale- cer o potencial emancipatório das relações ensinar-aprender-pesquisar. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL PAULO FREIRE: DESA- FIOS À SOCIEDADE MULTICULTURAL, 5., 2005, Recife. Anais eletrônicos. Recife: Centro Paulo Freire de Estudos e Pesquisas, 2005. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/1821773/mod_folder/content/0/Leitura%20complementar/Pedagogia%20do%20in%C3%A9dito%20vi%C3%A1vel%20-%20Ana%20Freitas.PDF?forcedownload=1. Acesso em: 26.06.2020.

GIDDENS, A. As consequências da modernidade. São Paulo: Unesp, 1991.

GOMEZ, M. V. Concepções de rede. In: ______. Educação em rede: uma visão emancipadora. São Paulo: Cortez: Instituto Paulo Freire, 2004, p.27-56.

HARASIM, L. et al. Redes de aprendizagem: um guia para ensino e aprendizagem on-line. São Paulo: Editora Senac, 2005.

KADUSHIN, C. Understanding social networks: theories, concepts, and findings. New York: Oxford University Press, 2012.

MAINGUENEAU, D. A propósito do ethos. In: MOTTA, A. R.; SALGADO, L. (orgs.). Ethos discursivo. São Paulo: Contexto, 2008, p. 11-29.

______. Retorno crítico à noção de ethos. In: Letras de Hoje, v. 53, n. 3, p. 321-330, jul.-set. 2018.

MAGALHÃES, M. C. C. Pesquisa Crítica de Colaboração: Escolhas epistemo-metodológicas na organização e condução de pesquisas de intervenção no contexto escolar. In: MAGALHÃES, M. C. C.; FIDALGO, S. S. (Org.). Questões de método e de linguagem na formação docente. Campinas, São Paulo: Mercado de Letras, 2011, p. 13-40.


_________. Vygotsky e a pesquisa de intervenção no contexto escolar: a pesquisa crítica de colaboração- PCCOL. In: LIBERALI, F. C.; MATEUS, E.; DAMIANOVIC, M. C. A. Teoria da atividade sócio-histórico-cultural e a escola: recriando realidades sociais. Campinas, SP: Pontes, 2012, p.13-26.

_________. Escolhas teórico-metodológicas em pesquisas como formação de professores: as relações colaborativo-críticas na constituição de educadores. In: MATEUS, E. (Org.). Estudos críticos da linguagem e formação de professores/as de língua: contribuições teórico-metodológicas. Campinas, SP: Pontes Editores, 2014, p. 17-47.

________; OLIVEIRA, W. Vygotsky e Bakhtin/ Volochinov: dialogia e alteridade. Bakhtiniana: Revista de Estudos do Discurso, v. n 5, p. 103-115, 2011.

MARX, K. ENGELS, F. A ideologia Alemã. Trad. Marcelo Backes. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, [1845-1846] 2007.

MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. Tradução Eliane Lisboa. 5ed. Porto Alegre: Sulina, 2015.

MUNANGA, K. Arte afro-brasileira: o que é, afinal? In: Associação 500 anos Brasil artes visuais. Mostra do redescobrimento. Arte afro-brasileira. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo. p. 98-111, 2000.

_______. (1999) (Org.) Superando o Racismo na escola. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005.

NININ, M. O. G. Da pergunta como ato monológico avaliativo à pergunta como espaço para expansão dialógica. Uma investigação à luz da linguística aplicada sobre modos de perguntar. São Carlos: Pedro & João Editores, 2013.

SÃO PAULO (Município). Orientações curriculares e proposição de expectativas de aprendizagem para o ensino fundamental: ciclo II: língua inglesa. São Paulo: SME / DOT, 2007.

SANTOS, B. de S. A cruel pedagogia do vírus. Editora: Almedina S. A. Coimbra: Portugal, 2020.

VYGOTSKY, L. S. The collected works of L. S. Vygotsky. Vol. 1. New York: Plenum, 1987.

______. Pensamento e linguagem. Trad. Jefferson Luiz Camargo. 3a ed. São Paulo: Martins Fontes, [1934] 2005.

_______. Internalização das Funções Superiores. In: COLE, Michael.; JOHN-STEINER, Vera.; SCRIBNER, Sylvia.; SOUBERMAN, Ellen. Formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. São Paulo: Martins Fontes, 2007, p. 51-58.

______. Interação entre aprendizado e desenvolvimento. In: COLE, Michael.; JOHN-STEINER, Vera.; SCRIBNER, Sylvia.; SOUBERMAN, Ellen. Formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. São Paulo: Martins Fontes, 2007, p. 87-105.



VOLÓCHINOV, V. Marxismo e filosofia da linguagem. Problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Trad. Sheila Grillo e Ekaterina Vólkova Américo. São Paulo: Editora 34, [1929] 2017.
Publicado
2020-07-17