UMA INVESTIGAÇÃO INICIAL DOS TIPOS DE JOGOS ROTULADOS COMO LGBT DENTRO DA PLATAFORMA ITCH.IO: TENDÊNCIAS, IDENTIDADES E PROTAGONISMOS

  • Victor Hugo Da Pieve Universidade Federal de Minas Gerais
  • Leticia Rodrigues Universidade Tecnológica Federal do Paraná
  • Luiz Ernesto Merkle Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Palavras-chave: Estudos de Gênero, Game Studies, Classificação, LGBT

Resumo

Neste artigo, buscamos analisar o funcionamento de tags na plataforma Itch.io e suas relações com a circulação de jogos etiquetados como LGBT. Partimos de aportes em Susan Leigh Star e Geoffrey C. Bowker para considerar os efeitos da classificação e padronização em sistemas computacionais com o intuito de perceber quais as dinâmicas e questões sociais que podem surgir a partir das classificações geradas na plataforma Itch.io nos jogos LGBT. Por intermédio da coleta de dados realizada durante seis meses apontamos algumas tendências e lacunas nas representações identitárias que são possíveis de se observar na organização e circulação de jogos LGBT na Itch.io.

Biografia do Autor

Leticia Rodrigues, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Letícia Rodrigues atualmente é doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Tecnologia e Sociedade (PPGTE) da Universidade Federal de Tecnologia do Paraná (UTFPR). Seus interesses de pesquisa têm ênfase em Estudos de Gênero e Estudos Feministas e suas interseções com Estudos de Jogos e desenvolvimento de jogos. Sua pesquisa e focada nos aspectos culturais e pedagógicos no desenvolvimento de jogos. Ela co-organiza um grupo de Estudo sobre Gênero e Jogos.

Luiz Ernesto Merkle, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Luiz Ernesto Merkle é professor na Universidade Tecnológica Federal do Paraná, onde atua no Programa de Pós-graduação em Tecnologia e Sociedade e no Departamento Acadêmico de Informática. Tem doutorado em Ciência da Computação, pela Western University, Ontário, Canadá.

Referências

ALVES, Adriana Gomes; TABORDA, Paolla Kulakowsk. Visual Novel: a evolução do gênero e sua aplicação para desenvolver o hábito da leitura. Disponível em: Acesso em: 26 abr 2020. 2015.
ALZAMORA, Geane Carvalho; SALGADO, Tiago Barcelos Pereira; MIRANDA, Emmanuelle C. Dias. Estranhar os algoritmos: Stranger Things e os públicos de Netflix. Revista Geminis, v. 8, n. 1, p. 38-59, 19 jul. 2017.

ALZAMORA, Geane Carvalho; ZILLER, Joana; D’ANDRÉA, Carlos. Mídia e dispositivo: uma aproximação à luz de Michel Foucault. In: Bruno Leal; Carlos Alberto Carvalho; Geane Alzamora. (Org). Textualidades Midiáticas. 01 ed. PPGCOM UFMG, 2018, v. 01, p. 59-81.

ANTHROPY, Anna. Rise of the Videogame Zinesters: How Freaks, Normals, Amateurs, Artists, Dreamers, Dropouts, Queers, Housewives, and People Like You Are Taking Back an Art Form. New York: Seven Stories Press, 2012.

ARANHA, Gláucio. Vozes abafadas: o mangá yaoi como mediação do discurso feminino. Revista Galáxia, São Paulo, n. 19, p. 240-251, jul. 2010.
ARANHA, Gláucio; FILHO, José Maria Pugas. Do Bishônen aos bears: diálogos de estética e recepção nos mangás. In: Retratos do Brasil Homossexual – Fronteiras, Subjetividades e Desejos. Org: Horácio Costa et al. p. 991-1004. 2010.
BLANCO, Beatriz. Games para mulheres: do Girls Game Movement ao pós Gamergate. Disponível em: . Acesso em: 19 mar 2019.
BOWKER, Geoffrey C. e STAR, Susan Leigh. Building Information Infrastructures for Social Worlds — The Role of Classifications and Standards. ISHIDA, T. (Org.). In: Community Computing and Support Systems. Lecture Notes in Computer Science. Berlin, Heidelberg: Springer Berlin Heidelberg, 1998. v. 1519. p. 231–248. Disponível em: . Acesso em: 1 jun 2020.

____.Introduction: To Classify Is Human. In: BOWKER, Geoffrey C. e STAR, Susan Leigh. Sorting things out: classification and its consequences. Cambridge, Mass: MIT Press, 1999. (Inside technology).
BUCHER, Taina. Algoritmos como um devir: uma entrevista com Taina Bucher. [Entrevista concedida] D’ANDRÉA, Carlos; JUNRO, Amanda. Revista Parágrafo, v. 6, n. 1, p. 165-170, 2018.
FRIEDMAN, Erica. On Defining Yuri. In “Queer Female Fandom,” edited by Julie Levin Russo and Eve Ng. 2017.

GITTENS, Willian Anderson. A Slice of Culture. Vol.1. 2019, ISBN 978-976-96313-4-2. Published by Devgro Media Arts Services.

GOULART. Lucas Aguiar. Jogos vivos para pessoas vivas: composições queer-contrapúblicas nas culturas de jogo digital. 2017. Tese (Doutorado em Psicologia) – Faculdade de Psicologia, Psicologia Social, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre. p. 258.

JURNO, Amanda; D’ANDRÉA, Carlos. (IN)Visibilidade algorítmica no “feed de notícias” do facebook. Revista Contemporanea – Comunicação e Cultura, v. 15, n. 2, p. 463-484. 2017.

DE LAURETIS, Teresa. A tecnologia do gênero. Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994. p. 206–242.

LEITE, Patricia da Silva e ALMEIDA, Leonelo Dell Anhol. Modelo artefato experiência para elementos dos jogos e gameplay. In: SBGAMES 2017 – XVI SIMPÓSIO BRASILEIRO DE JOGOS E ENTRETENIMENTO DIGITAL, Art & Design Track – Full Papers, 2017, Curitiba, Brazil. Anais... Curitiba, Brazil: Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), 2017. p. 125–134.

MENDONÇA, Carlos Magno Camargos. Heteronormatividade: breves apontamentos sobre a força das leis, das normas e das regras nos processos de assujeitamento. In: Juliana Soares Gonçalves; Vanessa Costa Trindade; Felipe Viero Kolinski Machado.. (Org.). Dar-se a ver: textualidades, gêneros e sexualidades em estudos da comunicação. 01ed. Belo Horizonte: PPGCOM UFMG, 2018, v. 01, p. 08-239.
https://www.sbgames.org/sbgames2019/files/papers/CulturaFull/198002.pdf

MOLINÉ, Alfons. O grande livro dos mangás. São Paulo: Editora JBC. 2006.

RODRIGUES, Letícia e colab. Relações de gênero em mecânicas de jogos. SBC – Proceedings of SBGames 2019, Culture Track – Short Papers. 2019. Anais... Rio de Janeiro, Brazil. Disponível em: .
SALTER, Anastasia; SULLIVAN, Anne; BLODGETT, Bridget Marie. "Just because it's gay?": transgressive design in queer coming of age visual novels. 2018.
SHAW, Adrienne. Gaming at the edge: sexuality and gender at the margins of gamer culture. Minneapolis, MN: University Of Minnesota Press, 2014. Disponível em:
VANDER WAL, T. Folksonomy definition and Wikipedia. 2007. Disponível em: Acesso em: 15 abr 2020.

ZSILIA, Ágnes; DEMETROVICS, Zsolt. The boys’ love phenomenon: A literature review. Journal of Popular Romance Studies. 2017. Disponível em: Acesso em: 15 abr 2020.
Publicado
2020-09-21
Como Citar
Hugo Da Pieve, V., Rodrigues, L., & Ernesto Merkle, L. (2020). UMA INVESTIGAÇÃO INICIAL DOS TIPOS DE JOGOS ROTULADOS COMO LGBT DENTRO DA PLATAFORMA ITCH.IO: TENDÊNCIAS, IDENTIDADES E PROTAGONISMOS . TROPOS: COMUNICAÇÃO, SOCIEDADE E CULTURA (ISSN: 2358-212X), 9(2). Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/tropos/article/view/3958
Seção
Dossiê - Potências políticas do pop: gênero e ativismo na cultura pop