O QUE É NECESSÁRIO PARA SER UMA DRAG QUEEN DE SUCESSO? NEGOCIAÇÕES PERFORMÁTICAS E ESTÉTICAS ENTRE CORPOS DESVIANTES E O PÚBLICO MAINSTREAM

Palavras-chave: Performance; Música Pop; Drag Queen; RuPaul's Drag Race; Mainstream.

Resumo

Tendo como horizonte teórico os Estudos da Performance (TAYLOR, 2013; SCHECHNER, 2009; BUTLER, 1990), desejamos compreender de que maneira tomam forma as negociações entre uma estética camp atrelada à performance das drag queens e a padronização mercadológica inerente aos produtos midiáticos que circulam pelo mainstream da cultura digital contemporânea. Nesse sentido, buscamos analisar quais são as estratégias acionadas pelo reality show de competição Rupaul’s Drag Race na formatação de uma cultura drag hegemônica no contemporâneo, e como estas estratégias se relacionam com aquelas adotadas por Pabllo Vittar para alcançar reconhecimento e sucesso entre grandes públicos consumidores. Objetivamos refletir, portanto, sobre as diferentes tensões que gravitam em torno da representação corporal, audiovisual e artística da artista em seus videoclipes, cujas configurações estéticas se vinculam à noção de "drag superstar" desenvolvidas por Drag Race.

Biografia do Autor

Leonam Casagrande Dalla Vecchia, Universidade Federal Fluminense

Doutorando em Comunicação pela Universidade Federal Fluminense, com ênfase em Estéticas e Tecnologias da Comunicação. Mestre em Comunicação pela Universidade Federal Fluminense, com ênfase em Estéticas e Tecnologias da Comunicação. Graduação em Cinema pela Universidade Federal de Santa Catarina. Integrante do Núcleo de Pesquisa em Televisão e Novas Mídias (Televisões/UFF) e Laboratório de Pesquisa em Culturas e Tecnologias da Comunicação (LabCult/UFF). Coordenador da equipe de tradução da Revista Contracampo (PPGCOM/UFF - Qualis B1). Atuou como diretor de pós-produção do curta-metragem documentário "Eu Sou Mc Carol, 100% Feminista", filme realizado com o Programa Estadual de Fomento ao Curta Universitário da Secretaria de Cultura do Rio de Janeiro.

Gabriel Canecchio Ferreirinho, Universidade Federal Fluminense

Gabriel Ferreirinho é Doutorando e Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal Fluminense, onde concluiu a graduação em Estudos de Mídia com Láurea Acadêmica. Atualmente, desenvolve pesquisas acadêmicas relativas a gênero; ficção seriada televisiva; "TV de qualidade"; representações e masculinidades.

Referências

AMANAJÁS, Igor. Drag queen: um percurso histórico pela arte dos atores transformistas. Revista Belas Artes, v. 6, 2015.

BENTO DA SILVA, Patrícia F. C. As transformações na música popular brasileira: um processo de branqueamento? Dissertação de Mestrado (Ciências Sociais), Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2008.

BRENNAN, N. Contradictions Between the Subversive and the Mainstream: Drag Cultures and RuPaul’s Drag Race. In: BRENNAN, N.; GUDELUNA, D. (eds). RuPaul’s Drag Race and the Shifting Visibility of Drag Culture. Palgrave Macmillan, Cham, 2017.

BUCK, Jonathan. Et Tu Ru? Entrepreneurship and the Commodification of Drag in RuPaul’s Drag Race. for(e)dialogue, [S.l.], v. 3, n. 1, 2019. Disponível em: . DOI:https://doi.org/10.29311/for(e)dialogue.v3i1.3144.

BUTLER, Judith. Gender Trouble: Feminism and the Subversion of Identity. New York & London. Ed. Routledge, 1990.

CHIDIAC, Maria Teresa Vargas and OLTRAMARI, Leandro Castro. Ser e estar drag queen: um estudo sobre a configuração da identidade queer. Estud. psicol. (Natal) [online]. 2004, vol.9, n.3, pp.471-478. ISSN 1678-4669. https://doi.org/10.1590/S1413-294X2004000300009.

CHRONAKI, D. Mainstreaming the Transgressive: Greek Audiences’ Readings of Drag Culture Through the Consumption of RuPaul’s Drag Race. In: BRENNAN, N.; GUDELUNA, D. (eds). RuPaul’s Drag Race and the Shifting Visibility of Drag Culture. Palgrave Macmillan, Cham, 2017.

FERRANTE, A. A. Super Troopers: The Homonormative Regime of Visibility in RuPaul’s Drag Race. In: BRENNAN, N.; GUDELUNA, D. (eds). RuPaul’s Drag Race and the Shifting Visibility of Drag Culture. Palgrave Macmillan, Cham, 2017.

FOUCAULT, Michel. A História da Sexualidade 1: A Vontade de Saber. Editions Gallimard, 1976.

FRITH, Simon. Performing Rites: On the Value of Popular Music. Cambridge/Massachusetts: Harvard University Press, 1996.

GOFFMAN, Erving. A Representação do Eu na Vida Privada. Petrópolis: Editora Vozes, 1985.

GOODWIN, Andrew. Dancing in the Distraction Factory. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1992.

GONZATTI, Christian; HENN, Ronaldo. Agora a Pabllo Vittar foi longe demais: disputas semióticas em redes digitais, ciberacontecimentos e subversões de fake news em perspectivas queer. In: Machado, Alisson; Tomazetti, Tainan P (org). Anais do I Aquenda Seminário Nacional de Comunicação, Gêneros e Sexualidades, 2018.

GOLDMARK, Matthew. National Drag: The Language of Inclusion in RuPaul's Drag. GLQ: A Journal of Lesbian and Gay Studies, v. 21, n. 4, 2015. Disponível em: . DOI: https://doi.org/10.1215/10642684-3123665.

JENKINS, S. T. ‘Hegemonic ‘Realness’? An Intersectional Feminist Analysis of RuPaul’s Drag Race. Master’s Thesis. Florida Atlantic University, 2013.

JUNG, E. Alex. Real Talk With RuPaul. Vulture, online, 2016. Disponível em: https://www.vulture.com/2016/03/rupaul-drag-race-interview.html. Último acesso em 04/06/2020.

KOOIJMAN, Jaap. Whitewashing the Dreamgirls: Beyoncé, Diana Ross and the commodification of blackness. In: Qiong Yu S., Austin G. (eds). Revisiting Star Studies: Culture, Themes and Methods. Edinburgh University Press, 2017.

MARTEL, Frédéric. Mainstream: a guerra global das mídias e das culturas. Rio de Janeiro, 2012.

MEYER, Moe. The politics and poetics of camp. London: Routledge, 2005.

MENCHAVEZ, Andre Lawes. RuPaul and Drag Race: Racism, fracking, and transphobia galore. The Daily, online, 21 de maio de 2020. Disponível em: http://www.dailyuw.com/opinion/article_945fbd6c-9b0a-11ea-81db-ff871a85f1cc.html?fbclid=IwAR2UHAM_o4pBlxJTqDdMa6P8zWnM-NEmXrHDxaVY6_S9MTjWlU22f7hXlAc. Último acesso em 03/06/2020.

MOZDZENSKI, Leonardo 2016. Quem ama o fake, legítimo lhe parece: Divas pop e a (des)construção da noção de autenticidade. Revista Eco Pós, v. 19, nº 3, 2016.

MORAES, Rafael; LARRUBIA, Tatyane; DALLA VECCHIA, Leonam. Aceita, eu sou gostosa: performance de gênero e ativismos no funk proibidão da drag queen Lia Clark. Anais do Comunicon. São Paulo, 2018.

MULVEY, Laura. Visual Pleasure and Narrative Cinema. In: Mast G., Cohen, M. (eds). Film Theory and Criticism: Introductory Readings. Oxford University Press, 1985.

PEREIRA DE SÁ, Simone. Cultura digital, videoclipes e a consolidação da Rede de Música Brasileira Pop Periférica. Revista Fronteiras - Estudos Midiáticos, vol. 21, nº 2 - maio/agosto de 2019.

VESEY, Alyxandra. “A Way to Sell Your Records”: Pop Stardom and the Politics of Drag Professionalization on RuPaul’s Drag Race. Television & New Media, v. 18, n. 7, p. 589–604, 2017. DOI: https://doi.org/10.1177/1527476416680889.

SANTOS, Joseylson. Representações de gênero em publicidade e a parodização do feminino entre drag queens. 2017. 3er Encuentro de investigadores RELAIP, 2017.

SCHECHNER, Richard. Performance Studies: an Introduction. New York & Londres: Routledge, p. 28 - 51, 2006.

SCHOTTMILLER, Carl Douglas. “Excuse My Beauty!”: Camp Referencing and Memory Activation on RuPaul’s Drag Race”. In: DRUSHEL, Bruce E.; PETERS, Brian M. (ed.). Sontag and the Camp Aesthetic: Advancing New Perspectives, 2017.

SOARES, Thiago. A Estética do Videoclipe. João Pessoa: Ed. UFPB, 2013.

SOARES, Thiago. Do que Falamos quando Falamos dos Cabelos das Divas Pop. Anais do 7º Encontro de GTs de Pós-Graduação - Comunicon, realizado nos dias 10 e 11 de outubro de 2018.

TAYLOR, Diana. O Arquivo e o Repertório: Performance e Memória Cultural nas Américas. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2013.

TURNER, Victor. Dramas, Campos e Metáforas: Ação Simbólica na Sociedade Humana. Niterói: EdUFF, 2008.
Publicado
2020-09-19
Como Citar
Casagrande Dalla Vecchia, L., & Canecchio Ferreirinho, G. (2020). O QUE É NECESSÁRIO PARA SER UMA DRAG QUEEN DE SUCESSO? NEGOCIAÇÕES PERFORMÁTICAS E ESTÉTICAS ENTRE CORPOS DESVIANTES E O PÚBLICO MAINSTREAM. TROPOS: COMUNICAÇÃO, SOCIEDADE E CULTURA (ISSN: 2358-212X), 9(2). Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/tropos/article/view/3925
Seção
Dossiê - Potências políticas do pop: gênero e ativismo na cultura pop