PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS DE TUBERCULOSE NOTIFICADOS NO MUNICÍPIO DE JI-PARANÁ, RONDÔNIA NO PERÍODO DE 2010 A 2017

  • Pamela Ferreira Leite Centro Universitário Luterano de Ji-Paraná
  • Stefany Santos Centro Universitário Luterano de Ji-Paraná
  • Bruno de Souza Campos Centro Universitário Luterano de Ji-Paraná
  • Elizete Macário Gomes Centro Universitário Luterano de Ji-Paraná
  • Vinicius Mateus Salvatori Cheute Centro Universitário Luterano de Ji-Paraná
  • Francieli Carniel Centro Universitário Luterano de Ji-Paraná
  • Rosineide Vieira Gois Centro Universitário Luterano de Ji-Paraná
  • Rafaelle Nazário Viana Centro Universitário Luterano de Ji-Paraná

Resumo

A tuberculose (TB) é uma patologia causada pela Mycobacterium tuberculosis e pode ser transmitida via aérea, no qual os bacilos são lançados no ar por um individuo contaminado. O estudo avalia o perfil epidemiológico dos indivíduos acometidos por TB e verifica o coeficiente de incidência e prevalência no município de Ji-Paraná, Estado de Rondônia entre o período de 2010 a 2017. Trate-se de um estudo epidemiológico descritivo, retrospectivo com abordagem quantitativa. A coleta de dados ocorreu através do banco de dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação SINAN. No período estudado foram notificados 250 casos de TB, destes 207 são casos novos, sendo os indivíduos mais acometidos do sexo masculino (70,8%) com idade entre 20 e 39 anos (43,2%) de cor parda (73,6, %) e baixo nível de escolaridade (41%). Esses indivíduos são mais vulneráveis a patologia por serem menos frequentes em serviços de saúde, estarem em idade de cotidiano intenso e baixo nível socioeconômico. A cor parda é predominante na região Norte, pois de acordo com dados do IBGE a grande maioria da população do município são pardos. A pesquisa permitiu conhecer o perfil dos indivíduos que foram notificados pelo SINAN acometidos por TB no município de Ji-Paraná. Este perfil coincide com grande parte da população nacional, ajudando os serviços de saúde a buscar estratégias que possam auxiliar esta população.

Referências

. HIJJAR, M. A; PROCÓPIO, M. J; FREITAS, L. M. R. D; GUEDES, R; BETHLEM, E. P. (2005). Epidemiologia da tuberculose: importância no mundo, no Brasil e no Rio de Janeiro. Pulmão RJ, 14(4), 310-4.

. MACEDO, L. R; MACIEL, E. L. N; STRUCHINER, C. J. (2017). Tuberculose na população privada de liberdade do Brasil, 2007-2013. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 26, 783-794.

. MINISTÉRIO DA SAÚDE. (2017). Boletim Epidemiológico: Indicadores prioritários para o monitoramento do Plano Nacional pelo Fim da Tuberculose como Problema de Saúde Pública no Brasil. Volume 48 N° 8. Secretaria de Vigilância em Saúde − Ministério da Saúde – Brasil.

. VERONESI, R; FOCACCIA, R. VERONESI: tratado de infectologia. 5 ed. São Paulo: Atheneu, p. 1-2489, 2015.

. COSTA, J. S. D. D; GONÇALVES, H; MENEZES, A. M. B; DEVENS, E; PIVA, M., GOMES, M; VAZ, M. Controle epidemiológico da tuberculose na cidade de Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil: adesão ao tratamento. Cadernos de Saúde Pública, v. 14, p. 409-415, 1998.

. SILVA, A.P. (2014). Tuberculose: médica explica os sintomas, o diagnóstico e como se prevenir. Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ). Disponível em: https://portal.fiocruz.br/noticia/tuberculose-medica-explica-os-sintomas-o-diagnostico-e-como-se-prevenir> (Acessado em 28 de junho de 2017).

. SOUZA, M.V; VASCONCELOS, T.A. (2005). Fármacos no combate à tuberculose: passado, presente e futuro. Quim. Nova, Vol. 28, No. 4. Rio de Janeiro – RJ.

. PAIXÃO, L. M. M; GONTIJO, E. D. (2007). Perfil de casos de tuberculose notificados e fatores associados ao abandono, Belo Horizonte, MG. Revista de Saúde Pública, 41, 205-213.

. MINISTÉRIO DA SAÚDE. (2008). Manual nacional de vigilância laboratorial da tuberculose e outras micobactérias. (Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica). 1ª ed. Brasília – DF.

. FERRI, A. O; AGUIAR, B; WILHELM, C. M; SCHMIDT, D; FUSSIEGER, F; PICOLI, S. U. (2014). Diagnóstico da tuberculose: uma revisão. Revista Liberato, Novo Hamburgo, v. 15, n. 24, p. 105-212.

. NOGUEIRA, A. F; FACCHINETTI, V; SOUZA, M. V. N; VASCONCELOS, T. R. A. (2012). Tuberculose: uma abordagem geral dos principais aspectos. Rev. Bras. Farm, 93(1), 3-9.

. MINISTÉRIO DA SAÚDE. (2010). Fundação Nacional da Saúde. Vigilância Epidemiológica. Informe Técnico da Tuberculose. Disponível em: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=1428:o-programa-nacional-de-controle-da-tuberculose-publica-informe-tecnico-sobre-novo-esquema-terapeutico&Itemid=463. (Acessado em 30 de novembro de 2017).

MINISTÉRIO DA SAÚDE. (2011). Manual de recomendações para o controle da tuberculose no Brasil. Brasília-DF. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_recomendacoes_controle_tuberculose_brasil.pdf. (Acessado em 14 de novembro de 2018).

PORTAL DO MINISTÉRIO DA SAÚDE. Teste Rápido Molecular para tuberculose amplia rede de diagnóstico. (2018). Disponível em: http://portalms.saude.gov.br/noticias/agencia-saude/42872-ministerio-da-saude-adota-novo-medicamento-para-tratar-a-tuberculose. (Acessado em 30 de novembro de 2018).

. MENDES, A. D. M; FENSTERSEIFER, L. M. (2004). Tuberculose: porque os pacientes abandonam o tratamento? Bol. Pneumol. Sanit. v.12. n.1 Rio de Janeiro.

. BARRETO, A.M.W; CAMPOS, E. D. C; MARTINS, F. M; CALDAS, P. C. D. S. (2005). Manual de Bacteriologia da Tuberculose. (Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Centro de Referência Professor Hélio Fraga). 3ª ed. Rio de janeiro – RJ. Disponível em: http://www.saude.mt.gov.br/upload/documento/81/manual-de-bacteriologia-da-tuberculose-%5B81-080909-SES-MT%5D.pdf> (Acessado em 18 de dezembro de 2017).

. PINTO, M. F. T; STEFFEN, R; ENTRINGER, A; COSTA, A. C. C. D; TRAJMAN, A. (2017). Impacto orçamentário da incorporação do GeneXpert MTB/RIF para o diagnóstico da tuberculose pulmonar na perspectiva do Sistema Único de Saúde, Brasil, 2013-2017. Cadernos de Saúde Pública, v. 33, n. 9, 2017.

. CAMPOS, H.S. (2006). Diagnóstico da tuberculose. Rio de janeiro – RJ. Disponível em: http://www.sopterj.com.br/wp-content/themes/_sopterj_redesign_2017/_educacao_continuada/curso_tuberculose_3.pdf. (Acessado em 30 de agosto de 2018).

. LIMA, T.M.D; BELOTTI, N.C.U; NARDI, S.M.T; PEDRO, H.D.S.P. (2017). Teste rápido molecular GeneXpert MTB/RIF para diagnóstico da tuberculose. Revista Pan-Amazônica de Saúde, v. 8, n. 2, p. 65-76, 2017.

. MINISTÉRIO DA SAÚDE (Sd). Programa Nacional de Controle da Tuberculose. Relatório da tuberculose/CGDEN. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/ProgramaTB.pdf. (Acessado em 15 de outubro de 2018).

CERNY, M.E.V. Avaliação da implementação do Teste Rápido Molecular para a Tuberculose GeneXpertMTB/RIF no Programa de Controle da Tuberculose da Prefeitura Municipal de Florianópolis/SC. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis-SC, 2016.

ZAMARIOLI, L. A; COELHO, A. G. V; PEREIRA, C. M; NASCIMENTO, A. C. C; UEKI, S. Y. M; CHIMARA, E. (2008). Estudo descritivo da freqüência de micobactérias não tuberculosas na Baixada Santista (SP). J Bras Pneumol, 34(8), 590-594.

MELLO, F.D.Q. Abordagem diagnóstica da tuberculose pulmonar. RJ 2012;21(1):27-31. Disponível em: http://www.sopterj.com.br/wp-content/themes/_sopterj_redesign_2017/_revista/2012/n_01/07.pdf. (Acessado em 31 de outubro de 2018).

PORTAL DO MINISTÉRIO DA SAÚDE. Tuberculose. Brasília-DF. Disponível em: http://portalms.saude.gov.br/saude-de-a-z/tuberculose. (Acessado em 30 de novembro de 2018).

SILVA, A.P. Tuberculose: médica explica os sintomas, o diagnóstico e como se prevenir. (FIOCRUZ). 2014. Disponível em: https://portal.fiocruz.br/noticia/tuberculose-medica-explica-os-sintomas-o-diagnostico-e-como-se-prevenir. (Acessado em 30 de novembro de 2018).

. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE - 2017). – SIDRA. Censo demográfico e contagem da população, Brasil 2010. Disponível em: https://sidra.ibge.gov.br/tabela/3175#resultado (Acessado em 13 de outubro de 2018).

. Sistema de Informação de Agravos de Notificação-SINAN. (2016). Tuberculose. Brasília – DF. Disponível em: http://portalsinan.saude.gov.br/tuberculose> (Acessado em 15 de agosto de 2018).

. MASCARENHAS, M. D. M; ARAÚJO, L. M; GOMES, K. R. O. (2005). Perfil epidemiológico da tuberculose entre casos notificados no Município de Piripiri, Estado do Piauí, Brasil. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 14(1), 7-14.

. BARROS, P.G.D; PINTO. M.L; SILVA. T.C. D; SILVA. E.L; FIGUEIREDO. T.M.R. M. D. (2014). Perfil Epidemiológico dos casos de Tuberculose Extrapulmonar em um município do estado da Paraíba, 2001–2010. Cad. Saúde Colet., 2014, Rio de Janeiro, 22 (4): 343-50.

. VENDRAMINI, S. H; GAZETTA, C. E; NETTO, F. C; CURY, M. R; MEIRELLES, E. B; KUYUMJIAN, F. G; VILLA, T. C. (2005). Tuberculose em município de porte médio do sudeste do Brasil: indicadores de morbidade e mortalidade, de 1985 a 2003. J Bras Pneumol, 31(3), 237-43.

. SILVEIRA, M. P. T; ADORNO, R. F. R. D; FONTANA, T. (2007). Perfil dos pacientes com tuberculose e avaliação do programa nacional de controle da tuberculose em Bagé (RS). J bras pneumol, 33(2), 199-205.

. COUTINHO, L. A. S.D.A; OLIVEIRA, D.D.S; SOUZA, G. D.F; FERNANDES FILHO, G. M. C; SARAIVA, M. G. (2012). Perfil epidemiológico da tuberculose no município de João Pessoa–PB, entre 2007-2010. Revista Brasileira de Ciências da Saúde, 16(1), 35-42.

. COELHO, D. M. M; VIANA, R. L; MADEIRA, C. A; FERREIRA, L. O. C; CAMPELO, V. (2010). Perfil epidemiológico da tuberculose no Município de Teresina-PI, no período de 1999 a 2005. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 19(1), 34-43.

. MELO, T. E. M. D. P; RESENDES, A. P. D. C; SOUZA-SANTOS, R; BASTA, P. C. (2012). Distribuição espacial e temporal da tuberculose em indígenas e não indígenas de Rondônia, Amazônia Ocidental, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 28, 267-280.

. BARIOTO, J. G; ANVERSA. L. (2015). Perfil epidemiológico dos casos de tuberculose notificados no município de Bauru, estado de São Paulo, Brasil. Ed. 134, p. 04.

NASCIMENTO, M.D.C.L. “Tuberculose no município de Porto Velho - Rondônia no período de 1997 a 2008: um estudo ecológico”. Rio de janeiro-RJ, 2010.

. PAIXÃO, L. M. M; GONTIJO, E. D. (2007). Perfil de casos de tuberculose notificados e fatores associados ao abandono, Belo Horizonte, MG. Revista de Saúde Pública, 41, 205-213.

TRAVAIM, S.F; MACHADO. B. D. S; DOMINGUES. B. S; MORAIS. L. I; ALVES. H. N. D.S; PEREIRA. G. C. A; GOIS. R. V. Análise do perfil epidemiológico dos casos de sífilis notificados no município de Ji-Paraná no período de 2012 a 2016. Brazilian Journal of Surgery and Clinical Research – BJSCR. Vol.21, n.2, pp.42-46 (Dez 2017 – Fev 2018) Ouro Preto do Oeste-RO.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Programa Nacional de Controle da Tuberculose. (2018). Disponível em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/marco/19/APRES-PADRAO-JAN-2018-REDUZIDA.pdf. (Acessado em 30 de novembro de 2018).

AGÊNCIA ESTUADUAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE. CRUZ, Montezuma. (2018). Tuberculose pulmonar, a mais grave, registrou 520 novos casos em Rondônia em 2017; abandono ao tratamento é risco, alerta Agevisa. Disponível em: http://www.rondonia.ro.gov.br/tuberculose-pulmonar-a-mais-grave-registrou-520-novos-casos-em-rondonia-em-2017-abandono-ao-tratamento-e-risco-alerta-agevisa/ (Acessado em 03 de novembro de 2018).

MINISTÉRIO DA SAÚDE (2010). Manual de Recomendações para o Controle da Tuberculose no Brasil. Brasília-DF. Disponível em: file:///D:/Users/Pamela/Desktop/Projeto%20TCC/manual_de_recomendacoes_controle_tb_novo.pdf. (Acessado em 06 de novembro de 2018).

Publicado
2020-01-09
Como Citar
Leite, P. F., Santos, S., Campos, B. de S., Gomes, E. M., Cheute, V. M. S., Carniel, F., Gois, R. V., & Viana, R. N. (2020). PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS DE TUBERCULOSE NOTIFICADOS NO MUNICÍPIO DE JI-PARANÁ, RONDÔNIA NO PERÍODO DE 2010 A 2017. South American Journal of Basic Education, Technical and Technological , 6(2), 346-357. Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/SAJEBTT/article/view/2585
Seção
Artigos Originais Ciências da Saúde