PERFIL DO DIAGNÓSTICO DE CASOS NOTIFICADOS DE LEPTOSPIROSE EM UM MUNICÍPIO DA AMAZÔNIA LEGAL

  • Stefany Santos CENTRO UNIVERSITÁRIO LUTERANO DE JI-PARANÁ http://orcid.org/0000-0002-2771-2855
  • Cinthia Karoline Drun Muniz
  • Daniela Barros Ferreira
  • Niltra Beltrão Rosa
  • Marilúcia de Lima Nunes Queiroz
  • Antelmo de Souza Ferreira
  • Francieli Carniel
  • Fernanda Torlania Alves Gomes
  • Natália Malavasi Vallejo

Resumo

RESUMO

A leptospirose é uma das mais importantes zoonoses, sendo de caráter infeccioso sistêmico e causada por bactérias do gênero Leptospira. O diagnóstico é realizado por testes específicos, os quais pesquisam a presença de anticorpos anti-Leptospira IgM produzidos no início da infecção e anti-Leptospira IgG na fase tardia (Ensaio Imunoenzimático) e o MAT (Teste de Aglutinação Microscópica) é considerado padrão ouro para o diagnóstico de leptospirose, por ser extremamente sensível e específico. O principal objetivo, deste estudo, é avaliar a incidência de casos confirmados de Leptospirose e a identificação dos sorovares predominantes no período de janeiro de 2013 a agosto de 2018 no município de Ji-Paraná, Rondônia. Foram usados dados disponíveis no departamento de vigilância epidemiológica de Ji-Paraná e os cálculos elaborados tiveram como critério de avaliação o coeficiente de incidência para cada 100 mil habitantes, os resultados encontrados foram 0,76 em 2015, 1,50 em 2017 e 2,80 em 2018, os outros anos não tiveram casos confirmados. Constata-se que mesmo existindo medicamentos disponíveis e eficientes no combate a leptospirose em países subdesenvolvidos e desenvolvidos, essa doença é ainda subdiagnosticada.

Palavras-chave: Notificação compulsória, Reação Cruzada, Sorovares e subnotificação.

Referências

DA UNIÃO, Define A Lista Nacional de Notificação. Diário Oficial. Portaria nº 204, de 17 de fevereiro de 2016.

MURRAY, P; ROSHENTAL, K.S; PFALLER, M.A; Microbiologia médica. Elsevier Brasil, 2015.

PICARDEAU, M. Diagnosis and epidemiology of leptospirosis. Médecineet maladies infectieuses, v. 43, n. 1, p. 1-9, 2013.

SILVA, L.G. Incidência de leptospirose em animais e em seres humanos em região representativa do noroeste do estado do Rio de Janeiro. (Tese) Mestrado em Produção Animal. Universidade Estadual do Norte Fluminense, 2007.

VERONESI, R; FOCCACIA, R. Veronesi: tratado de infectologia. 5 ed. São Paulo: Atheneu, p. 1-2489, 2015.

CALADO, E.J.D.R; OLIVERIA, V.D.S; DIAS, F.C.F; LOPES, A.B; OLIVEIRA, A.A; SANTANA, V.M.X.D; GUSMÃO, K.E; LOBO, P.H.P; LIBERATO, A.A; GUEDES, V.R. Leptospirose na Região Norte do Brasil: Uma Revisão da Literatura e Perfil Epidemiológico Comparativo. Revista de Patologia do Tocantins, v. 4, n. 2, p. 65-71, 2017.

GALVÃO, S.R. Aspectos epidemiológicos da infecção por leptospira spp em caninos urbanos de Araguaína. (Tese) Doutorado em Ciência Animal. Universidade Federal de Goiás, 2009.

POLACHINI, C.O; FUJIMORI, K. Leptospirose canina e humana, uma possível transmissão conjuntival no Município de São Paulo, Estado de São Paulo, Brasil. Revista Pan-Amazônica de Saúde, v. 6, n. 3, p. 59-65, 2015.

PEREIRA, S.B; LIMA, C.M.D; FONTOURA, E.G; FORLANI, G; SEIXAS NETO, A.C.P; NOBRE, M.O; SILVA, E.F; FELIX, A.D.O.C; FELIX, S.R. Influência de isolado local na sensibilidade do ensaio de soro aglutinação microscópica para leptospirose: um estudo em cães. Revista Interdisciplinar de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 3, n. 1, p. 208-2015, 2016.

GUSMÃO, I.M; OLIVEIRA, D.S.D; DAMIÃO, A.O; LINDOW, J. REIS, M.G.D; COSTA, F. Avaliação da atividade neutralizante do soro de indivíduos residentes em área endêmica para leptospirose. In: Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, 52, Alagoas, 2016.

SILVA, G.A.D; Enfoque sobre a leptospirose na região nordeste do brasil entre os anos de 2000 a 2013. Acta Biomedica Brasiliensia, v. 6, n. 1, p. 101-108, 2015.

DUTRA, F.R.L.S; QUADRO, M.F.L.D; MULLER, G.V; VALADÃO, R.C. Associações entre a Zona de Convergência do Atlântico Sul e o El Niño e sua influência sobre a distribuição espaço temporal da Leptospirose em Minas Gerais. Hygeia, v. 14, n. 27, p. 1-13, 2018.

SOUZA, A.A.T.D; FERREIRA, F.C; REZENDE, H.D; ARRUDA, J.F.D.L; EÇA, P.M.D.S. Variação sazonal e aspectos clínico-epidemiológicos da Leptospirose humana na cidade de Itaperuna-RJ. Acta Biomedica Brasiliensia, v. 4, n. 1, p. 49-56, 2015.

MUSSO, D; LASCOLA, B. Diagnostic Biologique de la Leptospirose. Revue Francophone des Laboratoires, v. 2013, n. 449, p. 39-46, 2013.

BARACHO, J.M; LIMA, N.D.B; COSTA, A.P.D.R. Incidência de casos de leptospirose humana em Pernambuco: uma análise dos dados epidemiológicos de 2015. Caderno de Graduação-Ciências Biológicas e da Saúde-FACIPE, v. 3, n. 2, p. 19-32, 2017.

LEVETT, P.N. Leptospirosis. Clinical Microbiology Reviews. v. 14, n. 2, p.296-326, 2001.

SAMPAIO, G.P; WANDERLEY, M.R; CASSEB, G.B; NEGREIROS, M.A.M.P.D. Descrição epidemiológica dos casos de leptospirose em hospital terciário de Rio Branco. Rev Bras Clín Med, v. 9, n. 5, p. 338-343, 2011.

BRASIL. Leptospirose: diagnóstico e manejo clínico. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Brasília, 2014.

BRASIL. Guia Leptospirose: Diagnóstico e Manejo Clínico. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. Brasília, 2009.

NICODEMO, A.C; DEL NEGRO, G; NETO, V.A. Trombocitopenia e leptospirose. Revista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo, v. 32, n. 4, p. 252-259, 1990.

ZAHORCAK, D.R.F.V; CHRISTO, D.D. Relato de caso de paciente com provável quadro de leptospirose: difícil diagnóstico. Cadernos da Escola de Saúde, v. 1, n. 5, 2017.

SOUZA, V.R.D. Leptospirose: aspectos epidemiológicos, clínicos e laboratoriais. Trabalho de Conclusão de Curso. Universidade Vale do Rio Doce – UNIVALE. Governador Valadares – MG. 2011.

CUZ, J.S; DAMIÃO, A.O; OLIVEIRA, D.S; JÚNIOR, N.R.R.N; SACRAMENTO, G.A; VITÓRIA, E.M.C; SOARES, J.C; SANTOS, I.P; ANDRADE, R.R.C; REIS, M.G; COSTA, F. Incidência de leptospirose em uma comunidade carente de Salvador, Bahia. In: Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, 52, Alagoas, 2016.

FERREIRA, A.W; MORAES, S.D.L. Diagnóstico laboratorial das principais doenças infecciosas e autoimunes. 3.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2015.

MELO, L.D.S.S; CASTRO, M.B.D; LEITE, R.C; MOREIRA, E.C; MELO, C.B.D. Principais aspectos da infecção por Leptospira sp em ovinos. Ciência Rural, v. 40, n. 5, p. 1235-1241, 2010.

CASTRO, J.R.D; SALABERRY, S.R.S; SOUZA, M.A.D; RIBEIRO, A.M.C.L. Sorovares de Leptospira spp. predominantes em exames sorológicos de caninos e humanos no município de Uberlândia, Estado de Minas Gerais. Rev Soc Bras Med Trop, v. 44, n. 2, p. 217-222, 2011.

GUIMARÃES, L.K.P. Geoepidemiologia da infecção por Leptospira spp. em bovinos no Sítio Histórico e Patrimônio Cultural Kalunga. (Dissertação) Mestrado em Ciência Animal junto à Escola de Veterinária e Zootecnia da Universidade Federal de Goiás, 2017.

MONTEIRO, G.R.D.G. Efetividade da doxiciclina na profilaxia contra letptospirose. (Dissertação) Mestrado em Bioquímica. Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2003.

BATISTA, E.A; VIEIRA, VIVIANE, C.D.L; SILVA, A.A. Perfil epidemiológico dos casos de leishmaniose tegumentar americana no município de Sarandi–Paraná. Revista Uningá Review, v. 22, n. 1, p. 10-13, 2018.

MACHRY, L; RIBEIRO, R.L; VITAL-BRAZIL, J.M; BALASSIANO, I.T; OLIVEIRA, I.C.M.D; AVELAR, K.E.S; PEREIRA, M.M. Caracterização de cepas de referência de Leptospira sp utilizando a técnica de pulsed field gel electrophoresis. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v.43, n.2, p.166-169. 2010.

SANTOS, W.R.R.D. Investigação soroepidemiológica para brucelose e leptospirose em equideos de tração e seus tratadores nos municípios de Belém e Ananindeua – Pará. (Dissertação) Mestrado em Ciência Animal. Área de concentração: Produção Animal. Universidade Federal Rural da Amazônia, Belém, 2007.

NETO, G.G. Freqüência de anticorpos contra Leptospira spp. em felídeos neotropicais em cativeiro no Brasil. (Dissertação) Mestrado em Medicina Veterinária na área da Patologia Animal. Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias - UNESP, Campus de Jaboticabal-SP, 2006.

REZENDE, L.M. Diagnóstico de leptospirose bovina em duas propriedades rurais utilizando MAT, ELISA e PCR. (Dissertação) Mestre em Ciências Veterinárias. Universidade Federal de Uberlândia. 2016.

Ministério da Saúde. DATASUS. Disponível em < http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area=0203&id=29878153> Acesso em: 17 nov. 2018.

GONÇALVES, N.V; ARAUJO, E.N.D; JÚNIOR, A.D.S.S; PEREIRA, W.M.M; MIRANDA, C.D.S.C; CAMPOS, P.S.D.S; MATOS, M.W.D.S; PALÁCIOS, V.R.D.C.M. Distribuição espaço-temporal da leptospirose e fatores de risco em Belém, Pará, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v. 21, n. 12, p. 3947-3955, 2016.

SOUZA, A. B. F; CRUZ, Z. V. Abandono do tratamento da tuberculose no município de Itapetinga-BA: um estudo da influência dos fatores ambientais. Enciclopédia biosfera. Centro Científico Conhecer, v. 8, n. 14, p. 1-18, 2012.

BLANCO, R.M; CASSIOLATO, A.P; ROMERO, E.C. Avaliação do teste de aglutinação microscópica utilizando-se como antígeno leptospiras saprófitas para o diagnóstico da leptospirose humana. Revista do Instituto Adolfo Lutz, v. 74, n. 2, p. 90-96, 2015.

MURO, L.F.F; FERREIRA, L.L; GONZAGA, P.D.A.L; PEREIRA, R.E.P. Relação Antígeno-Anticorpo. Revista científica eletrônica de medicina veterinária. Garça/SP, v. 12, n. 4, p. 1-4, 2009.

BRASIL. IBGE. Censo Demográfico, 2010. Disponível em: < https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ro/ji-parana> Acesso em: 17 nov. 2018.

AGUIAR, D.M; CAVALCANTE, G.T; MARVULLO, M.F.V; SILVA, J.C.R; PINTER, A; VASCONCELLOS, S.A; MORAIS, Z.M; LABRUNA, M.B; CAMARGO, L.M.A; GENNARI, S.M. Fatores de risco associados à ocorrência de anticorpos anti-Leptospira spp. em cães do município de Monte Negro, Rondônia, Amazônia Ocidental Brasileira. Arq. Bras. Med, v. 59, n. 1, p. 70-76, 2007.

LAGUARDIA, J; DOMINGUES, C.M.A; CARVALHO, C; LAUERMAN, C.R; MACÁRIO, E; GLATT, R. Sistema de informação de agravos de notificação em saúde (Sinan): desafios no desenvolvimento de um sistema de informação em saúde. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 13, n. 3, p. 135-146, 2004.

BRASIL. Sistema de Informação de Agravos de Notificação – Sinan: normas e rotinas Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância, 2007.

JÚNIOR, S.H.A.D.S; MOTA, J.C.D; SILVA, R.S.D; CAMPOS, M.R; SCHRAMM, J.M.D.A. Descrição dos registros repetidos no Sistema de Informação de Agravos de Notificação, Brasil, 2008-2009. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 25, p. 487-498, 2016.

XIMENES, I.P.E; MOURA, E.R.F, FREITAS, G.L, OLIVEIRA, N.C. Incidência e controle da sífilis congênita no Ceará. Revista da rede de enfermagem do Nordeste, v. 9, n. 3, p. 74-80, 2008.

SERRA, J. Lista Nacional de Doenças de Notificação Compulsória. Informe Epidemiológico do Sus, v. 9, n. 1, p. 59-60, 2000.

MELO, M.A.D.S; COLETA, M.F.D.C; COLETA, J.A.D; BEZERRA, J.C.B; CASTRO, A.M.D; MELO, A.L.D.S; TEIXEIRA, R.A.G; GOMES, D.B; CARDOSO, H.A. Percepção dos profissionais de saúde sobre os fatores associados à subnotificação no Sistema Nacional de Agravos de Notificação (Sinan). Revista de Administração em Saúde, v. 18, n. 71, 2018.

GONÇALVES, V.F; KERR, L.R.F.S; MOTA, R.M.S; MOTA, J.M.A. Estimativa de subnotificação de casos de AIDS em uma capital do Nordeste. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 11, p. 356-364, 2008.

SILVA, G.A.D; OLIVEIRA, C.M.G.D. O registro das doenças de notificação compulsória: a participação dos profissionais da saúde e da comunidade. Revista de Epidemiologia e Controle de Infecção, v. 4, n. 3, p. 215-220, 2014.

Publicado
2019-08-01
Seção
Artigos de Ciências da Vida