DRAG E QUADRINHOS: APROXIMAÇÕES TEÓRICAS E PRÁTICAS A PARTIR DA TRANSGRESSÃO E DA INTERSECCIONALIDADE

  • Kaue de Carvalho Xavier USP
  • Vitor Souza Lima Blotta USP
Palavras-chave: drag, quadrinhos, interseccionalidade, transgressão, gênero

Resumo

O objetivo deste estudo é discutir relações entre o fazer drag e história em quadrinhos. A proposta é promover um diálogo entre algumas das características e temas em torno de ambas as formas de arte, como a transgressão em termos políticos, narrativos e de gênero (cultural e social), bem como a temática da interseccionalidade dos marcadores de raça, classe e gênero, derivada de estudos das áreas da Política e dos Direitos Humanos, mas que atravessa o fazer drag e pode ser relacionado com a linguagem dos quadrinhos. Iniciamos o texto com uma revisão bibliográfica sobre a história da arte drag, ressaltando a presença dos elementos de transgressão e da interseccionalidade, seguida de uma aproximação teórica entre drag e quadrinhos a partir desses dois elementos. Na parte empírica e prática, realizamos análises exploratórias sobre figuras drag em histórias em quadrinhos, a fim de demonstrar como a ausência desses elementos de transgressão e interseccionalidade, presentes em ambas as formas de arte, resultam em figuras binárias e estereotipadas que passam ao largo da compreensão do fazer drag e dos potenciais da linguagem dos quadrinhos para representa-lo. Em reposta a essas ausências, utilizamos em seguida a linguagem do desenho como uma possibilidade metodológica de incorporar os elementos de transgressão e interseccionalidade nos quadrinhos, e concluímos com uma reflexão sobre como os quadrinhos podem representar os aspectos visuais e discursivos da figura drag como um corpo que apresenta múltiplas camadas.

Biografia do Autor

Vitor Souza Lima Blotta, USP

Professor Doutor do Departamento de Jornalismo e Editoração da Escola de Comunicação e Artes da
Universidade de São Paulo. Pesquisador Associado do Núcleo de Estudos da Violência da USP (NEV/USP).
Foi Presidente da Associação Nacional de Direitos Humanos - Pesquisa e Pós-Graduação (ANDHEP) (2016-
2018). É mestre e doutor em Direito pelo Departamento de Filosofia e Teoria Geral do Direito da Faculdade
de Direito da USP. Trabalha especialmente com Filosofia do Direito, Filosofia Política e Comunicação, e
discute temas como Direitos Humanos, Democracia, Esfera Pública, Mídia e Políticas de Comunicação,
Violência e Segurança Cidadã.

Referências

ACKROYD, P. Dressing Up: Transvestism and Drag: The History of an Obsession. London: Thames and Hudson, 1979.
AMANAJÁS, I. Drag queen: um percurso histórico pela arte dos atores transformistas. Revista Belas Artes, São Paulo, 16ª ed., set-dez 2014. Disponível em: . Acesso em: 17 abr. 2018.
BAKER, R. Drag: A History of Female Impersonation on the Stage. London: Cassell, 1994.
BRAGANÇA, L. Desaquendando a história drag no mundo, no Brasil e no Espírito Santo. Vitória: Edição independente, 2018.
BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.
CAGNIN, A. L. Os quadrinhos: linguagem e semiótica. São Paulo: Editora Criativo, 2014.
CRENSHAW, K. Demarginalizing the Intersection of Race and Sex: A Black Feminist Critique of Antidiscrimination Doctrine, Feminist Theory and Antiracist Politics. University of Chicago Legal Forum: Vol. 1989: Iss. 1, Article 8. Disponível em . Acessado em 3 de mar. 2020.
DOONAN, Simon. Drag: The Complete Story (A Look at the History and Culture of Drag). London: Laurence King Publishing, 2019.
EISNER, W. Quadrinhos e arte sequencial: princípios e práticas do lendário cartunista. 4ª edição. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010.
JESUS, J. G. Orientações sobre identidade de gênero: conceitos e termos. Brasília: Publicação online, abr. 2012. Acesso em 04 de ago. 2016. Disponível em: .
KATHMAN, D. How Old Were Shakespeare's Boy Actors? In: Shakespeare Survey 58 (2006), p. 246.
LGBT Campus Center of the University of Wisconsin-Madison. Trans, Genderqueer, and Queer Terms Glossary. Adaptado com permissão da JAC Stringer of The Trans and Queer Wellness Initiative. 2013. Acessado em 04 de ago. 2016. Publicação online. Disponível em
MCCLOUD, S. Desvendando os quadrinhos. São Paulo: M. Books, 2005.
NORTON, R. Mother Clap’s Molly Houses: The Gay Subculture in England 1700-1830. London: Herect Books, 1992.
OOSTRIK, S. E. Doing drag: from subordinate queers to fabulous queens drag as an empowerment strategy for gay men. 2014. Tese (Mestrado em Comparative Women’s Studies in Culture and Politics). Ciências Humanas. Utrecht University. Acessado em 04 de ago. 2016. Publicação online. Disponível em:
SANTOS, M. S. O teatro elisabetano. In: NUÑEZ, Carlinda. O teatro através da história. Rio de Janeiro: CCBB/Entourage, 1994, p.69-97.
SEARS, C. Arresting dress: cross-dressing, law, and fascination in nineteenth-century San Francisco. Durham e Londres: Duke University Press, 2015.
TREVISAN, J. S. Devassos no paraíso: a homossexualidade no Brasil, da colônia à atualidade, 6ª ed. São Paulo: Record, 2004.
Publicado
2020-09-21
Como Citar
Xavier, K. de C., & Souza Lima Blotta, V. (2020). DRAG E QUADRINHOS: APROXIMAÇÕES TEÓRICAS E PRÁTICAS A PARTIR DA TRANSGRESSÃO E DA INTERSECCIONALIDADE. TROPOS: COMUNICAÇÃO, SOCIEDADE E CULTURA (ISSN: 2358-212X), 9(2). Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/tropos/article/view/4008
Seção
Dossiê - Potências políticas do pop: gênero e ativismo na cultura pop