CULTURA POPULAR NEGRA: DECOLONIALIDADE NO RAP E EM PRODUÇÕES AUDIOVISUAIS

  • Gabriel Delphino Fernandes de Souza PPGCP-UFF
  • Thiago Campos da Silva PPGH-UFF
  • Fernando Rodrigues da Silva PPGA-UFF
Palavras-chave: Raça, Decolonialidade, Cultura pop, Rap, Audiovisual

Resumo

O objetivo deste artigo é identificar o discurso decolonial na cultura pop através do rap e de séries e filmes que tematizam as questões raciais. Compreendendo os processos históricos como um campo de disputas e de reposicionamentos, buscamos nas produções da “cultura popular negra” elementos que identifiquem as experiências concretas de negros e negras, para perceber como os deslocamentos das estruturas de poder acontecem através das práticas culturais. Metodologicamente, serão realizadas análises de discurso de letras de rap de três diferentes artistas: os rappers BK’, Emicida e Kendrick Lamar; assim como de produções audiovisuais dirigidas e protagonizadas por negros: o filme Pantera Negra e as séries Atlanta e Insecure. Trabalham-se as ideias de modernidade, raça, linguagem e descolonização com base nas considerações de Paul Gilroy (2001), Stuart Hall (2003), Achille Mbembe (2018), Frantz Fanon (2008) e Grada Kilomba (2019), entre outros. Utilizando a crítica da colonialidade e os “estudos culturais”, compreendemos a arte como narrativa da experiência do povo negro, trazendo a historicidade de sujeitos invisibilizados pelas narrativas hegemônicas e reconhecendo suas potencialidades, linguagens, corporeidades, estéticas e expressividades, sobretudo através da cultura. Como resultado, concluímos que racializar questões cotidianas e trazê-las para a produção cultural é fundamental, pois as práticas artísticas refletem as relações raciais de seu tempo e buscam se conectar com pessoas que passam pelas mesmas situações, criando uma rede de construções identitárias em torno dessa cultura.

Biografia do Autor

Thiago Campos da Silva, PPGH-UFF

Historiador pela UFRJ, mestrando em História na UFF.

Fernando Rodrigues da Silva, PPGA-UFF

Historiador pela UVA, mestrando em Antropologia na UFF

Referências

ATLANTA. FX Productions, MGMT Entertainment, Estados Unidos da América, 2016 – presente.
BERNARDINO-COSTA, Joaze; GROSFOGUEL, Ramón. Decolonialidade e perspectiva negra. In: Revista Sociedade e Estado, Brasília, vol. 31, nº 1, pp. 15-24, janeiro-abril, 2016.
BK’. Adeus. In: BK’. Antes dos Gigantes Chegarem: Pirâmide Perdida, 2017. 1 CD. Faixa 1.
___. Novo Poder. In: BK’. Gigantes: Pirâmide Perdida, 2018. 1 CD. Faixa 1.
___. Porcentos. In: BK’. Gigantes: Pirâmide Perdida, 2018. 1 CD. Faixa 2.
___. Vivos. In: BK’. Gigantes: Pirâmide Perdida, 2018. 1 CD. Faixa 8.
BLUES, Baco Exu do. Faixa Preta. In: OldMonkey: [s.n.], 2016. 1 EP. Faixa 3.
BOURDIEU, Pierre; WACQUANT, Loïc. Sobre as Artimanhas da Razão Imperialista. In: Estudos Afro-Asiáticos, Rio de Janeiro, vol. 24, nº 1, pp. 15-33, 2002.
BUTLER, Judith. Introdução. In: BUTLER, Judith. Corpos em aliança e a política das ruas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.
CARNEIRO, Sueli. A construção do outro como não-ser como fundamento do ser. 2005. 340 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo.
COLAÇO, Thais Luzia. Novas perspectivas para a antropologia jurídica na América Latina: o direito e o pensamento decolonial. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2012.
DOMINGUES, Petrônio. Cultura popular: as construções de um conceito na produção historiográfica. In: História, São Paulo, vol. 30, nº 2, pp. 401-419, agosto-dezembro, 2011.
EMICIDA. Intro (é necessário voltar ao começo). In: Pra quem já Mordeu um Cachorro por Comida, até que eu Cheguei Longe…: Laboratório Fantasma, 2009. 1 CD. Faixa 1.
________. Hey, Rap!. In: Pra quem já Mordeu um Cachorro por Comida, até que eu Cheguei Longe…: Laboratório Fantasma, 2009. 1 CD. Faixa 21.
ELNIÑO, Thiago. Atlântico (Calunga Grande). In: Pedras, Flechas, Lanças, Espadas e Espelhos: [s.n.]. 2019. 1 CD. Faixa 1.
FANON, Frantz. Os condenados da terra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.
_____________. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.
FAIRCLOUGH, Norman. Discurso e Mudança Social. 2ª ed. Brasília: Editora UnB, 2019.
FOUCAULT, Michel. O poder e a norma. In: KATZ, Chaim Samuel (Org.). Psicanálise, poder e desejo. Rio de Janeiro: Ibrapsi, 1979.
GILROY, Paul. O Atlântico negro: modernidade e dupla consciência. Rio de Janeiro: Universidade Cândido Mendes, Centro de Estudos Afro-Asiáticos, 2001.
HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.
____________. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.
INSECURE. 3 Arts Entertainment, Home Box Office (HBO), Estados Unidos da América, 2016 – presente.
KILOMBA, Grada. Memórias da plantação - episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.
LAMAR, Kendrick. M.A.Ad city. In: Good kid, m.A.A.d city: Top Dawg/Aftermath/Interscope, 2012. 1 CD. Faixa 8.
__________________. Momma. In: To Pimp a Butterfly: Top Dawg/Aftermath/Interscope, 2015. 1 CD. Faixa 9.
MBEMBE, Achille. Crítica da razão negra. São Paulo: n-1 edições, 2018.
________________. Necropolítica: biopoder, soberania, estado de exceção, política da morte. São Paulo: n-1 edições, 2018.
MUNANGA, Kabengele. Negritude: usos e sentidos. São Paulo: Autêntica, 2009.
PANTERA Negra. Direção: Ryan Coogler, Produção: Kevin Feige. Marvel Studios, Estados Unidos da América, 2018.
QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005.
SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. In: Educação & Realidade, Porto Alegre, vol. 20, nº 2, pp. 71-99, julho-dezembro, 1995.
SOUZA, Neusa Santos. Tornar-se negro ou As vicissitudes da identidade do negro em ascensão social. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1983.
Publicado
2020-09-11
Como Citar
Delphino Fernandes de Souza, G., Campos da Silva, T., & Rodrigues da Silva, F. (2020). CULTURA POPULAR NEGRA: DECOLONIALIDADE NO RAP E EM PRODUÇÕES AUDIOVISUAIS. TROPOS: COMUNICAÇÃO, SOCIEDADE E CULTURA (ISSN: 2358-212X), 9(2). Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/tropos/article/view/3890
Seção
Artigos