A CONSTRUÇÃO DAS PRINCESAS DISNEY: UMA ANÁLISE DAS PERFORMANCES, NARRATIVAS E IDENTIDADES FEMININAS

  • Ana Naemi Machida UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS
  • Carlos Magno Camargos Mendonça UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS
Palavras-chave: performance; narrativa; identidade; gênero; animação

Resumo

Desde A Branca de Neve e os Sete Anões, as princesas dos Estúdios Disney ganharamada vez mais visibilidade, de maneira a disseminar um determinado padrão de feminilidade para o público infantil. As significações em torno dessa construção do feminino foram se alterando, o que, inevitavelmente, se relaciona a contextos histórico-sociais. Tendo em vista que as crianças estão envolvidas por um processo de subjetivação ao assistirem a esses filmes, este artigo se propõe a analisar as construções narrativas, identitárias e performáticas dessas princesas a partir do marcador analítico de gênero interseccionado com raça e classe. Usaremos da perspectiva dos estudos de gênero, do feminismo interseccional e dos estudos culturais para entender quais mudanças ocorreram ao longo do tempo.

Referências

ABRIL, Gonzalo. Cultura visual: de la semiótica a la política. Madrid: Plaza y Valdéz, 2014.

AKOTIRENE, Carla. Interseccionalidade. Coleção Feminismos Plurais. São Paulo, 2019.

BENVENISTE, E. Problemas de Lingüística Geral - volume I. Campinas: Pontes, 2005.

BREDER, Fernanda Cabanez. Feminismo e príncipes encantados: a representação feminina nos filmes de princesa da Disney. 2013. 74 f. Monografia de Graduação em Jornalismo. Escola de Comunicação, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

BUTLER, Judith, Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução
de Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 2003.

______. Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do sexo. In: LOURO,
Guacira. O corpo educado – Pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

CARNEIRO, Sueli. Enegrecer o feminismo: a situação da mulher negra na América Latina a partir de uma perspectiva de gênero. In: Ashoka Empreendimentos sociais; Takano Cidadania (Org.). Racismos contemporâneos. Rio de Janeiro: Takano Editora, 2003.

CASTANHEIRA, Marcela; CORREIA, Adriano. A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação. Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia – UFG, 2012. Disponível em: http://www.sbpcnet.org.br/livro/63ra/conpeex/mestrado/trabalhos-mestrado/mestrado-marcela-alves.pdf. Acesso em 09 jun. 2020.

CASTRO, Fábio F. Temporalidade e quotidianidade do pop. In: SÁ, Simone; CARREIRO Rodrigo; FERRARAZ, Rogério. Cultura Pop. EDUFBA / COMPÓS. Salvador/Brasília. 2015. Disponível em: http://www.compos.org.br/data/Cultura_pop_repositorio.pdf. Acesso em 09 jun. 2020.

COLLINS, Patricia. Pensamento Feminista Negro Conhecimento, consciência e a política do empoderamento. Editora Boitempo; Edição: 1, 2019.

DUMARESQ, Ana Carolina Landin. Mandrake: gênero, corpo e sexualidade na narrativa televisiva. 2010. 136 f., il. Dissertação (Mestrado em Comunicação)-Universidade de Brasília, 2010.

ESCOSTEGUY, Ana. Circuitos de cultura/circuitos de comunicação: um protocolo analítico de integração da produção e da recepção. Comunicação, mídia e consumo, São Paulo, vol. 4, n.11, p.115 - 135 nov. 2007. Disponível em: http://revistacmc.espm.br/index.php/revistacmc/article/view/111/112. Acesso em 09 jun. 2020.

______. Uma releitura de um clássico dos estudos culturais: as utilizações da cultura. In: GOMES, Itania; JUNIOR, Jeder. Comunicação e estudos culturais. Salvador : EDUFBA, 2011.

FISCHER, B. M. Rosa. O dispositivo pedagógico da mídia: modos de educar na (e pela) TV. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.28, n.1, p. 151-162, jan./jun. 2002.

GONZALES, Lélia. Por um feminismo Afro-latino-Americano. In: Cadernos de Formação Política do Círculo Palmarino, n. 1, Batalha de Ideias. 2011.

GREIMAS, J. Algirdas; COURTÉS, Joseph. Dicionário de Semiótica. Editora Cultrix, São Paulo, 2008.

HALL, Stuart. A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções culturais do nosso tempo. Educação e Realidade. 1997.

HARAWAY, Donna J., A Cyborg Manifesto: Science, Technology, and Socialist-Feminism in the Late Twentieth Century. In: HARAWAY, Donna; KUNZRU, Hari; TADEU, Tomaz. Antropologia do Ciborgue: As vertigens do pós-humano, Belo Horizonte, Autêntica 2a ed., 2009.

HOOKS, bell. Teoria Feminista: da margem ao centro. Editora Perspectiva S/A, 2019.

JANOTTI JUNIOR, Jeder. Cultura pop: entre o popular e a distinção. In: SÁ, Simone; CARREIRO Rodrigo; FERRARAZ, Rogério. Cultura Pop. EDUFBA / COMPÓS. Salvador/Brasília. 2015.

LAURETIS, Tereza de. A tecnologia do gênero. Indiana University Press, 1987

LOURO, Guacira. Gênero, sexualidade e educação – Uma perspectiva pós-estruturalista. 6º edição, Editora Vozes. Petrópolis, RJ, 1997.

OLIVEIRA-CRUZ, Milena. Teoria social, realidade empírica e habitus: gênero e classe articulados como conceitos analíticos na recepção. compós (Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação), ISSN 1808-2599, v. 23, jan–dez, publicação contínua, 2020. Disponível em: https://www.e-compos.org.br/e-compos/article/view/1795/1961. Acesso em 09 jun. 2020.

PIETROLUONGO, Márcia. Identidade social e identidade discursiva, o fundamento da
competência comunicacional. In: O trabalho da tradução. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2009, p. 309-326, 2009.

PRECIADO, B. Paul. Transfeminismo. Série Pandemia, n-1 edições, 2015.

RAEL, Claudia. Gênero e sexualidade nos desenhos da Disney. In: LOURO, Guacira; FELIPE, Jane; GOELLNER, Silvana. Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. Editora Vozes, Petrópoles – RJ, 2013.

SABAT, Ruth ; Infância e gênero: o que se aprende nos filmes infantis?. In: 24a Reunião Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação ANPEd, 2001, Caxambu (MG). 24a Reunião Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação ANPEd, 2001. p. 1-15.

SOARES, Thiago. Percursos para estudos sobre música pop. In: SÁ, Simone; CARREIRO Rodrigo; FERRARAZ, Rogério (Orgs.). Cultura Pop. EDUFBA / COMPÓS. Salvador/Brasília, 2015.
Publicado
2020-11-09
Como Citar
Machida, A. N., & Magno Camargos Mendonça, C. (2020). A CONSTRUÇÃO DAS PRINCESAS DISNEY: UMA ANÁLISE DAS PERFORMANCES, NARRATIVAS E IDENTIDADES FEMININAS. TROPOS: COMUNICAÇÃO, SOCIEDADE E CULTURA (ISSN: 2358-212X), 9(2). Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/tropos/article/view/3850
Seção
Dossiê - Potências políticas do pop: gênero e ativismo na cultura pop