DESCREVENDO IMAGENS: UM ESTUDO SOBRE A AUDIODESCRIÇÃO COMO FERRAMENTA DE ACESSIBILIDADE NO TELEJORNALISMO

  • Jefferson Perleberg Rubira
  • Michele Negrini mmnegrini@yahoo.com.br
Palavras-chave: audiodescrição; acessibilidade; inclusão; telejornalismo; estudo de recepção.

Resumo

O presente estudo busca refletir sobre a audiodescrição (AD) como recurso de acessibilidade comunicacional, em especial, a utilização da ferramenta inserida no contexto do telejornalismo brasileiro. Mesmo sendo uma importante fonte de informação, nenhum telejornal no Brasil possui AD em sua programação diária. Para esta pesquisa foi utilizada uma reportagem especial do Jornal do Almoço, da RBS-TV, afiliada da Rede Globo, que ofertou o recurso. O material foi apresentado a um grupo focal, durante um estudo de recepção com estudantes cegos ou com baixa visão, da Escola Especial Louis Braille de Pelotas, RS. Nos resultados os estudantes apontaram dificuldades no entendimento da reportagem quando não há AD e destacaram a importância do recurso para uma melhor compreensão do telejornal, sendo ele essencial.

Biografia do Autor

Jefferson Perleberg Rubira

Graduado em Jornalismo pela Universidade Federal de Pelotas.

Michele Negrini, mmnegrini@yahoo.com.br

Orientadora do trabalho. Doutora em Comunicação pela PUC RS. Tem pós-doutorado pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), no programa de pós-graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas. Professora da Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Integrante do núcleo de pesquisadores do Grupo Interinstitucional de Pesquisa em Telejornalismo (GIPTele). E-mail: mmnegrini@yahoo.com.br.

Referências

ARANHA, Maria Salete Fábio. Paradigmas da relação da sociedade com as pessoas com deficiência. Revista do Ministério Público do Trabalho, Marília, nº 21, 2001.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 15290 Acessibilidade em comunicação na televisão. Rio de Janeiro, p. 10. 2005.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 9050 Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. Rio de Janeiro, p. 4. 2004.
BERSCH, Rita. Introdução à Tecnologia Assistiva. 2017. Disponível em: < http://www.assistiva.com.br/Introducao_Tecnologia_Assistiva.pdf>. Acesso em: 23 de nov. de 2019.
BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, 1988. Disponível em: . Acesso em: 23 de nov. de 2019.
BRASIL. Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Brasília, DF: Presidência da República, 2000. Disponível em: < https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2000/lei-10098-19-dezembro-2000-377651-publicacaooriginal-1-pl.html>. Acesso em: 23 de nov. de 2019.
BRASIL. LEI Nº 13.146, DE 6 DE JULHO DE 2015. Brasília, DF: Presidência da República, 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm. Acesso em: 23 de nov. de 2019.
BRASIL. Norma Complementar nº 01/2006. Portaria nº 188, de 24 de março de 2010. Disponível em: . Acesso em: 23 de nov. de 2019.
CARLETTO, Ana Claudia C.; CAMBRIAGHI, Silvana. Desenho universal – um conceito para todos. São Paulo: Realização Mara Grabrilli, 2016.
CARVALHO, Edneia Maria. Acessibilidade e inclusão de alunos com deficiência física e/ou mobilidade reduzida: perspectivas de atuação da Biblioteca Escolar do Colégio Militar de Juiz de Fora. Dissertação (Mestrado Profissional em Biblioteconomia) – Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2017.
ESCOSTEGUY, Ana Carolina. Os estudos de recepção e as relações de gênero: algumas anotações provisórias. Scribd, 2000. Disponível em: < https://pt.scribd.com/document/368217321/ESCOSTEGUY-Ana-Carolina-Os-Estudos-de-Recepcao-e-as-Relacoes-de-Genero>. Acesso em: 13 de jun de 2019.
G1. Fantástico exibe 'Desafio Farroupilha'. G1. Porto Alegre. 26 de novembro de 2018. Disponível em: https://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/blog/reporter-farroupilha/post/2018/11/26/fantastico-exibe-desafio-farroupilha.ghtml Acesso em: 12, de ago. de 2019.
G1. Partiurs conheça Antônio Prado, a cidade mais italiana do Brasil. G1. Porto Alegre. 10 de agosto de 2019. Disponível em: . Acesso: 10 de novembro de 2019.
GALVÃO FILHO, Teófilo. A Tecnologia Assistiva: de que se trata? In: MACHADO, G. J. C.; SOBRAL. Conexões: educação, comunicação, inclusão e interculturalidade. 1. ed. Porto Alegre: Redes Editora, 2009.
GSHOW. Você sabe como funciona o Closed Caption da sua televisão?. Por De Ponta a Ponta, TV TEM. 15 de abr, 2017. Disponível em: . Acesso: 17 de agosto de 2019.
IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GROGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo demográfico: Características gerais da população, religião e pessoas com deficiência. Rio de Janeiro: 2010. Disponível em: . Acesso em: 13 de outubro de 2019.
MANZINI, Eduardo José. Tecnologia assistiva para educação: recursos pedagógicos adaptados. In: Ensaios pedagógicos: construindo escolas inclusivas. Brasília: SEESP/MEC, 2005.
MARTÍN-BARBERO, Jesus. Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1997.
MAZZOTTA, Marcos José; D’ANTINO, Maria Eloísa Famá. Inclusão Social de Pessoas com Deficiências e Necessidades Especiais: cultura, educação e lazer. Saúde Soc., São Paulo, v.20. Disponível em: . Acesso em: 08 de Ago. de 2019.
MOTA, Célia Ladeira. O gesto e a palavra: representações sobre cidadania no telejornal. In: VIZEU,A; PORCELLO, F; MOTA, C. (org). Telejornalismo, a nova praça pública. Florianópolis: Editora Insular, 2006.
OROZCO GÓMEZ, Guillermo. La Investigación en Comunicación desde la perspectiva Cualitativa. Ediciones de Periodismo y Comunicación Social. Capitulo IV, 1997.
PASSERINO, Liliana Maria; MONTARDO, Sandra Portella. Inclusão social via acessibilidade digital: Proposta de inclusão digital para Pessoas com Necessidades Especiais. Anais XI Colóquio Internacional sobre a Escola Latino Americana de Comunicação, Pelotas, 2007.
PIZZOL, S. J. S. Combinação de grupos focais e análise discriminante: um método para tipificação de sistemas de produção agropecuária. Revista de Economia e Sociologia Rural, Brasília, v. 42, 2004.
REDÜ, Natália Sheikha. A morte no telejornalismo: O olhar do receptor sobre a apresentação do caso Bernardo no Jornal Nacional. 2015. 82 f. Monografia (Bacharelado em Jornalisno - Centro de Letras e Comunicação) – Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2015.
SARTORETTO, Maria Lúcia; BERSCH, Rita. O que é Tecnologia Assistiva?. Blog Assistiva Tecnologia e Educação. Disponível em: . Acesso em: 02 de nov. de 2019.
SASSAKI, Romeu Kazumi. Inclusão: acessibilidade no lazer, trabalho e educação. Revista Nacional de Reabilitação (Reação), São Paulo, Ano XII, 2009.
SCORALICK, Kelly. Por uma TV acessível: a audiodescrição e as pessoas com deficiência visual. 2017. 197 f. Tese (Doutorado em Comunicação da Escola de Comunicação) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2017.
SCORALICK, Kelly. Telejornalismo e acessibilidade: um olhar para o outro com deficiência. Anais XXXVIII Encontro Nacional de Pesquisadores em Jornalismo, Palhoça, 2016.
Publicado
2020-11-09
Como Citar
Rubira, J. P., & Negrini, M. (2020). DESCREVENDO IMAGENS: UM ESTUDO SOBRE A AUDIODESCRIÇÃO COMO FERRAMENTA DE ACESSIBILIDADE NO TELEJORNALISMO. TROPOS: COMUNICAÇÃO, SOCIEDADE E CULTURA (ISSN: 2358-212X), 9(2). Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/tropos/article/view/3842
Seção
Artigos