SOB O PRISMA DA SEMIÓTICA DA CULTURA: CORPO, RAÇA, GÊNERO E SEXUALIDADE EM SEMIOSES COTIDIANAS

Palavras-chave: Semiótica da cultura; Semiosfera; Identidades; Resistência

Resumo

O objetivo deste texto é trazer reflexões sobre entendimentos acerca do corpo, gênero e sexualidade através da experiência pessoal de dois sujeitos, um homem e uma mulher. A ideia é confrontar e aproximar noções de autores sobre os conceitos destacados e a mirada individual dos sujeitos a partir de como esses temas estão refletidos e problematizados em seus cotidianos, nas relações que estabelecem com a família, o grupo de amigos, o mercado de trabalho. Tomamos como suporte epistêmico-metodológico a semiótica da cultura, a partir da noção de semiosfera proposta por Lotman (1996), para compreender como textos que são produzidos por sujeitos que estão situados na “periferia”, no sentido de que são narrativas que contrapõem as hegemônicas, podem provocar rupturas nos textos que estão no centro da semiosfera, responsáveis por fabricar e instituir normas e padrões culturais. Acreditamos que os sujeitos produzem “identidades políticas” de resistência, levantando bandeiras, confrontando lógicas e favorecendo, através de textos novos que são colocados em circulação e em confronto na semiosfera, a construção de caminhos para uma desobediência epistêmica e cultural.

 

Biografia do Autor

Leila Lima de Sousa, UFMA/ Unisinos

Docente do curso de jornalismo da Universidade Federal do Maranhão - UFMA/Campus Imperatriz. Doutoranda em Ciências da Comunicação pela Unisinos, com estágio de Doutorado Sanduíche na Universitat Autònoma de Barcelona, Espanha, com bolsa CAPES PRINT. 

Referências

GEERTZ, Clifford. Uma descrição densa: por uma teoria interpretativa da cultura. In: ______. A interpretação das culturas. LCT: Rio de Janeiro, 1989.

LE BRETON, David. O inapreensível do corpo. IN:___ Antropologia do corpo. Petrópolis: Vozes, 2016. P.15 – 56.

LOTMAN, Yuri. La memoria de la cultura. IN: In: La Semiosfera I. Semiótica de la cultura, del texto, de la conducta y del espacio. Madrid: Cátedra, 1996.

______. Acerca de la semiosfera. IN: La Semiosfera II. Semiótica de la cultura, del texto, de la conducta y del espacio. Madrid: Cátedra, 1998.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: Uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes, 1997.
MISKOLCI, Richard. A Teoria Queer e a Sociologia: o desafio de uma analítica da normalização. In: Sociologias, Porto Alegre, ano 11, nº 21, jan./jun. 2009, p. 150-182.

MOREIRA, Adilson. Racismo recreativo. São Paulo: Sueli Carneiro, Pólen, 2019.

PRECIADO, Paula Beatriz. Multidões queer. Notas para uma política dos anormais. In: Estudos Feministas, Florianópolis, 19(1): 312 janeiro-abril/2011.

SILVA, Tomaz Tadeu. A produção social da identidade e da diferença. In: ___ Identidade e diferença. Petrópolis: Vozes, 2000, p. 73-102.

TORRICO, ERICK. A re-humanização da decolonização comunicacional. In: Palestra ministrada no III Colóquio Internacional de Investigação Crítica em Comunicação da Unisinos. São Leopoldo, RS, 2018.

VELHO, Gilberto. Observando o familiar. In: ____. Individualismo e cultura: notas para uma antropologia da sociedade contemporânea. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1980.
Publicado
2020-06-25
Como Citar
Lima de Sousa, L. (2020). SOB O PRISMA DA SEMIÓTICA DA CULTURA: CORPO, RAÇA, GÊNERO E SEXUALIDADE EM SEMIOSES COTIDIANAS . TROPOS: COMUNICAÇÃO, SOCIEDADE E CULTURA (ISSN: 2358-212X), 9(1). Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/tropos/article/view/3682
Seção
Artigos