ALTERIDADE EM PEIRCE E MERLEAU-PONTY: UMA APROXIMAÇÃO POSSÍVEL

Palavras-chave: Semiótica, Charles S. Peirce, Fenomenologia, Alteridade, Maurice Merleau-Ponty

Resumo

A partir de uma breve apresentação das características da fenomenologia de Charles S. Peirce – percorrendo suas categorias de primeiridade, secundidade e terceiridade –, neste artigo de caráter teórico, busquei refletir sobre uma aproximação entre Peirce e Maurice Merleau-Ponty pela via fenomenológica da alteridade, tema presente na filosofia de ambos, apesar de perspectivas diferentes. Ao longo do trabalho, foi necessário salientar a questão do corpo próprio – que simboliza a existência em determinado espaço e tempo, em busca de sentido –, a fim de estimular indagações de ordem semiótica. Recorri – como aporte teórico dessa reflexão – aos trabalhos de Peirce (1958; 1975; 2015), Ika (2002), Downard (2015), Ibri (2015), Merleau-Ponty (2011; 2004) e Santaella (2017).

Biografia do Autor

Camila Freitas, UFRGS/Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Comunicação (PPGCOM)

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPGCOM/UFRGS).

Referências

ALLOA, Emmanuel. Resistance of the Sensible World: an introduction to Merleau-Ponty. New York: Fordham University Press, 2017.

DOWNARD, Jeffrey Brian. The main questions and aims guiding Peirce’s Phenomenology. Cognitio. V. 15, N. 2, 2015.

HEGEL, G. W.F. Fenomenologia do Espírito. Editora Vozes: Petrópolis, 1992.

HUSSERL, Edmund. Cartesian Meditations: an introduction to Phenomenology. Boston: Martinos Nijhoff Publishers, 1982.

_______. Investigações Lógicas. Lisboa: Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, 2007.

IBRI, Ivo Assad. Kósmos Noétos: a arquitetura filosófica de Charles S. Peirce. São Paulo: Ed. Paulus, 2015.

IKA, Siosifa. A Critical Examination of the Philosophy of Charles S. Peirce: A Defence of the Claim that his Pragmatism is Founded on his Theory of Categories. Thesis. (Doctor of Philosophy). Notre Dame: University of Notre Dame Australia, 2002.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da Percepção. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

_______. O Olho e o Espírito. São Paulo: Cosac Naify, 2004.

_______. O Visível e o Invisível. São Paulo: Perspectiva, 2014.

_______. Résumés de Cours: Collège de France (1952-1960). Paris: Gallimard, 1968.

PEIRCE, Charles. S. Evolutionary Love. The Monist. V.3. N.2, 1893. Disponível em: < https://archive.org/details/jstor-27897058/page/n1/mode/2up>. Acesso em: 03 de mar. 2020.
_______.The Collected Papers of Charles Sanders Peirce. V. I-VI, ed. Charles Hartshorne and Paul Weiss; V. I-VIII, ed. by Arthur W. Burks. Cambridge: Harvard University Press (1958) [CP].

_______. Semiótica. São Paulo: Perspectiva, 2015.

_______. Semiótica e Filosofia. São Paulo: Editora Cultrix, 1975.

RANSDELL, Joseph. Is Peirce a Phenomenologist?, Texas, 1989. Disponível em: . Acesso em: 02 de fev. 2020.

SANTAELLA, Lucia. Estética: de Platão a Peirce. E-book: Kindle. São Paulo: Editora Cod3s, 2017.

SAVAN, David. On the origins of Peirce’s phenomenology. In: WIENER, Philip; YOUNG, Frederic (Orgs.). Studies in the Philosophy of Charles Sanders Peirce. Cambridge: Harvard University Press, 1952.

SHORT, T.L. Peirce’s Theory of Signs. Cambridge: Cambridge University Press, 2007.

SONESSON, Göran. Mastering phenomenological semiotics with Husserl and Peirce. In: BANKOV, Kristian; COBLEY, Paul (orgs). Semiotics, Communication and Cognition. Berlin:
De Gruyter, 2017.

SPIEGELBERG, Herbert. Husserl’s and Peirce’s Phenomenologies: Coincidence or Interaction. Philosophy and Phenomenological Research. V. 17, N. 2, 1956.

ZILLES, Urbano, Fenomenologia e Teoria do Conhecimento em Husserl. Revista da Abordagem Gestáltica. V. 13, N. 2, 2007.
Publicado
2020-06-24
Como Citar
Freitas, C. (2020). ALTERIDADE EM PEIRCE E MERLEAU-PONTY: UMA APROXIMAÇÃO POSSÍVEL. TROPOS: COMUNICAÇÃO, SOCIEDADE E CULTURA (ISSN: 2358-212X), 9(1). Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/tropos/article/view/3377
Seção
Artigos