DAS TELAS PARA AS RUAS: O ENVOLVIMENTO POLÍTICO DE THE HANDMAID’S TALE COM A ATUALIDADE

Palavras-chave: Distopia, Cultura, Industria Cultural, Feminismo

Resumo

No ano de 2017, a Hulu estreou para os seus assinantes a primeira temporada da série The Handmaid’s Tale (O Conto da Aia), adaptação do livro homônimo da autora canadense Margaret Atwood. O enredo nos mostra uma realidade alternativa onde os Estados Unidos sofreram um golpe político, tornando-se um regime totalitarista teocrático conhecido por Gilead. O expectador acompanha a história da personagem June, percorrendo sua vida desde antes da instauração do novo Estado, até o momento presente de sua trama. A série rapidamente conquistou a crítica e o público ao trazer uma narrativa distópica repleta de simbolismos e elementos visuais que de certa forma dialogam com o atual momento de instabilidade sócio-política enfrentada por diversos países no mundo, como Brasil, Argentina, EUA, dentre outros. A produção, tornou-se parte da cultura das séries, que se desenvolveu ao longo dos últimos anos, e vem sendo constantemente alimentada com as novas produções e plataformas de streaming, como Netflix, Amazon Prime, HBO Go e outros. Diante disso, esse estudo buscou identificar os elementos que contribuíram para a produção de O Conto da Aia conquistar um lugar de destaque na cultura de massa atualmente, sendo inclusive referenciada em protestos, da mesma forma que aconteceu com V de Vingança (2005), e mais recentemente Coringa (2019).

Biografia do Autor

Alusk Maciel Santos, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Discente de mestrado do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS) pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Bacharel em Comunicação Social, com habilitação em Publicidade e Propaganda pela UFRN. Pesquisador dos campos de comunicação, cultura e sociedade.

Gilmar Santana, UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE

Professor e vice-coordenador do curso de Licenciatura em Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Possui doutorado sanduíche em Sociologia pela Universidade de São Paulo (USP) e Universitat de Barcelona (UB-Espanha), com pós-doutorado pela University of Cambridge.

Referências

ADORNO, Theodor. Indústria cultural e sociedade. São Paulo: Paz e Terra, 2002.
ATWOOD, Margaret. O Conto da Aia. Rio de Janeiro: Rocco, 2017.
AUMONT, Jacques. A imagem. Campinas: Papirus, 2017.
COELHO, Teixeira. O que é indústria cultural. São Paulo: Editora Brasiliense, coleção Primeiros Passos, 1996.
DUARTE, Rodrigo. Indústria cultural e meios de comunicação. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2014.
EAGLETON, Terry. Ideologia: uma introdução. São Paulo: Editora UNESP: Editora Boitempo, 1997.
ECO, Umberto. Apocalípticos e Integrados. São Paulo: Editora Perspectiva, 1993.
LIPOVETSKY, Gilles; SERROY, Jean. A Estetização do Mundo: viver na era do capitalismo artista. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.
MORAES, Cândida Maria Nobre de Almeida. Pirataria no ciberespaço: como a lógica da reprodutibilidade industrial disponibilizada pelas novas tecnologias afeta a própria indústria. 2010. 132 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Comunicação, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2010. Disponível em: . Acesso em: 26 out. 2019.
RÜDIGER, Francisco. A escola de Frankfurt e os estudos da mídia. In: HOHLFELDT, Antonio; MARTINO, Luiz; FRANÇA, Vera. Teorias da Comunicação. Petrópolis: Vozes, 2010.
SILVA, Marcel Vieira Barreto. Cultura das séries: forma, contexto e consumo de ficção seriada na contemporaneidade. In: Galáxia, São Paulo, v. 14, n. 27, p.241-252, Junho de 2014.
WILLIAMS, Raymond. Cultura. São Paulo: Paz e Terra, 1992.
Publicado
2020-04-22
Como Citar
Maciel Santos, A., & Santana, G. (2020). DAS TELAS PARA AS RUAS: O ENVOLVIMENTO POLÍTICO DE THE HANDMAID’S TALE COM A ATUALIDADE. TROPOS: COMUNICAÇÃO, SOCIEDADE E CULTURA (ISSN: 2358-212X), 9(1). Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/tropos/article/view/3151
Seção
Dossiê - A nova Era Dourada da Televisão: as séries contemporâneas