GÊNERO E IDENTIFICAÇÃO: A FACILITAÇÃO GRÁFICA MIDIATIZADA E O RESPEITO À DIVERSIDADE

  • Marli dos Santos Faculdade Cásper Líbero (FCL)
  • Izabel Marques Meo
  • Carlos Humberto Ferreira Silva Junior Universidade Estadual Paulista (Unesp/Bauru)
Palavras-chave: Comunicação, Facilitação Gráfica, Gênero, Diversidade

Resumo

Este trabalho aborda a facilitação gráfica midiatizada como narrativa na representação de gênero e na construção das identidades na sociedade contemporânea. O objetivo é verificar se a aplicação da facilitação gráfica pode elucidar as dúvidas acerca das diferenças de gênero. Para responder nossa questão de pesquisa foi realizado um estudo qualitativo, exploratório, no qual foram selecionados 10 vídeos publicados no YouTube. A seleção ocorreu por meio das palavras-chave: gênero, identidade de gênero, sexualidade e homossexualidade. Os vídeos que compõem a amostra são aqueles que apresentaram elementos característicos da técnica narrativa, popularmente conhecida como “vídeos desenhados”. Os principais autores que compõem nosso marco teórico são: Agerbeck (2012), Butler (2014), Rajamanickam (2003), Campos (2007), Menegon (2013) e Lima (1995). Após a análise de conteúdo, foi possível observar que os vídeos adotam uma linguagem padrão que, em alguns momentos, reforçam as oposições entre gêneros. Apesar disso, consideramos que a facilitação gráfica avança na tentativa de elucidar sobre essas diferenças.

Biografia do Autor

Marli dos Santos, Faculdade Cásper Líbero (FCL)

Doutora em Comunicação e professora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Faculdade Cásper Líbero (FCL). E-mail: msantos@casperlibero.edu.br

Izabel Marques Meo

Mestra em Comunicação Social pela Universidade Metodista de São Paulo (Umesp). E-mail: izabel.meo@gmail.com

Carlos Humberto Ferreira Silva Junior, Universidade Estadual Paulista (Unesp/Bauru)

Doutorando em Comunicação pela Universidade Estadual Paulista “Júlio Mesquita Filho” UNESP-Bauru. E-mail: carlos.jr@unesp.br 

Referências

ACKER, Isabel de Souza. Corpos e materialidades: tensionamentos teóricos a partir de sexualidade e tecnologia. In: I Congresso Internacional em Humanidades Digitais, 2018. Rio de Janeiro. Anais... Disponível em: . Acesso em 10 jan. 2019.
ADORNO, Theodor W. A indústria cultural. In: COHN, Gabriel. Comunicação e indústria cultural. São Paulo: Nacional; Editora da Universidade de São Paulo, 1971.
AGERBECK, Brandy. The Graphic Facilitator’s Guide. Loosetooth.com Library 2012.
BANDIN, Laurice. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1997.
BAUMAN, Zygmunt. Modernidade Líquida. Rio de janeiro: Jorge Zahar, 2001
BERGSTRÖM, Bo. Fundamentos da Comunicação visual. São Paulo: Edições Rosari, 2009.
BUTLER, Judith. Regulações de gênero. Cadermos Pagu [online]. 2014, n.42, pp.249-274. Disponível em < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=s0104-83332014000100249&script
=sci_abstract&tlng=pt >. Acesso em 29 jan. 2019.
DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.
DERRIDA, Jacques. Positions, Chicago: University of Chicago Press, 1981.
CAIRO, Alberto. The Functional Art: An introduction to information graphics and visualization. Berkeley: New Riders, 2013.
CAMPOS, Flávio de. Roteiro de Cinema e televisão. Rio de Janeiro: Zahar, 2007.
COELHO, Cláudio N. P. Indústria cultural e sociedade do espetáculo: a dimensão política da crítica. Líbero – São Paulo – v. 19, n. 37, p. 31-42, jan./jun. de 2016. Disponível em: < https://casperlibero.edu.br/wp-content/uploads/2016/08/Claudio-Novaes-Pinto-Coelho-Libero-37.pdf>. Acesso em 26 jan. 2019.
GENRO FILHO, Adelmo. O segredo da pirâmide - para uma teoria marxista do jornalismo. Porto Alegre, Tchê, 1987.
GIL, Antonio C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6ª ed. São Paulo : Atlas,. 2008
HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro. DP&A,. 2006.
HALL, Stuart. Quem precisa de identidade? In: SILVA, T. (org): Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2000.
LIMA, Edvaldo Pereira. Páginas Ampliadas: O livro-reportagem como extensão do jornalismo e da literatura. São Paulo: Ed. Unicamp, 1995
MENEGON, Érika N. Imagens e narrativas midiáticas: análise dos vídeos no youtube. Dissertação (Mestrado) - Universidade Estadual Paulista, Marília, São Paulo, 2013.
MÉO, Izabel M. Reportagens visuais: uma nova possibilidade para o jornalismo digital com a facilitação gráfica. Dissertação (Mestrado) – Universidade Metodista de São Paulo, São Bernardo do Campo, 2018.
PRESIDENTA. Michaelis. Disponível em: . Acesso em 20 jan. 2019.
RAJAMANICKAM, V. (2003). Interactive Visual Explainers-A Simple Classification. In E-learning Post . Disponível em: /interactivevisual_explainers_a_simple_classification>. Acesso 20 jan. 2019.
SANTOS, Gabriele M. S; CAMPELLO, Silvio B.; COUTINHO, Solange G. Variáveis para análise de infográficos interativos: um estudo descritivo em artefatos educacionais para o ensino médio. In: C. G. Spinillo; L. M. Fadel; V. T. Souto; T. B. P. Silva & R. J. Camara (Eds). Anais [Oral] do 7º Congresso Internacional de Design da Informação/Proceedings [Oral] of the 7th Information Design I nternational Conference | CIDI 2015 [Blucher Design Proceedings, num.2, vol.2]. São Paulo: Blucher, 2015
SIBBET, David. Reuniões Visuais: como gráficos, lembretes autoadesivos e mapeamento de ideias podem transformar a produtividade de um grupo. Rio de Janeiro: Alta Books, 2013.
YOUTUBE já tem mais de 1,8 bilhão de usuários ativos por mês. Canaltech, 4 de maio 2018. Disponível em: . Acesso em: 25 jan. 2019.
Publicado
2020-04-26
Como Citar
Santos, M. dos, Meo, I. M., & Ferreira Silva Junior, C. H. (2020). GÊNERO E IDENTIFICAÇÃO: A FACILITAÇÃO GRÁFICA MIDIATIZADA E O RESPEITO À DIVERSIDADE. TROPOS: COMUNICAÇÃO, SOCIEDADE E CULTURA (ISSN: 2358-212X), 9(1). Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/tropos/article/view/3047
Seção
Artigos