A FOTOGRAFIA COMO VIRTUALIZAÇÃO DO HOMEM

  • Milton Chamarelli Filho Universidade Federal do Acre - UFAC

Resumo

O presente ensaio tem como objetivo discutir como a fotografia se tornou uma das formas de virtualização homem. À medida que ela extrapola as fronteiras do corpo, torna-se uma espécie de memória que está fora do corpo. Nessa condição, passa a povoar o mundo dos signos, mas também da velocidade de um novo mundo que se apresenta a ela e que ela tem representar também como signo da subjetividade.

Referências

BENJAMIM, W. A obra de arte na época de sua reprodutibilidade técnica. In: LIMA, L. C. (Org.) Teoria da cultura de massa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

LEVY, P. O que é virtual. São Paulo: Editora 34, 2001.

PESSOA, F. Poesia completa de Alberto Caeiro. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

SANTAELLA, L., NÖTH. Imagem: cognição, semiótica, mídia. São Paulo: Iluminuras, 2005.

SONTAG, S. Ensaios sobre fotografia. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1986.

Publicado
2015-06-14
Como Citar
Filho, M. C. (2015). A FOTOGRAFIA COMO VIRTUALIZAÇÃO DO HOMEM. TROPOS: COMUNICAÇÃO, SOCIEDADE E CULTURA (ISSN: 2358-212X), 1(3). Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/tropos/article/view/232
Seção
Ensaio