TAINÁ: A REENCENAÇÃO DE ESTEREÓTIPOS NA NARRATIVA DO DESCOBRIMENTO

  • José Tarisson Costa da Silva Universidade Federal de Pernambuco
  • Jaine Araújo da Silva Universidade Federal do Acre
  • Maria Clara de Oliveira Martins Universidade Federal de Pernambuco

Resumo

O objetivo do artigo foi analisar a narrativa construída em torno da identidade étnica do indígena brasileiro representada por Tainá no filme homólogo à personagem principal. Para tal objetivo, articulamos os conceitos de representação e estereótipo, formulado por Stuart Hall (2016) e de etnocentrismo por Rocha (1988), por meio da metodologia de crítica diagnóstica do culturalista Douglas Kellner (2001). Aliado às ideias desses pensadores, percebemos como necessário estabelecer relações com a narrativa do descobrimento de Daiana Taylor (2013), cuja principal discussão envolve o etnocentrismo enraizado nas sociedades do contato. Por fim, discutimos se a produção fílmica tem sido usada para a superação de equívocos e preconceitos, subjacentes à sociedade brasileira ou para a manutenção da figura mítica atrelada às populações autóctones nacionais, desconsiderando as mudanças e modo de vida dos povos indígenas no país na contemporaneidade.

Biografia do Autor

José Tarisson Costa da Silva, Universidade Federal de Pernambuco
Graduando de Comunicação Social – Jornalismo, 6° período, na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). E-mail: tarisson.c.s@gmail.com.
Jaine Araújo da Silva, Universidade Federal do Acre

Graduanda de Comunicação Social – Jornalismo, 8° período, na Universidade Federal do Acre  (UFAC). E-mail: araujojaine7@gmail.com

Maria Clara de Oliveira Martins, Universidade Federal de Pernambuco
Graduanda de Comunicação Social – Jornalismo, 6° período, na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). E-mail:  mariaclaramartins1998@gmail.com

Referências

TAINÁ, a origem. Direção: Rosane Svartman. Produção: Pedro Rovai. Manaus – AM: Sony Pictures, 2013. 80 min.

BRASIL. IBGE. Censo Demográfico, 2010. Disponível em: www.ibge.gov.br. Acesso: 15 jun 2017.

CARELLI, Vicente; ECHEVARRÍA, Nicolás; ZIRIÓN, Antônio. Diálogos sobre o cinema indígena. México: Cinema23, 2016, nº 007.

COSTA, Sandro Silvério. América Portuguesa: paraíso terreal. Revista Esboços.v. 9, n. 9, p. 117 – 142. 2001.

HALL, Stuart. Cultura e representação. Tradução: Daniel Miranda e William Oliveira. Rio de Janeiro, RJ: Ed. PUC-Rio: Apicuri, 2016.

HALL, Stuart. A questão multicultural. In: Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG; Brasília: Representação da UNESCO no Brasil, 2003, p. 51-100.

KERN, Gustavo da Silva. Gilberto Freyre e Florestan Fernandes: o debate em torno da democracia racial no Brasil. Revista Historiador. n. 6, ano 6, p. 82 – 92. Janeiro de 2004.

KELLNER, Douglas. A cultura da mídia. Estudos culturais: identidade e política entre o moderno e o pós-moderno. Tradução: Ivone Castilho Benedetti. Bauru, SP: EDUSC, 2001.

NAWA, Tarisson. (José Tarisson Costa da Silva). Estereótipos e a folclorização do indígena no imaginário brasileiro. Revista Jornalismo e Cidadania, Recife, v° 13, p. 10-11, Jul. 2017

RAMINELLI, Ronald. Imagens da colonização: a representação do índio de Caminha a Vieira. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar,1996.

ROCHA, Everardo P. Guimarães. O que é etnocentrismo. Disponível em: <http://www.febac.edu.br/site/images/biblioteca/livros/O%20que%20e%20Etnocentrismo%20-%20Everardo%20P%20Guimaraes%20Rocha.pdf> Acesso: 27 ago 2018.

TAYLOR, Diana. O arquivo e o repertório: performance e memória cultural nas Américas. Tradução: Eliana Lourenço de Lima Reis. Belo Horizonte, MG: Editora UFMG, 2013.

Publicado
2018-12-05
Como Citar
Costa da Silva, J. T., Araújo da Silva, J., & de Oliveira Martins, M. C. (2018). TAINÁ: A REENCENAÇÃO DE ESTEREÓTIPOS NA NARRATIVA DO DESCOBRIMENTO. TROPOS: COMUNICAÇÃO, SOCIEDADE E CULTURA (ISSN: 2358-212X), 7(2). Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/tropos/article/view/2081
Seção
Artigos