IXO ORGÂNICO: O REAPROVEITAMENTO DE RESÍDUOS ALIMENTÍCIOS E OS BENEFÍCIOS DA COMPOSTAGEM PARA O MEIO AMBIENTE

  • Antonio Henrique de Castro Magalhes
Palavras-chave: Lixo orgânico, compostagem, desperdícios e meio ambiente

Resumo

O desperdício de alimentos gera resíduos alimentícios, o lixo orgânico pode causar grande impacto na sociedade e ao meio ambiente compondo-se de sobras de alimentos, como cascas, polpas, cartilagens, folhas, talos dentre outros, é necessário amenizar estes impactos ao ecossistema podendo ser aplicado dois métodos alternativos como o de compostagem, e aplicação de receitas nutritivas que é de grande benefício a população e ambiência. Dessa forma, esse trabalho tem como objetivo discutir alternativas para reduzir o lixo orgânico através do aproveitamento da fração dos resíduos alimentícios para produção de compostagem e a elaboração de novos produtos.

Referências

I. Baraúna, D. (2009). Sistema de gestão ambiental (SGA): uma aplicação na produção de papel reciclado artesanal com adição de diferentes frações mássicas de fibras de bananeira (Dissertação de mestrado). Universidade da Região de Joinville, Joinville.

II. Bedante, G. N. (2004). A influência da consciência ambiental e das atitudes em relação ao consumo sustentável na intenção de compra de produtos ecologicamente embalados (Dissertação de mestrado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

III. BRASIL, Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução de Diretoria Colegiada - RDC n. 272, de 22 de setembro de 2005. Dispõe sobre o Regulamento Técnico para Produtos de Vegetais, Produtos de Frutas e Cogumelos Comestíveis. BRASIL, Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Portaria n. 216, de 15 de setembro de 2004. Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação.

IV. BRASIL, Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução Diretoria Colegiada - RDC n. 275, de 21 de outubro de 2002. Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aos estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos e a Lista de Verificação das Boas Práticas de Fabricação em Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos.

V. Brasil. Ministério do Meio Ambiente. Agenda ambiental na administração pública. Brasília. disponível em: http://www.mma.gov.br/responsabilidadesocioambiental/a3p/item/8852 73. Acessado em 05 de agosto 2017.

VI. Brito, G. F., Agrawal, P., Araújo, E. M., & Mélo, T. J. A. (2011). Biopolímeros, polímeros biodegradáveis e polímeros verdes. Revista Eletrônica de Materiais e Processos, 6(2), 127-139. disponível em: http://cct.ufcg.edu. br/revista/index.php/REMAP/article/vie wFile/222/204 Acessado em 02 de agosto 2017.

VII. Compostagem Doméstica, Comunitária e Institucional de Resíduos Orgânicos, Ministério do Meio Ambiente. Manual de orientação. Brasília, 2017. Disponível em: http://www.mma.gov.br/images/arquivo/80058/Compostagem-ManualOrientacao_MMA_2017-06-20.pdf Acesso em: 11 de agosto. 2017.

VIII. FAO - Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura. Corporate Document Repository. Crop Prospects and Food Situation – Nº. 4, 2008. Disponível em: http://www.fao.org/home/en/ . Acesso em: 2 agosto. 2017.

IX. FUCKNER, M; ZAWADZKI, J; CASAGRANDE, A. Importância de cascas, talos e folhas na alimentação. Curitiba: EMATER, 1996

X. FUCKNER, M; ZAWADZKI, J; CASAGRANDE, A. Importância de cascas, talos e folhas na alimentação. Curitiba: EMATER, 1996

XI. GARDNER, W. H. Acidulants in food processing. In: Handbook of Food Additives. 2. ed., Thomas E. Furia, CRC Press, 1972.

XII. HOUAISS. Dicionário eletrônico. 2007

XIII. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2010). Indicadores de desenvolvimento sustentável. Brasília.

XIV. Instituto Sócio-Ambeintal dos Plásticos – PLASTIVIDA. (2010). Monitoramento dos Índices de Reciclagem Mecânica de Plástico no Brasil (IRmP). São Paulo

XV. LERIPIO, A. A. Gerenciamento de resíduos. Disponível em: http://www.eps.ufsc.br/~lgqa/Coferecidos.html Acesso em: 10 agosto. 2017.

XVI. Lixo Um grave problema no mundo moderno disponível em: http://www.mma.gov.br/estruturas/secex_consumo/_arquivos/8%20-%20mcs_lixo.pdf Acesso em: 9 de agosto de 2017.

XVII. Mali, S., Grossmann, M. V. E., & Yamashita, F. (2010). Filmes de amido: produção, propriedades e potencial de utilização. Semina: Ciências Agrárias, 31(1), 137-156. http://dx.doi. org/10.5433/1679-0359.2010v31n1p137

XVIII. MONTEIRO FILHO. J. Reaproveitamento de sobras e rejeitos ainda é pouco valorizado.Disponível em: https://www.sescsp.org.br/sesc/revistasesc/bp/arti Acesso em: 05 agosto 2017.

XIX. REIGOTA, M. O que é educação ambiental. São Paulo: Brasiliense, 2006.

XX. SACCOL, A. L. de F.; HECKTHEUER, L. H.; RICHARDS, N. S.; STRANGARLIN, L. Lista de avaliação para boas práticas em serviços de alimentação RDC 216. São Paulo: Ed. Varela, 2006. 56p

XXI. SILVA, M. B. de; RAMOS, A. M. Composição química, textura e aceitação sensorial de doces em massa elaborados com polpa de banana e banana integral. Revista Ceres, Viçosa, v. 56, n.5, p. 551-554, 2009.

Publicado
2017-12-18
Seção
MEIO AMBIENTE