Gêneros textuais digitais e as atividades de linguagens em sala de aula

Palavras-chave: Gêneros digitais. Texto. Ensino.

Resumo

Concepções de texto e ensino de linguagem à luz dos estudos em Linguística evocam discussões e contribuições para a prática docente. Neste artigo, objetiva-se discutir contribuições das definições de textos e gêneros para as atividades de linguagem. Orienta-se pela seguinte questão norteadora: de que maneira se pode abordar aspectos de linguagem contemplando gêneros digitais? Defende-se a hipótese de que os gêneros digitais refletem diferentes linguagens e dinamizam o ensino. Desenvolveu-se uma pesquisa bibliográfica revisitando os postulados de Beaugrande (2002), Marcuschi (2008; 2010), Koch (2013) e Prieto (2016). Realizou-se uma investigação de natureza qualitativa analisando um corpus composto por exemplares de gêneros digitais. Destaca-se a abordagem curricular dos PCN, Brasil (1998) e da BNCC, Brasil (2018). Dessa forma, a pesquisa evidenciou que a imersão dos gêneros digitais no ensino fornece dinamismo e recursividade para desenvolver as competências e habilidades preconizadas pela BNCC.

Referências

ANTUNES, Irandé. Aula de português: encontro e interação. São Paulo: Parábola, -2003.

BRASIL, Ministério da Educação, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Língua Portuguesa. Brasília, 1998.

BRASIL. Secretaria de Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular – BNCC. Secretaria de Educação Básica. Brasília, MEC/SEB, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wpcontent/uploads/2018/04/BNCC_19mar2018_versaofinal.pdf. Acesso em: março de 2020.

BEZERRA, Benedito Gomes. Gêneros no contexto Brasileiro: questões [meta]teóricas e conceituais. 1. ed. São Paulo: Parábola Editorial, 2017.

BEAUGRANDE, Robert de. Lingüística textual: para novas margens? Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais – FAPEMIG. Tradutor: Hans Peter Wieser. Universidade Estadual do Ceará. Disponível em:

<http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/relin/article/viewFile/2331/2280>. Acesso: em maio de 2020.

KOCH, Ingedore Villaça. A coesão textual. 22. ed. 2° reimpressão. – São Paulo: Contexto, 2013.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Produção textual, análise de gênero e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Gêneros textuais emergentes no contexto da tecnologia digital. In: MARCUSCHI, L. A. & XAVIER A. C. Hipertexto e gêneros digitais: novas formas de construção de sentido. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

PRIETO, Sandra. A importância dos gêneros digitais nas escolas. Sistema Cibernética e Informática. Volume 13 – Número 03. 2016.

Publicado
2020-12-07
Como Citar
Rocha, E. L. e S. S. da. (2020). Gêneros textuais digitais e as atividades de linguagens em sala de aula. Muiraquitã: Revista De Letras E Humanidades, 8(2). https://doi.org/10.29327/210932.8.2-19