EDUCAÇÃO PATRIMONIAL E PATRIMÔNIOS NAS CIDADES DE SANTA LUZIA E RIBEIRÃO DAS NEVES EM MINAS GERAIS: PROPOSTAS EM BUSCA DE IDENTIDADES

  • Glauber Eduardo Ribeiro Cruz Docente do Estado de Minas Gerais
  • Rosangela Barboza Docente do Estado de Minas Gerais

Resumo

O texto apresenta a relação entre as cidades de Santa Luzia e Ribeirão das Neves com suas sociedades. Participando da região metropolitana de Belo Horizonte, os municípios durante longo período foram denominados de cidades-dormitórios, local onde os trabalhadores apenas repousariam a noite e pela manhã sairiam para trabalhar. Em meio as particularidades de cada uma, Santa Luzia é considerada uma cidade histórica, participante da Estrada Real e mantém a rua Direita como foco do patrimônio histórico edificado. Ribeirão das Neves, cidade mais jovem, tem seu patrimônio omitido pelo poder público e estigmatizado pela própria sociedade. A reflexão proposta visa apontar formas de participação social na definição de patrimônios que, em seu âmbito local, busca interagir e envolver a sociedade dos municípios analisados, especificamente com os/as alunos/alunas das escolas municipais e estaduais. Faz-se necessário o desenvolvimento de políticas patrimoniais junto aos jovens e adolescentes para que estes sejam capazes de apropriarem-se de memórias e de histórias e, assim, possa tornarem-se importantes aliados no processo de patrimonialização, conservação e preservação do bens culturais. A educação em patrimônios e as memórias locais são critérios necessários na construção da cidadania, sobretudo em sociedades que vivenciam a discriminação e o preconceito territorial cotidianamente.

Biografia do Autor

Glauber Eduardo Ribeiro Cruz, Docente do Estado de Minas Gerais

Especialista em História e Cultura no Brasil Contemporâneo pela Universidade Federal de Juiz de Fora

Publicado
2019-12-23
Seção
ARTIGO