MAPEAMENTO DA JUVENTUDE NEGRA NA CIDADE DE RIO BRANCO/ACRE

  • Rita de Cássia Gomes Lopes Bolsista do Grupo PET Geografia da UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE
  • José Alves Tutor do Grupo PET Geografia-UFAC Docente do Curso de Licenciatura e Bacharelado em Geografia da Universidade Federal do Acre https://orcid.org/0000-0002-5464-8940

Resumo

Este resumo, tem como objetivo principal, relatar as experiências de campo obtidas através das entrevistas realizadas, durante a execução do projeto de Mapeamento da Juventude Negra de Rio branco, nos meses de (Outubro, novembro e dezembro) de 2018, e que ainda se mantém vinculada como pesquisa no Grupo PET Geografia. O método utilizado para a realização desta pesquisa, fundamenta-se através dana revisão bibliográfica, elaboração e aplicação de questionário socioeconômico-cultural, debates e orientações com o tutor. Sobre os principais resultados obtidos, entrevistou-se durante o campo,300 (trezentos) grupos de jovens, onde 47% se declaram como pretos e 63% pardos. Vindo de renda familiar de um a três salários mínimos, com escolaridade Ensino Médio incompleto residindo nas principais periferias da cidade. Há um relatos de consumo de drogas, 85% de jovens já tiveram envolvimento com tráfico de drogas e bebidas alcoólicas, casos de racismos, preconceito e descriminação racial sentidos pelos os mesmos jovens entrevistados, com quase todos os grupos que responderam ao questionário. Portanto, 78% disseram já haver sofrido violência policial, 89% dos jovens estavam desempregados, que se ocupam, sobretudo com as próprias atividades de grupo (Esporte/cultura/dança). Autodeclaram-se pertencentes a grupos vulneráveis, tendo como base a falta de acesso a lazer, cultura e por residirem em bairros periféricos. Ao se avaliar o sistema público de saúde, 90% afirmou a insatisfação com os atendimentos e infraestrutura do SUS; 85% de jovens já tiveram envolvimento com tráfico de drogas. Ao entrevistar um dos jovens, o mesmo relatou já ter passado pelo sistema penitenciário, assim como seu pai, pelo Art. 157. Por fim, a pesquisa tem proporcionado uma grande oportunidade de vivenciar e ter contato com a realidade dessa juventude.  Mostrando sobretudo, como a ausência de políticas públicas de juventude e a omissão do estado geram a marginalização deste.

Publicado
2019-11-02
Como Citar
Rita de Cássia Gomes Lopes, & José Alves. (2019). MAPEAMENTO DA JUVENTUDE NEGRA NA CIDADE DE RIO BRANCO/ACRE. ARIGÓ - Revista Do Grupo PET E Acadêmicos De Geografia Da Ufac, 2(1), 6. Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/arigoufac/article/view/3034