POLÍTICAS PÚBLICAS DE EDUCAÇÃO NO CÁRCERE

EDUCAR PARA E PELOS DIREITOS HUMANOS

  • Valdemir José Debastiani Unc
  • JOANA SILVIA MATTIA DEBASTIANI UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO
Palavras-chave: direito à educação, direitos humanos, políticas públicas

Resumo

O artigo examina a implementação de políticas públicas que visam o acesso ao direito à educação no cárcere. O problema da pesquisa é: as políticas públicas de educação no cárcere são precondição de cidadania? A análise dos dados do levantamento nacional de informações penitenciárias (INFOPEN), reflete o acesso precário da população do direito à educação e os baixos índices do envolvimento da população em situação de cárcere nas atividades educacionais proporcionadas. Assim, através do método de abordagem dedutivo e do procedimento de pesquisa bibliográfico, propõem-se que a educação no ambiente carcerário possua transversalidade para e pelos direitos humanos.

Biografia do Autor

JOANA SILVIA MATTIA DEBASTIANI , UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO

Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Direito da Universidade de Passo Fundo - UPF, Linha de Pesquisa Relações sociais e dimensões do poder (2018) em dupla titulação com o programa de Tecnologías y políticas públicas sobre la gestión ambiental na Universidad de Alicante, Espanha. (2019). Bolsista Prosup- CAPES. Integrante do grupo de pesquisas Dimensões do Poder, Gênero e Diversidade. Bolsista voluntária no Programa de Extensão universitária PROJUR Mulher e Diversidade - UPF. E-mail joanamattia@gmail.com 

Referências

[1] SHIROMA, E.O.; MORAES, M.C.M.; EVANGELISTA, O. Política educacional. 4ª. ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2007.
[2] DIAS, R.; MATOS, F. Políticas públicas: princípios, propósitos e processos. São Paulo: Editora Atlas, 2013.
[3] SCHIMIDT, J.P. Para entender as políticas públicas: aspectos conceituais e metodológicos. In: LEAL, R.G; REIS, J.R (Org.). Direitos sociais e políticas públicas: desafios contemporâneos. Tomo 8, Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2008.
[4] SCHIMIDT, J.P. Gestão de políticas públicas: elementos de um modelo pós-burocrático e pós-gerencialista. In: LEAL, R.G; REIS, J.R. (Org.). Direitos sociais e políticas públicas: desafios contemporâneos. Tomo 7, Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2007.
[5] AZEVEDO, J.M.L. A educação como política pública: polêmicas do nosso tempo. Campinas: Autores Associados, 1997.
[6] BRASIL. Ministério da Saúde. Política e Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. Brasília: Ministério da Saúde, 2016. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_programa_nacional_plantas_medicinais_fitoterapicos.pdf. Acesso em: 15 dez. 2019.
[7] TAVEIRA, A.V.A. Serviço público no sistema constitucional nacional. In. TAVEIRA, A.V.A. (Org.). Direitos humanos: mecanismos de efetividade. Francisco Beltrão: Unioeste, 2012.
[8] SCHIMIDT, J.P. Para estudar políticas públicas: aspectos conceituais, metodológicos e abordagens teóricas. Revista do Direito. Santa Cruz do Sul, v. 3, n. 56, p. 119-149, set./dez. 2018. Disponível em: https://online.unisc.br/seer/index.php/direito/article/view/12688/7826. Acesso em: 26 dez. 2019.
[9] BORGES, J. Paradigma do punitivismo coloca o Brasil em terceiro lugar no ranking mundial do encarceramento. [Entrevista cedida a] Ricardo Machado. IHU. São Leopoldo. 06 fev. 2018. Disponível em: http://www.ihu.unisinos.br/159-noticias/entrevistas/575856-paradigma-do-punitivismo-coloca-o-brasil-em-terceiro-lugar-no-ranking-mundial-do-encarceramento-entrevista-especial-com-juliana-borges. Acesso em: 18 dez 2019.
[10] BRASIL. Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias, atualização junho de 2017: INFOPEN. Brasília: Ministério da Justiça e Segurança Pública. Departamento Penitenciário Nacional, 2019. Disponível em: http://depen.gov.br/DEPEN/depen/sisdepen/infopen/relatorios-sinteticos/infopen-jun-2017-rev-12072019-0721.pdf. Acesso em: 10 dez. 2019.
[11] PIERRE CLAUDE, R. Direito à educação e educação para os direitos humanos. Sur - Revista internacional de direitos humanos, vol. 2, nº 2, São Paulo, 2005. Disponível em:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-64452005000100003. Acesso em: 13 dez. 2019.
[12] BRASIL. Lei Nº 7.210, de 11 de julho de 1984. Institui a lei de execução Penal. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L7210.htm. Acesso em: 26 dez. 2019.
[13] BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Presidência da República (2019). Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm. Acesso em: 03 dez. 2019.
[14] GORCZEVSKI, C.; MARTÍN, N.B. Educar para os direitos humanos: considerações, obstáculos, propostas. São Paulo: Atlas, 2015.
[15] SEN, Amartya. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.
[16] SÁNCHEZ RUBIO, D. Derechos humanos instituyentes, pensamento crítico y práxis de liberación. Ciudad de México: Akal, 2018.
[17] BATISTA, V.M. Difíceis ganhos fáceis: drogas e juventude pobre no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Editora Renavan: Instituto Carioca de Criminologia, 2003.
[18] BARATTA, A. Criminologia crítica e crítica do direito penal: introdução à sociologia do direito penal. 6ª ed. Rio de Janeiro: Editora Renavan: Instituto Carioca de Criminologia, 2011.
[19] ZAFFARONI, E.R. Em busca das penas perdidas: a perda da legitimidade do sistema pena. 5ª ed. Rio de Janeiro: Revan, 2001.
[20] JUNQUEIRA, R.D. Políticas públicas de educação: entre o direito à educação e a ofensiva antigênero. RIBEIRO, P. et al. Corpo gênero e sexualidade: resistência e ocupa(ações) nos espaços de educação. Rio Grande: Ed. da FURG, 2018.
[21] DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. Assembleia Geral das Nações Unidas em Paris, 10 dez. 1948. Disponível em: https://nacoesunidas.org/wp-content/uploads/2018/10/DUDH.pdf. Acesso em: 26 dez. 2019.
[22] REGRAS MÍNIMAS PARA O TRATAMENTO DE PRISIONEIROS. Assembleia Geral das Nações Unidas em Genebra. 1955. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/atividade-legislativa/comissoes/comissoes-permanentes/cdhm/comite-brasileiro-de-direitos-humanos-e-politica-externa/RegMinTratRec.html. Acesso em: 11 dez. 2019.
[23] LEWANDOWSKI, E.R. Apresentação. In: Regras de Mandela. Conselho Nacional de Justiça. 1ª ed. Brasília, 2016. Disponível em: http://www.cnj.jus.br/files/conteudo/arquivo/2016/05/39ae8bd2085fdbc4a1b02fa6e3944ba2.pdf. Acesso em: 03 dez. 2019.
[24] UNESCO. Educando para a liberdade: trajetória, debates e proposições de um projeto para a educação nas prisões brasileiras. – Brasília: UNESCO, Governo Japonês, Ministério da Educação, Ministério da Justiça, 2006.
[25] BRASIL. LDB Lei Nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm. Acesso em: 11 dez. 2019.
[26] ONOFRE, E.M.C. Educação escolar para jovens e adultos em situação de privação de liberdade. Cad. Cedes. Campinas, v. 35, n. 96, p. 239-255, maio-ago., 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ccedes/v35n96/1678-7110-ccedes-35-96-00239.pdf. Acesso em: 14 dez. 2018.
[27] PINTO, J.M.R. O financiamento da educação no governo Lula. RBPAE. v.25, n. 2, p. 323-340, maio/ago. 2009. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/rbpae/article/view/19500/11324. Acesso em: 20 dez. 2019.
[28] GORCZEVSKI, C. Los desafíos de una educación para los derechos humanos. Obstáculos, consideraciones y propuestas. Revista de Derechos Humanos y Estudios Sociales, v. 4, p. 147-162, 2010. Disponível em: http://www.derecho.uaslp.mx/Documents/Revista%20REDHES/N%C3%BAmero%204/Redhes4-07.pdf. Acesso em: 26 dez. 2019.
[29] MÉSZAROS, I. A educação para além do capital. 2ª ed. São Paulo: Boitempo, 2008.
[30] GOFFMAN, E. Manicômios, prisões e conventos. São Paulo: Editora Perspectiva, 1974.
[31] GADOTTI, M. História das ideias pedagógicas. 8. ed. São Paulo: Ática, 1999.
[32] SANCHES RUBIO, S. Fazendo e desfazendo direitos humanos. Santa Cruz do Sul: Edunisc, 2010.
[33] PÉREZ LUNO, A.E. Prólogo. In. GORCZEVSKI, C.; MARTÍN, N.B. Educar para os direitos humanos: considerações, obstáculos, propostas. São Paulo: Atlas, 2015.
Publicado
2020-06-04
Como Citar
Debastiani, V. J., & MATTIA DEBASTIANI , J. S. (2020). POLÍTICAS PÚBLICAS DE EDUCAÇÃO NO CÁRCERE: EDUCAR PARA E PELOS DIREITOS HUMANOS. South American Journal of Basic Education, Technical and Technological , 7(1), 442-457. Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/SAJEBTT/article/view/3226
Seção
Artigos Originais Ciências Humanas