ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA E MICROBIOLÓGICA DO LIXIVIADO DO ATERRO SANITÁRIO DE RIO BRANCO-AC

  • Marcelo Morais Universidade Federal do Acre
  • Drumond Morais 2. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia
  • Cydia Menezes Furtado 3. Unidade de Tecnologia de Alimentos, Universidade Federal do Acre (UFAC), Acre, Brasil;
  • Rui Santana de Menezes 3. Unidade de Tecnologia de Alimentos, Universidade Federal do Acre (UFAC), Acre, Brasil
  • Francisco Silva Rebouças 3. Unidade de Tecnologia de Alimentos, Universidade Federal do Acre (UFAC), Acre, Brasil
  • Osmar Silva Torres 3. Unidade de Tecnologia de Alimentos, Universidade Federal do Acre (UFAC), Acre, Brasil;
  • Clarice Maia Carvalho 4. Centro de Ciências Biológicas e da Natureza, Universidade Federal do Acre (UFAC), Acre, Brasil
  • Heloisa Pimpão Chaves 5. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas, Universidade Federal do Acre (UFAC), Acre, Brasil
Palavras-chave: Resíduos sólidos. Efluente. Lagoas de estabilização.

Resumo

Os aterros sanitários são uma alternativa viável para a destinação de resíduos sólidos, no entanto, não são capazes de sanar todos os problemas relacionados à disposição destes resíduos. Este trabalho avaliou as características físico-químicas e microbiológicas do lixiviado do aterro sanitário de Rio Branco-AC, tratado por lagoas de estabilização. Foram feitas duas coletas (jul/2018 e nov/2018). Os pontos de coleta foram na saída de cada unidade do sistema de tratamento. Os parâmetros analisados foram Demanda Bioquímica de Oxigênio (DBO), nitrogênio amoniacal, cloretos, sulfatos, fósforo, Oxigênio Dissolvido (OD), pH, óleos e graxas e coliformes termotolerantes. Comparou-se os resultados com a Resolução CONAMA No. 430/2011. A maioria dos parâmetros estavam fora dos padrões, e apenas os valores de pH e óleos e graxas se enquadraram. Foram observadas diferenças entre os períodos de estiagem e chuvoso. O lixiviado não é tratado de maneira adequada no aterro sanitário de Rio Branco.

Referências

[1] ELIS, V. R.; ZUQUETTE, L. V. Caracterização geofísica de áreas utilizadas para disposição de resíduos sólidos urbanos. Revista Brasileira de Geociências, v. 32, n. 1, p. 119-134, 2017.

[2] ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EMPRESAS DE LIMPEZA PÚBLICA E RESÍDUOS ESPECIAIS. Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil. 2014. Disponível em: http://www.abrelpe.org.br/Panorama/panorama2014.pdf, [acesso em 15 nov. 2018].

[3] KAWAHIGASHI, F. et al. Pós-tratamento de lixiviado de aterro sanitário com carvão ativado. Engenharia Sanitária e Ambiental, v. 19, n. 3, p. 235-244, 2014.

[4] LI, H-S. et al. Advanced treatment of landfill leachate by a new combination process in a full-scale plant. Journal of Hazardous Materials, v. 172, n. 2, p. 408-415, 2009.

[5] KATTEL, E.; TRAPIDO, M.; DULOVA, N. Treatment of landfill leachate by continuously reused ferricoxyhydroxide sludge-activated hydrogen peroxide. Chemical Engineering Journal, v. 304, n. 2, p. 646-654,2016.

[6] ZHAI, Y. et al. Simultaneous total organic carbon and humic acid removals for landfill leachate usingsubcritical water catalytic oxidation based on response surface methodology. Water, Air, and Soil Pollution, v. 227, n. 8, p. 273-286, 2016.

[7] MANNARINO, C.F. et al. Avaliação de impactos do efluente do tratamento combinado de lixiviado de aterro de resíduos sólidos urbanos e esgoto doméstico sobre a biota aquática. Ciência & Saúde Coletiva, v. 18, n. 11, p. 3235- 3243, 2013.

[8] CONDE, T. T.; STACHIW, R.; FERREIRA, E. Aterro sanitário como alternativa para a preservação ambiental. Revista Brasileira de Ciências da Amazônia/Brazilian Journal of Science of the Amazon, v. 3, n. 1, p. 69-80, 2014.

[9] BRASIL. Resolução n. º 357, de 17 de março de 2005. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências, do Conselho Nacional do Meio Ambiente-CONAMA. Diário Oficial da União, 2005.

[10] BRASIL. Resolução n. º 430, de 13 de maio de 2011. Dispõe sobre as condições e padrões de lançamento de efluentes, complementa e altera a Resolução n. º 357, de 17 de março de 2005, do Conselho Nacional do Meio Ambiente-CONAMA. Diário Oficial da União, 2011.

[11] GREGÓRIO, B. S et al. Avaliação de áreas para instalação de aterro sanitário no município de Barreiras, Bahia. Anais XVI Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Foz do Iguaçu, PR, Brasil, INPE, 2013.

[12] POVINELLI, J.; ALEM, P. S; Introdução. Estudos de Caracterização e Tratabilidade de Lixiviados de Aterros Sanitários para as Condições Brasileiras. In:
[13] PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO BRANCO. A melhor cidade em gestão de resíduos sólidos. Disponível em: http://riobranco.ac.gov.br/index.php/noticias/noticias-itens/ultimas-noticias/3338-a-melhor-cidade-em-gestao-de-residuos-solidos.html, [acesso em: 29 jul. 2019].

[14] PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO BRANCO. Elaboração de Estudo de Impacto Ambiental – EIA e Relatório de Impacto Ambiental – RIMA para construção de uma Unidade de Tratamento e Disposição Final de Resíduos Sólidos – UTRE, no município de Rio Branco no estado do Acre. Rio Branco, 2008.

[15] INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Mapa físico de Rio Branco, Acre, Brasil. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/geociencias/cartas-e-mapas/mapas-estaduais.html, [acesso em: 26 dez. 2019].

[16] UFAC. Grupo de Estudos e Serviços Ambientais AcreBioClima. Disponível em: http://www.acrebioclima.pro.br, [acesso em 25 set. 2018].

[17] ADAMS, V. D. Water and wastewater examination manual. Routledge, 2017. 264 p.

[18] CUNHA, L. N. B.; FERREIRA, A. P. Análise crítica por comparação entre modelos de qualidade de água aplicados em rios poluídos: contribuições à saúde, água e saneamento. Engenharia Sanitária e Ambiental, v. 24, n. 3, p. 473-480, 2019.

[19] NOGUEIRA, E. F. et al. Avaliação da relação DQO/nitrogênio amoniacal no processo de tratamento de lixiviado de aterro sanitário utilizando respirometria aeróbia e atividade da enzima desidrogenase. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL, 28, 2015. Rio de Janeiro, Anais ... Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental, 2015.

[20] HARTMANN, C. M. et al. Avaliação de Alternativas para Redução de Sulfeto de Hidrogênio na Corrente Líquida de Estação Anaeróbia de Tratamento de Esgoto. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL, 25, 2009. Recife, Anais ... Recife: Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental, 2009.

[21] LANGE, L.C.; AMARAL, M.C.S. Geração e Características do Lixiviado. Estudos de Caracterização e Tratabilidade de Lixiviados de Aterros Sanitários para as Condições Brasileiras. In: GOMES, L. P. Estudos de Caracterização e Tratabilidade de Lixiviados de Aterros Sanitários para as Condições Brasileiras. Rio de Janeiro: ABES, 2009. 362 p.

[22] COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO. Qualidade das águas interiores no estado de São Paulo 2017. Disponível em: https://cetesb.sp.gov.br/aguasinteriores/wpcontent/uploads/sites/12/2018/06/Relatório-de-Qualidade-das-Águas-Interiores-no-Estado-de-São-Paulo-2017.pdf, [acesso em: 29 jul. 2019].

[23] RIBEIRO, A. L. V. et al. Contribuição da macrófita aquática Eichhornia crassipes na remoção de nitrogênio amoniacal de efluentes sanitários. Gestão e Sustentabilidade Ambiental, v. 8, n. 3, p. 215-234, 2019.

[24] MORAVIA, W. G. et al. Caracterização sazonal de lixiviado de aterro sanitário com ênfase em parâmetros coletivos específicos e não específicos. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL, 26, 2011, Porto Alegre. Anais...Porto Alegre: FIERGS, 2011. P. 19.

[25] CORDERO, M. F. E. et al. Avaliação do desempenho de lagoas de estabilização em escala real no estado de minas gerai. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL, 28, 2015. Rio de Janeiro, Anais ... Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental, 2015.

[26] D'ALESSANDRO, E. B. et al. Influência da sazonalidade em lagoas de estabilização. Ingeniería del agua, v. 19, n. 4, p. 193-209, 2015.

[27] LINS, E. et al. Monitoramento de lagoas de estabilização no tratamento de chorume - Aterro da Muribeca. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL, 23, 2005. Campo Grande, Anais... Campo grande: Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental, 2005.
Publicado
2020-06-08
Como Citar
Morais, M., Nascimento Morais, C. D., Menezes Furtado, C., Santana de Menezes, R., Silva Rebouças, F., Silva Torres, O., Maia Carvalho, C., & Pimpão Chaves, H. (2020). ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA E MICROBIOLÓGICA DO LIXIVIADO DO ATERRO SANITÁRIO DE RIO BRANCO-AC. South American Journal of Basic Education, Technical and Technological , 7(1), 282-292. Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/SAJEBTT/article/view/3221
Seção
Artigos Originais Ciências Biológicas