SÍNDROME DE BURNOUT NOS CURSOS DE LETRAS DE UMA INSTITUIÇÃO PÚBLICA FEDERAL DA AMAZÔNIA OCIDENTAL

  • Kleyton Góes Passos Universidade Federal do Acre.
  • Maria Eduarda Marques da Silva Acadêmica Universidade Federal do Acre
  • Gercilene Silva de Jesus Universidade Federal do Acre
  • Gerson Scherrer Júnior Universidade Federal de São Paulo
  • Odete Teresinha Portela Universidade Federal de São Paulo
  • Angélica Gonçalves Silva Belasco Universidade Federal de São Paulo
Palavras-chave: Burnout; Esgotamento profissionalEstresse; Docentes.

Resumo

Diversos estudos mostraram que a grande maioria da equipe acadêmica tenta equilibrar diferentes tarefas relacionadas a assuntos de ensino, pesquisa e extensão. A Síndrome de Burnout (SB) é conhecida como o desgaste gerado na atividade ocupacional e está diretamente ligado ao ambiente de trabalho. Objetivo: analisar se há presença ou não da SB em docentes dos cursos de Licenciatura em Letras – Inglês, Português e Espanhol, da Universidade Federal do Acre (UFAC) Campus Floresta, na cidade de Cruzeiro do Sul - Acre. Material e método: O cálculo amostral levou em consideração o levantamento de todos os professores que atuam no nos cursos de Letras - Inglês, Letras – Português e Letras Espanhol, da UFAC, Campus Floresta. Para tanto, o tamanho da amostra foi estimado na totalidade de 19 (n = 19) professores. Para a coleta dos dados foi utilizado o questionário Maslach Burnout Inventory (MBI). Resultado e Discussão: em relação à amostra estudada, observamos que as dimensões da síndrome assumiram características diferentes, sendo que, apresentou valores de média altos para BRP, medianos para EE e baixos para DE. Descartando assim, um possível desenvolvimento de Burnout nesta população. Conclusão: Os dados levantados nesse estudo podem fornecer melhor compreensão dos fatores motivadores dos estressores e ampliar a discussão sobre melhorias e medidas preventivas no que diz respeito às doenças ocupacionais.

Biografia do Autor

Kleyton Góes Passos, Universidade Federal do Acre.

Doutorando em Ciências - UNIFESP; Mestre em Políticas Públicas e Desenvolvimento Local; Especialista em Saúde Coletiva com Ênfase na ESF e Enfermagem do Trabalho; Bacharel em Enfermagem. Professor do Centro Multidisciplinar no Campus Floresta da Universidade Federal do Acre - UFAC; atualmente membro do Conselho Universitário da UFAC e do Núcleo Docente Estruturante do Curso Bacharelado em Enfermagem. Experiência em gestão administrativa na função de Secretário Municipal de Saúde; Direção Geral do Instituto Técnico Educacional do Acre e Coordenação de Curso Superior em Enfermagem.

Maria Eduarda Marques da Silva Acadêmica, Universidade Federal do Acre

Graduanda do curso de bacharelado em enfermagem, Universidade Federal do Acre – Campus floresta (UFAC – Campus floresta).

Gercilene Silva de Jesus, Universidade Federal do Acre

Graduanda do curso de bacharelado em enfermagem, Universidade Federal do Acre – Campus floresta (UFAC – Campus floresta).

Gerson Scherrer Júnior, Universidade Federal de São Paulo

Enfermeiro, Doutorando em Ciências, Escola Paulista de Enfermagem, Universidade Federal de São Paulo (EPE/UNIFESP).

Odete Teresinha Portela, Universidade Federal de São Paulo

Enfermeira, Doutora em Ciências, Escola Paulista de Enfermagem, Universidade Federal de São Paulo (EPE/UNIFESP).

Angélica Gonçalves Silva Belasco, Universidade Federal de São Paulo

Enfermeira, Pós Doutora em Ciências, Escola Paulista de Enfermagem, Universidade Federal de São Paulo (EPE/UNIFESP).

Referências

1. Davoglio TR, Spagnolo C, Santos BS dos. Motivação para a permanência na profissão: a percepção dos docentes universitários. Psicol Esc E Educ. agosto de 2017;21(2):175–82.
2. Helker K, Wosnitza M, Mansfield C, Eugster B. “I don’t have time to do any of the things I am responsible for” – University Teachers’ Sense of Responsibility for Teaching. Int J Teach Learn High Educ. 2018;30(2):207–22.
3. Oliveira A da SD, Pereira M de S, Lima LM de. Trabalho, produtivismo e adoecimento dos docentes nas universidades públicas brasileiras. Psicol Esc E Educ. dezembro de 2017;21(3):609–19.
4. Claumann GS, Maccari FE, Ribovski M, Pinto A de A, Felden ÉPG, Pelegrini A. Qualidade vida em acadêmicos ingressantes em cursos de Educação Física. J Phys Educ. 2017;28(1):1–11.
5. Anschau C, Stein DJ. Stress e qualidade de vida: um olhar sobre o professor. Saberes E Sabores Educ. 2016;(3):180–93.
6. Barbosa MLL, Quaresma da Silva DR, Oliveira-Menegotto LM de O, Lopes RS. Estresse ocupacional em docentes do ensino fundamental de uma escola no sul do Brasil: Uma análise a partir de uma perspectiva de gênero. Arq Analíticos Políticas Educ. 19 de junho de 2017;25(63):1–24.
7. Prado CEP do. Estresse ocupacional: causas e consequências. Rev Bras Med Trab. 2016;14(3):285–9.
8. Dias FS, Angélico AP. Síndrome de Burnout em trabalhadores do setor bancário: uma revisão de literatura. Temas Em Psicol. 2018;26(1):15–30.
9. Araújo VA, Freire JM, Oliveira MVM de. Síndrome de Burnout em professores das escolas públicas do município de Buenópolis, MG. Rev Atenção À Saúde. 2017;15(52):5–10.
10. Dalcin L, Carlotto MS. Síndrome de Burnout em professores no Brasil: considerações para uma agenda de pesquisa. Psicol Em Rev. 2017;23(2):745–70.
11. Dalcin L, Carlotto MS. Avaliação de efeito de uma intervenção para a Síndrome de Burnout em professores. Psicol Esc E Educ. 2018;22(1):141–50.
12. Raupp FM, Beuren I maria. Metodologia da Pesquisa Aplicável às Ciências Sociais. Atlas. 2006;(3):74–97.
13. Lima CF de, Oliveira JA de, Silva ÉS da, Emérito A de P. Avaliação Psicométrica do Maslach Burnout Inventory em profissionais da Enfermagem. II Encontro Gest Pessoas E Relações Trab. 2009;1–11.
14. Fascina LP, Hidaka KS, Guimarães CPA, Resende F, Mekler PL. Avaliação do Nível da Síndrome de Burnout Na Equipe De Enfermagem Da UTI-Adulto. XXXIII Encontro ANPAD. 2009;1–13.
15. Ferreira JB, Da Silva KR, Silva de Morais KC, Souza AS, De Almeida CP. SÍNDROME DE BURNOUT EM DOCENTES DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR. Rev Pesqui Em Fisioter. 29 de maio de 2017;7(2):233.
16. Prado RL do, Bastianini ME, Zanelato Cavalleri M, Fogaça Rosa Ribeiro S, Gava Pizi EC, Avansini Marsicano J. Avaliação da síndrome de Burnout em professores universitários. Rev ABENO. 15 de setembro de 2017;17(3):21–9.
17. Nascimento DF de L, Cunha DR da, Mota EFC, Vasconcelos ES. Identificação preliminar da Síndrome de Burnout em professores do IF Goiano Campus Urutaí – GO. ENCICLOPÉDIA Biosf. 2012;8(15):2089–98.
Publicado
2020-01-22
Como Citar
Passos, K. G., Acadêmica, M. E. M. da S., Gercilene Silva de Jesus, Gerson Scherrer Júnior, Odete Teresinha Portela, & Angélica Gonçalves Silva Belasco. (2020). SÍNDROME DE BURNOUT NOS CURSOS DE LETRAS DE UMA INSTITUIÇÃO PÚBLICA FEDERAL DA AMAZÔNIA OCIDENTAL. South American Journal of Basic Education, Technical and Technological , 6(2), 414-424. Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/SAJEBTT/article/view/2958
Seção
Artigos Originais Ciências da Saúde