Caracterização e adequação energético-proteica da nutrição enteral em pacientes em uma unidade de terapia intensiva

Nutrição enteral no paciente crítico

  • IRLA MAIARA SILVA MEDEIROS PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM TERAPIA INTENSIVA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE
  • CELSO GUSTAVO RITTER PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM TERAPIA INTENSIVA DA UFAC
  • GUILHERME HENRIQUE CASPARY RIBEIRO FILHO SESACRE
  • PATRICIA REZENDE DO PRADO UFAC
Palavras-chave: UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA, TERAPIA NUTRICIONAL, NUTRIÇÃO ENTERAL, CUIDADOS INTENSIVOS

Resumo

Pacientes críticos estão expostos a um maior risco de desnutrição e a terapia nutricional enteral age como parte fundamental do processo terapêutico, atuando na prevenção da deterioração do estado nutricional. Este trabalho teve como objetivo caracterizar a terapia nutricional enteral em pacientes críticos verificando a adequação entre volume e aporte calórico-proteico prescrito versus recebido. Estudo transversal, realizado de janeiro a novembro de 2017, com pacientes internados em uma unidade de terapia intensiva (UTI), por meio de formulário previamente elaborado.  As análises foram realizadas no programa SPSS versão 17.0 e as variáveis avaliadas por meio de frequência absoluta e relativa. Dos 72 pacientes, 61,1% eram do sexo masculino e 52,8% tinham idade igual ou superior a 60 anos. A média de internação foi de 16 dias e de acordo com o Apache II, 52,8% apresentavam risco de mortalidade >40%, sendo que 51,4% foram a óbito. A principal causa de internação foi a presença de doenças neurológicas (27,9%) seguida pelas doenças cardiorrespiratórias (20,6%). O principal motivo para uso da nutrição enteral foi a presença do tubo orotraqueal (50,0%) e o principal método de administração foi o sistema aberto (66,7%), via sonda nasoenteral (65,7%). Foi verificada a prevalência de 89,1% de adequação da nutrição enteral prescrita e infundida.  A terapia nutricional instituída na referida UTI atende às recomendações preconizadas no que se refere às metas estabelecidas de percentual médio de volumes, calorias e proteínas favorecendo um cuidado nutricional adequado aos pacientes.

PALAVRAS CHAVE: Unidades de Terapia Intensiva; Terapia Nutricional; Nutrição Enteral; Cuidados Intensivos

Referências

1. LINS, N.F. et al. Adequação da terapia nutricional enteral em pacientes críticos de um centro de referência em Pernambuco. Revista Brasileira de Nutrição Clínica, Pernambuco, v.1, n.30, p. 76-81, 2015
2. TEIXEIRA, A.C.C.; CARUSO, L.; SORIANO, F.G. Terapia Nutricional Enteral em Unidade de Terapia Intensiva: Infusão Versus Necessidades. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, São Paulo, v.4, n. 18, p. 331 – 337, 2006.
3. FRENANDES, A.C.; BEZERRA, O.M.P. Terapia nutricional na doença pulmonar obstrutiva crônica e suas complicações nutricionais. Jornal Brasileiro de Pneumologia. São Paulo, v. 5, n. 32, p. 461 – 471, 2006.
4. PEREIRA, D.J.; WADY, M.T.B.; VELARDE, L.G.C. Adequação energética e proteica de pacientes em terapia nutricional enteral internados em uma Unidade de Terapia Intensiva. Jornal BRASPEN. Rio de Janeiro, v. 3, n. 31, p. 219-225, 2016.
5. PAZ, L.S.C.; COUTO, A.V. Avaliação nutricional em pacientes críticos: revisão de literatura. Jornal BRASPEN. Brasília, v. 3, n. 31, p. 269-277, 2016.
6. TOLEDO, D.; CASTRO, M. Falência Nutricional na Unidade de Terapia Intensiva: a Desnutrição do Paciente Grave. Terapia Nutricional em UTI. 1. ed. Rio de Janeiro: Rubio, 2015. p. 3-7
7. STEFANELO, M.D.; POOL, F.A. Nutritional status and enteral diet prescribed and received by patients of an intensive care unit. ABCS Health Sci. v.2, n. 39, p. 71-76, 2014.
8. RIBEIRO, P.C; SOUZA, I.A.O. Complicações Relacionadas à Nutrição Enteral. Nutrição. Série medicina de Urgência e Terapia Intensiva do Hospital Sírio Libanês. São Paulo: Atheneu, 2015. p. 119-35
9. ROSA, T.C.A. Indicadores de Qualidade da Terapia Nutricional Enteral em Unidade de Terapia Intensiva. Campo Grande: Universidade Federal de Mato Grosso do Sul – UFMS; 2014.
10. SANDOVAL, L.C.N.; CHAUD, D.M.A. Adequação da terapia nutricional enteral em pacientes críticos: uma revisão. Série Ciências da saúde. Santa Maria, v. 3, n. 17, p. 450-472, 2016.
11. CHUMLEA, W.C. et al. Stature prediction for elderly non-hispanic White, non-hispanic black and mexican-american persons developed from NHANES III. J Am Diet Assoc. v. 2, n 98, p. 137 -143, 1998.
12. CENICCOLA, G.D.; BARBOSA, H.A. Ferramentas tradicionais de avaliação nutricional adaptadas à unidade de terapia intensiva. Terapia nutricional na UTI. São Paulo: Rubio 2015; 17-22
13. VANNUCHI, H.; MARCHINI JS. Nutrição e Metabolismo – Nutrição Clínica. Ed Guanabara, 1° edição, 2007.
14. DUARTE, ACG. Ferramentas tradicionais de avaliação nutricional, adaptadas à unidade de terapia intensiva. Avaliação Nutricional: Aspectos clínicos e laboratoriais. São Paulo: Atheneu 2015.
15. MCCLAVE, A.S. et al. Guidelines for the provision and assessment of nutrition support in the adult critically ill patient: Society of critical care medicine (SCCM) and american society for parenteral and enteral nutrition (ASPEN). Journal Parenter Enteral Nutr. ASPEN, v.2, n. 40, p. 159-211, 2016. doi.org/10.1177/0148607109335234
16. KREYMANN, K.C. et al. ESPEN Guidelines on enteral nutrition: intensive care. Rev. Clin Nutr. ESPEN, v. 28, p. 387 – 400, 2009,
17. ROUSSEAU, A.F. et al. ESPEN endorsed recommendations: Nutritional therapy in major burns. Rev. Clin Nutr. ESPEN, v. 32, p. 497- 502, 2013.
18. Journal of Parenteral and Enteral Nutrition Volume 35 Number 1 January 2011 16-24. American Society for Parenteral and Enteral Nutrition and Society of Critical Care Medicine: Guidelines for Nutrition Screening, Assessment, and Intervention in Adults Patient: Society of Critical Care Medicine (SCCM) and American Society for Parenteral and Enteral Nutrition (A.S.P.E.N.)
19. OLIVEIRA, T. Avaliação do balanço energético de pacientes críticos em uso de nutrição enteral. In: Especialização em Nutrição com ênfase ao paciente crítico, Grupo hospitalar Conceição. Porto Alegre, 2014.
20. OLIVEIRA, O.A. et al. Epidemiologia da infecção hospitalar em unidade de terapia intensiva. Revista Pan Infectologia, v. 2, n. 11. P. 32-37, 2009.
21. FAVARIN, S.S.; CAMPONOGARA, S. Perfil dos pacientes internados na unidade de terapia intensiva adulto de um hospital universitário. Revista de enfermagem, v. 2, n, 2, p. 320-329, 2012.
22. MUNÕZ, K.F.F. et al. Nutrologia e nutrição em unidade de terapia intensiva: sinergia em busca de excelência . International Journal of Nutrology, Porto Alegre, v. 1, n.9, p. 109-117, 2016.
23. BRASIL. Ministério da Saúde. Morbidade Hospitalar do SUS por Local de Internação. Brasília, DF, 2003. Disponível em: http://tabanet.datasus. gov.br>. Acesso em: 10/01/2018.
24. ROCHA, M.B.S.; JORGE, A.M.V. Caracterização, adequação energética, proteica e progressão da dieta enteral em adultos hospitalizados. Revista Brasileira Nutrição Clínica. Fortaleza, v.1, n.30, p.30-35, 2011.
25. SANTANA, MMA et al. Inadequate energy and protein and associate factors in critically ill patients. Revista de Nutrição. Campinas, v. 5, n. 29, p. 645-645, 2016.
26. PONTES, D.P. et al. Estado nutricional e inflamação sistêmica em pacientes com doença renal crônica em hemodiálise. Revista Brasileira Nutrição Clínica. João Pessoa, v. 4, n. 29, p. 347-351, 2014.
27. GUSMÃO, M.H.L. et al. Desnutrição, inflamação e outros fatores de risco para doença cardiovascular em pacientes sob diálise peritoneal. Revista de Nutrição. v. 3, n, 23, p. 335 – 345, 2010.
28. AMB; CFM. Projeto Diretrizes. São Paulo, v. IX, 2011.
29. PASINATO, V.F. et al. Enteral nutritional therapy in septic patients in the intensive care unit: compliance with nutritional guidelines for critically ill patients. Revista Brasileira de Terapia Intensiva. V. 1, n, 25, p. 17-24, 2013.
30. OLIVEIRA, N.S. et al. Impacto da adequação da oferta energética sobre a mortalidade em pacientes de UTI recebendo nutrição enteral. Revista Brasileira de Terapia Intensiva. v. 2, n. 23, p. 183, 189, 2011.
31. MARTINS, T.F. et al. Avaliação da terapia nutricional enteral em pacientes críticos de uma unidade de terapia intensiva. Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza, v. 2, n. 30, p. 255-263, 2017.
Publicado
2020-01-22
Como Citar
IRLA MAIARA SILVA MEDEIROS, CELSO GUSTAVO RITTER, GUILHERME HENRIQUE CASPARY RIBEIRO FILHO, & PATRICIA REZENDE DO PRADO. (2020). Caracterização e adequação energético-proteica da nutrição enteral em pacientes em uma unidade de terapia intensiva : Nutrição enteral no paciente crítico. South American Journal of Basic Education, Technical and Technological , 6(2), 381-395. Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/SAJEBTT/article/view/2910
Seção
Artigos Originais Ciências da Saúde