EDUCAÇÃO AGROECOLÓGICA: TRANSIÇÃO PARA UM NOVO MODELO DE PRODUÇÃO

  • Charlys roweder IFAC, Programa de Pós Graduação em Educação Profissional e Tecnologica - PROFEPT
  • Celle Cristianne M. Evangelista Belchior IFAC, mestrado em Educação profissional
  • Danielle Jacob Serra do N. Rezende IFAC, mestrado em Educação Profissional
  • Maria Cecília Pereira Ugalde

Resumo

O enfoque agroecológico caracteriza-se como uma alternativa que traz a perspectiva de sustentabilidade aos agroecossistemas, comenta-se o contexto sócio-histórico e aspectos ideológicos que balizaram a política da educação profissional, a ciência agroecológica sua reestruturação e planejamento face aos desafios colocados nos últimos anos, por um modelo de crescimento econômico em transição para um modelo de viés desenvolvimentista que trabalha com a ideia de várias dimensões e com a questão da preservação da biodiversidade e da interação de diversas plantas e animais. Essa interpretação contribuirá para o aumento da produtividade, para o reestabelecimento do equilíbrio dos agroecossistemas e para a transformação ambiental e social de uma forma que se sustente ao longo do tempo, tudo visto a partir de um modelo de educação profissional politécnica ativa. Assim, esse artigo tem por objetivo analisar o ensino profissional técnico de nível médio no Brasil a partir da perspectiva das políticas federais contemporâneas, diante da insustentabilidade socioambiental dos sistemas de produção agrícolas e do modo de vida na atualidade que trazem como uma inflexão importante a busca de um novo patamar da educação profissional. Para tanto, buscou-se aporte teórico em pesquisas bibliográficas realizadas na internet, utilizando Altieri (2000), Cavailhes (1981), Freire (1987), entre outros. A partir do estudo realizado, observou-se que a firme determinação do Estado na difusão das políticas de longo prazo, garantirá o êxito da passagem para políticas públicas educacionais concertadas em diferentes esferas governamentais e privadas, tendo em vista o projeto de desenvolvimento, que procura combinar competitividade e inclusão social profissionalizada e ativa.

Biografia do Autor

Charlys roweder, IFAC, Programa de Pós Graduação em Educação Profissional e Tecnologica - PROFEPT
Dr. em Biodiversidade e Biotecnologia, engenheiro Florestal, professor de educaçãp basica e tecnologica
Celle Cristianne M. Evangelista Belchior, IFAC, mestrado em Educação profissional
Estudante mestrado
Danielle Jacob Serra do N. Rezende, IFAC, mestrado em Educação Profissional
 Estudante mestrado
Maria Cecília Pereira Ugalde
Estudante mestrado

Referências

GOODLAND, R. Environmental sustainability in agriculture: Diet matters. Ecological Economics, v. 23. p. 189-200, 1997.

MARX, K. O capital. V. I, tomo 1. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

WERMELINGER, M; MACHADO, M. H; AMÂNCIO FILHO, A. Políticas de educação profissional: referências e perspectivas. Ensaio: Aval Pol Públ Educ, v. 15, n. 55, p. 207-222, 2007.

KUSIN, A. Karl Marx und Probleme der Technik. Leipzig: VEB Fachbuchverlag, 1969.

Winckler, C. R; Santagada, S. A educação profissional técnica de nível médio no Brasil: transição para um novo modelo? Indic Econ FEE, v. 39, n. 3, p. 97-110, 2012. Disponível em: https://revistas.fee.tche.br/index.php/indicadores/article/viewFile/2631/3062

WOLFF, L. A. Ecofarming im Spannungsfeld zwischen Technologie und Politik. (Dissertation) Universität Giessen, Saarbrücken, 1991.

GLIESSMAN, S. R. Agroecologia: processos ecológicos em agricultura sustentável. Porto Alegre: UFRGS, 2001.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 22. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

SZÉLL, G. Bildungsarbeit als Forschungsprozeß. Anmerkungen zur Übertragbarkeit der Freireschen Pädagogik. München: Hueber, 1984.

TISCHLER, K. Betriebliches Umwelmanegement als Lernprozess. Theorie und Praxis organisationsorientierter Umweltbildung als Beitrag zur Steigerung der Fortschrittsfähigkeit der Unternehmung. Frankfurt am Main, Berlin, Bern, New York, Paris, Wien: Peter Lang, 1998.

ALTIERI, M; NICHOLLS, C. I. Agroecología: Teoría y práctica para uma agricultura sustentable. Série Textos Básicos para la Formación Ambiental. 1ª Edición. México: PNUMA, 2000, p. 250.

CAPORAL, F. R; COSTABEBER, J. A. Agroecologia: alguns conceitos e princípios. 24 p. Brasília: MDA/SAF/DATER-IICA, 2004.

GLIESSMAN, S. R. Agroecologia: processos ecológicos em agricultura sustentável. Porto Alegre: UFRGS, 2000.

GLIESSMAN, S. R. A agricultura pode ser sustentável. EMATER/RS. Rio Grande do Sul, 2003. Entrevista concedida a Jornalista Ângela Filippi. Disponível em: <http://www.emater.tche.br/docs/agroeco/revista/n3/03-entrevista.htm.>, [acesso 21 de set 2018].

CAVAILHES, J. Les reponses marxistes à la question agraire. Histoire des idées et des faits. Paris: INRA/ENSSAA, 1981.

BAHR, H.D. Kritik der, politischen Technologie. Eine Auseinandersetzung mit Herbert Marcuse und Jürgen Habermas. Frankfurt, 1970.

Publicado
2020-01-06
Como Citar
roweder, C., Belchior, C. C. M. E., Rezende, D. J. S. do N., & Ugalde, M. C. P. (2020). EDUCAÇÃO AGROECOLÓGICA: TRANSIÇÃO PARA UM NOVO MODELO DE PRODUÇÃO. South American Journal of Basic Education, Technical and Technological , 6(2), 474-483. Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/SAJEBTT/article/view/2437
Seção
Artigos Originais Ciências Agrárias