UTILIZAÇÃO DE CASCA DE BANANA COMO TRATAMENTO FÍSICO-QUÍMICO DA ÁGUA DE UM POÇO TUBULAR LOCALIZADO NA ZONA URBANA DO MUNICÍPIO DE LAGOA SECA-PB

  • EDMILSON DANTAS DA SILVA FILHO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus de Campina Grande, Paraíba, Brasil.
  • ALDENI BARBOSA DA SILVA Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus de Esperança, Paraíba, Brasil.
  • FRANCISCO DE ASSIS DA SILVEIRA GONZAGA Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus de Campina Grande, Paraíba, Brasil.
  • WILIANE MARIA DE MENEZES SENA Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus de Campina Grande, Paraíba, Brasil.
  • NATÁLIA SOUTO DE ARAÚJO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus de Campina Grande, Paraíba, Brasil.
  • MARIA DA CONCEIÇÃO SILVA DE MELO CARACOL Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus de Campina Grande, Paraíba, Brasil.
  • MARCO TULLIO LIMA DUARTE Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus de Campina Grande, Paraíba, Brasil.

Resumo

Esse trabalho teve como objetivo investigar o uso da casca de banana seca e triturada como tratamento sustentável e de baixo custo, na análise físico-química da água do poço tubular localizado na zona urbana do município de Lagoa Seca-PB. As amostras de água foram coletadas em garrafa PET de 2 litros e encaminhadas até o Laboratório de Química (LQ) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), campus Campina Grande-PB. Para o tratamento da água, utilizou-se um filtro natural composto de cascalho, areia, telha em pedaço e carvão mineral, e o segundo filtro composto de casca de banana e sabugo de milho. Após a utilização do filtro de casca de banana ocorreu: redução no valor do pH de 7,3 para 6,0; redução da acidez carbônica na ordem de 28,6%; redução da alcalinidade média na ordem de 22,3%, tornando-se a água própria para o consumo humano, de acordo com as normas vigentes; redução da dureza total média de 140 para 80 mg/L de CaCO3; redução do cloreto de 278 mg/L para 190 mg/L (redução de 31,6%) deixando a água compatível com as normas da portaria de consolidação no 05/2017; aumento da cor aparente de 0 para 15 uH, porém, permanecendo de acordo com a portaria vigente; redução do cloro total de 0,05 mg/L para 0,01 mg/L; redução da condutividade elétrica da ordem de 39,6% (de 712 para 430 µS/cm); aumento dos sólidos totais dissolvidos a da porcentagem de cinzas, porém permanecendo dentro das normas.

Biografia do Autor

EDMILSON DANTAS DA SILVA FILHO, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus de Campina Grande, Paraíba, Brasil.

Professor de Química do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus de Campina Grande, Paraíba, Brasil.

ALDENI BARBOSA DA SILVA, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus de Esperança, Paraíba, Brasil.
Professor de Biologia do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus de Esperança, Paraíba, Brasil.
FRANCISCO DE ASSIS DA SILVEIRA GONZAGA, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus de Campina Grande, Paraíba, Brasil.

Professor de Geologia do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus de Campina Grande, Paraíba, Brasil.

WILIANE MARIA DE MENEZES SENA, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus de Campina Grande, Paraíba, Brasil.
Técnica em Mineração pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus de Campina Grande, Paraíba, Brasil.
NATÁLIA SOUTO DE ARAÚJO, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus de Campina Grande, Paraíba, Brasil.

Técnica em Mineração pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus de Campina Grande, Paraíba, Brasil.

MARIA DA CONCEIÇÃO SILVA DE MELO CARACOL, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus de Campina Grande, Paraíba, Brasil.

Técnica do Laboratório de Química pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus de Campina Grande, Paraíba, Brasil.

MARCO TULLIO LIMA DUARTE, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus de Campina Grande, Paraíba, Brasil.

Professor de Biologia do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus de Campina Grande, Paraíba, Brasil.

Referências

BRANCO, S. M. Ecossistêmica: uma abordagem integrada dos problemas do meio ambiente. São Paulo, Edgar Blücher, 1989.

BATALHA, B. H. L.; PARLATORE, A. C. Controle da qualidade da água para consumo humano: bases conceituais e operacionais. São Paulo, CETESB, 1993.

CUNHA, S. B.; GUERRA, A. J. T. A questão ambiental: diferentes abordagens. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

SANTOS, C. M. Uso de cascas de laranja como adsorvente de contaminantes no tratamento de água. Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Campus Sorocaba. Dissertação de Mestrado. 126f., 2015.

LUNARDI, J.; RABAIOLLI, J. A. Valorização e preservação dos recursos hídricos na busca pelo desenvolvimento rural sustentável. Revista OKARA: Geografia em debate, v.7, n.1, p. 44-62, 2013.

SILVA, K. M. D.; REZENDE, L. C. S. H.; SILVA, C. A.; BERGAMASCO, R.; GONÇALVES, D. S. Caracterização físico-química da fibra de coco verde para a adsorção de metais pesados em efluente de indústria de tintas. ENGEVISTA, v. 15, n. 1. p. 43-50, 2013.

COSTA, O. L.; KIONKA, D. C. O.; FALEIRO, D. C. C.; KOCH, M. R.; SCHWAMBACH, E.; BERTUZZI, I.; SEIBERT, A. L.; ETHUR, E. M.; OLIVEIRA, E. C. Análise da qualidade da água de quatro fontes naturais do Vale do Taquari/RS. Destaques acadêmicos, ano 3, n. 4, p. 27-33, 2011.

BRASIL. Portaria de consolidação de nº de 28 de setembro de 2017 do Ministério da Saúde. Dispõe sobre os procedimentos de controle e de vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade.

FREITAS, M. B; BRILHANTE, O. M; ALMEIDA, L. M. Importância da análise de água para a saúde pública em duas regiões do Estado do Rio de Janeiro: enfoque para coliformes fecais, nitrato e alumínio. Cad. Saúde Pública, vol.17, n.3, p. 651-660, 2001.

MOURA M. H. G.; BUENO, R. M.; MILANI, I. C; COLLARES, G. L. Análise das águas dos poços artesianos do campus CAVG-UFPEL. In: MOSTRA DE TRABALHOS DE TECNOLOGIA AMBIENTAL, 2, 2009, Pelotas. Anais...Pelotas: IFSUL, p.10-12, 2009.

BRANDÃO, L. H.; DOMINGOS, F. Fatores Ambientais para a Floração de Cianobactérias Tóxicas. Saúde & Ambiente em Revista, Duque de Caxias, v.1, n.2, p.40-50, 2006.

VIEIRA, A. P.; SANTANA, S. A. A.; BEZERRA, C. W. B.; SILVA, H. A. S.; CHAVES, J. A. P.; MELO, J. C. P.; SILVA FILHO, E. C.; AIROLDI, C. Epicarp and Mesocarpo of Babassu (Orbignya speciosa): Characterization and Application in Copper Phtalocyanine Dye removal. Brazilian Chemical Society, v. 22, n. 1, p.21-29, 2011.

MONTEIRO, R. A. Avaliação do potencial de adsorção U, Th, Pb, Zn, e Ni pelas fibras de coco verde. Dissertação de mestrado do Instituto de Pesquisa Energético e Nucleares (IPEN) Universidade de São Paulo. 86p., 2009.

UCHOA, P. K. S. O uso da fibra de coco para adsorção, separação e especiação de cromo III E VI. 47º Congresso Brasileiro de Química (CBQ). 2017. Disponível em http://www.abq.org.br/cbq/2007/trabalhos/4/4-223-460.htm. Acesso em 25/12/2018.

PEREIRA, S. F. P.; BITTENCOURT, J. A.; MIRANDA, R, G.; MARES, E. K. L.; SANTOS, D. C.; OLIVEIRA, G. R.; MACIEL, A. E. S. Fibra de coco como biossorvente na remoção da matéria orgânica de águas residuais. XIII International Conference on Engineering and Technology Education, Guimarães, Portugal, p. 392-396, 2014.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas. Cidades. 2018. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pb/lagoa-seca/panorama. Acesso: 26/12/2018.

CIDADE BRASIL. 2017. Município de Lagoa Seca. Disponível em: http://www.cidade-brasil.com.br/municipio-remigio.html. Acesso: 20/06/2017.

APHA. AMERICAN PUBLIC HEALTH ASSOCIATION. American Water Works Association, Water Pollution Control Federation – Standard methods for the examination of water and wastewater. New York, 20a Ed. 1268 p., 2005.

NERIS, T. S.; SILVA, S. S.; LOSS, R. A.; CARVALHO, J. W. P.; GUEDES, S. F. Avaliação físico-química da casca da banana (Musa spp.) in natura e desidratada em diferentes estádios de maturação. Ciências e Sustentabilidade – CeS, v. 4, n. 1, p. 5-21, 2018.

SILVA, N. C. R. Utilização da casca de banana como biossorvente para a adsorção de chumbo (II) em solução aquosa. Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Campo Mourão. Trabalho de Conclusão de Curso. 49 p., 2014.

MEDEIROS, M. A.; SILVA FILHO, E. D.; SÁTIRO, J. R.; BARROS, P. H. S.; GONZAGA, F. A. S.; FAUSTINO, S. N. Caracterização físico-química da água dos poços artesianos do distrito de galante, situado no município de Campina Grande-PB. VI Congresso de Pesquisa e Inovação Tecnológica da Rede Norte Nordeste de Educação Tecnológica, Salvador-BA, p.1-6, 2013.

SILVA FILHO, E. D.; BANDEIRA, P. L.; MENEZES, W. M. S.; SILVA, I. F. M. S.; GONZAGA, F. A. S. Estudo da qualidade físico-química da água do poço tubular pelo o uso de um filtro natural feito com casca de arroz. 6º Simpósio de Segurança Alimentar, p. 1-6, Gramado-RGS, 2018.

MORAIS P. B. Tratamento físico-químico de efluentes líquidos. Universidade de Campinas, 14p, 2008.

BRASIL. Manual de Controle da Qualidade da Água para Técnicos que Trabalham em ETAS. Ministério da Saúde, Fundação Nacional de Saúde. Brasília: Funasa, 112 p., 2014.

BANDEIRA, P. L.; SILVA FILHO, E. D.; MENEZES. W.M. S.; DANTAS, G. M.; DUARTE, M.T. L.; GOMES, V. C.; GONZAGA, F. A. S. Caracterização físico-química das águas de poços tubulares utilizadas para consumo na zona rural da cidade de Campina Grande-PB. XX Encontro Nacional e VI Congresso Latino Americano de Analistas de Alimentos. p. 1-6, 2017.

LIBÂNIO, M. Fundamentos de Qualidade e Tratamento de Água. 3. ed. Campinas: Editora Átomo, 494 p., 2010.

SILVA FILHO, E. D.; DANRAS, G. M.; BANDEIRA, P.L.; DUARTE, M. T. L.; GOMES, V. C.; GONZAGA, F. A. S.; MENSES, W. M. S. Caracterização físico-química das águas dos poços tubulares utilizados para consumo na zona rural da cidade de Campina Grande-PB. XX Encontro Nacional de Analista em Alimentos e VI Congresso Latino Americano de Analista de Alimentos, p. 1- 6, 2017.

ARAÚJO, G. F. R.; TONANI, K. A. A.; JULIÃO, F. C.; CARDOSO, O. O.; ALVES, R. I. S.; RAGAZZI, M. F.; SAMPAIO, C. F.; SEGURA-MUNOZ, S. I. Qualidade físico-química e microbiológica da água para o consumo humano e a relação com a saúde: estudo em uma comunidade rural no estado de São Paulo. O Mundo da Saúde, São Paulo: v. 35, n. 1, p. 98-104, 2011.

INSTITUTO ADOLFO LUTZ. Águas. 2008, p. 347-408. In: Métodos químicos e físicos para análises de alimentos. Edição IV. São Paulo: 1ª Edição Digital. SES – CCD – IAL. Secretaria de Estado da Saúde – Coordenadoria de Controle de Doenças. 1020 p. 2008.

DI BERNARDO, L. Métodos e técnicas de tratamento de água. v. I, Rio de Janeiro, Brasil, ABES, 496 p, 1993.

Publicado
2019-08-01
Como Citar
DA SILVA FILHO, E. D., DA SILVA, A. B., GONZAGA, F. D. A. D. S., SENA, W. M. D. M., DE ARAÚJO, N. S., CARACOL, M. D. C. S. D. M., & DUARTE, M. T. L. (2019). UTILIZAÇÃO DE CASCA DE BANANA COMO TRATAMENTO FÍSICO-QUÍMICO DA ÁGUA DE UM POÇO TUBULAR LOCALIZADO NA ZONA URBANA DO MUNICÍPIO DE LAGOA SECA-PB. South American Journal of Basic Education, Technical and Technological , 6(1). Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/SAJEBTT/article/view/2268
Seção
Artigos Originais Engenharias

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##