ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DE BEBEDOUROS NAS ESCOLAS PÚBLICAS DA CIDADE DE ESPERANÇA/PB

  • ALDENI BARBOSA DA SILVA Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus de Esperança, Paraíba, Brasil.
  • JOSIKLEIO DA COSTA SILVA Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus de Esperança, Paraíba, Brasil.
  • BIANCA FELICIANO DE MELO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus de Esperança, Paraíba, Brasil.
  • RODRIGO FÉLIX DO NASCIMENTO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus de Esperança, Paraíba, Brasil.
  • JONATAS DA SILVA DUARTE Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus de Esperança, Paraíba, Brasil.
  • EDMILSON DANTAS DA SILVA FILHO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus de Campina Grande, Paraíba, Brasil.

Resumo

Esse trabalho teve o objetivo de verificar a qualidade microbiológica da água dos bebedouros das escolas públicas da zona urbana do município de Esperança-PB. As amostras de água destinadas para as análises microbiológicas foram coletadas diretamente dos bebedouros em garrafas de vidro (500 ml) com boca larga, protegidas com papel laminado, previamente esterilizadas em autoclave a 121 oC, por 30 minutos, utilizando álcool 70% para a assepsia dos bebedouros anteriormente à realização da coleta, e foram encaminhadas para o Laboratório do Centro de Formação Profissional do Instituto Albano Franco de Tecnologia de Couro e de Calçado (CTCC) em Campina Grande/PB. Os parâmetros analisados e os métodos de análises foram: coliformes totais, coliformes termotolerantes, Escherichia coli e bactérias heterotróficas. Por motivos éticos, o nome das referidas escolas foram mantidos em sigilo, sendo as amostras coletadas nas mesmas, identificadas como amostras 1, 2, 3, 4 e 5. Observou-se que, entre as amostras analisadas, quatro delas (1, 2, 3 e 4) apresentaram quantidade de bactérias heterotróficas, totalmente fora dos limites estabelecidos pela portaria vigente (até 500 UFC mL-1). Em relação a coliformes totais, quatro amostras apresentaram resultados positivos, enquanto que em três amostras foram detectadas presença de coliformes termotolerantes. A presença da bactéria E. coli, considerada indicativo de contaminação fecal, foi evidenciada em apenas uma amostra. Conclui-se que todas as amostras estão em desacordo com as recomendações estipuladas pela Portaria do Ministério da Saúde de nº 5, de 28 de setembro de 2017, necessitando, portanto, de tratamento prévio antes de serem fornecidas para consumo humano.

Biografia do Autor

ALDENI BARBOSA DA SILVA, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus de Esperança, Paraíba, Brasil.
Professor de Biologia do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus de Esperança, Paraíba, Brasil.
JOSIKLEIO DA COSTA SILVA, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus de Esperança, Paraíba, Brasil.
Professor de Educação Física do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus de Esperança, Paraíba, Brasil.
BIANCA FELICIANO DE MELO, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus de Esperança, Paraíba, Brasil.
Estudante do curso Técnico Integrado em Informática do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus de Esperança, Paraíba, Brasil.
RODRIGO FÉLIX DO NASCIMENTO, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus de Esperança, Paraíba, Brasil.
Estudante do curso Técnico Integrado em Informática do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus de Esperança, Paraíba, Brasil.
JONATAS DA SILVA DUARTE, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus de Esperança, Paraíba, Brasil.
Técnico em Informática pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus de Esperança, Paraíba, Brasil.
EDMILSON DANTAS DA SILVA FILHO, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus de Campina Grande, Paraíba, Brasil.
Professor de Química do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus de Campina Grande, Paraíba, Brasil.

Referências

SILVA, A. B.; BRITO, J. M.; DUARTE, J. S.; ALMEIDA, O. E. L. Análise microbiológica da água utilizada para consumo nas escolas de Esperança, Paraíba. Revista Principia, n. 37, p. 11-17, 2017.

SILVA, A. B.; BRITO, J. M.; DUARTE, J. S.; BRAZ, A. S.; SILVA, R. A. Parâmetros Físico-químicos da água utilizada para consumo nas escolas municipais da zona urbana de Esperança/PB. Revista Brasileira de Gestão Ambiental, v. 11, n. 1, p. 36-41, 2017.

SHIKLOMANOV, I. A.; RODDA, J. C. World water resources at the beginning of the twenty-first century. Cambridge University, 2003.

PINTO-COELHO, R. M.; HAVENS, K. Gestão de Recursos Hídricos em Tempos de Crise. Porto Alegre: Artmed. 228 p. 2016.

CUNHA, H. F. A.; LIMA, D. C. I.; BRITO, P. N. F.; CUNHA, A. C.; SILVEIRA JÚNIOR, A. M.; BRITO, D. C. Qualidade Físico-química e microbiológica de água mineral e padrões da legislação. Revista Ambiente & Água - An Interdisciplinary Journal of Applied Science, v. 7, n. 3, p. 155-165, 2012.

FRANCO, B. D. G. M; LANDGRAF, M. Microbiologia dos alimentos. São Paulo: Atheneu, 2008.

TRINDADE, G. A.; SÁ-OLIVEIRA, J. C.; SILVA, E. S. Avaliação da qualidade da água em três escolas públicas da cidade de Macapá, Amapá. Biota Amazônia, v. 5, n. 1, p. 116-122, 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Vigilância e controle da qualidade da água para consumo humano. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde, 2006. 212p.

OLIVEIRA, E. M.; RIBEIRO, D. M.; CRONEMBERGER, M. G. O.; CARVALHO, W. F.; LIMA, M. D. P; SOUSA, K. R. F. Análises físico-químicas e microbiológicas da água de bebedouros em escolas públicas da cidade de Timon-MA. PUBVET, v. 12, n. 5, p. 1-6, 2018.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Cidades. 2018. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pb/esperanca/panorama. Acesso: 15/12/2018.

BRASIL. Portaria de consolidação de nº de 28 de setembro de 2017 do Ministério da Saúde. Dispõe sobre os procedimentos de controle e de vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade.

COMPANHIA DE TECNOLOGIA DE SANEAMETO AMBIENTAL DE SÃO PAULO (CETESB). 2006. Norma técnica L5 201, de janeiro de 2006. Contagem de bactérias heterotróficas: método de ensaio. São Paulo: CETESB. 14 p. 2006.

COMPANHIA DE TECNOLOGIA DE SANEAMETO AMBIENTAL DE SÃO PAULO (CETESB). 2018. Norma técnica L5 202, de janeiro de 2018. Coliformes totais, coliformes termotolerantes e Escherichia coli - Determinação pela técnica de tubos múltiplos. 5ª Edição. São Paulo: CETESB. 29 p. 2018.

BARTRAM J. et al. (Eds). Heterotrophic plate counts and drinking water safety: the significance of HPCs for water quality and human health. Londres: WHO: IWA, 2003. Expert Consensus. Expert meeting group. 2003.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. WHO guidelines for drinking water quality. Nottingham, 2003. Chapter 7. Draft. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2018.

BORTOLOTI, K. C. S.; MELLONI, R.; MARQUES, P. S.; CARVALHO, B. M. F.; ANDRADE, M. C. Qualidade microbiológica de águas naturais quanto ao perfil de resistência de bactérias heterotróficas a antimicrobianos. Eng. Sanit. Ambient. v.23 n.4, 2018.

BETTEGA, J. M. P. R.; MACHADO, M. R.; PRESIBELLA, M.; BANISKI, G.; BARBOSA, C. A. Métodos analíticos no controle microbiológico da água para consumo humano. Ciência e Agrotecnologia, v. 30, n. 5, p. 950-954, 2006.

SANTOS, J. A.; SILVA, J. X.; REZENDE, A. J. Avaliação Microbiológica de Coliformes Totais e Termotolerantes em Água e Bebedouros de Uma Escola Pública no Gama - Distrito Federal. Revisa, n. 1, p. 11-18, 2014.

SIQUEIRA, L. P.; SHINOHARA, N. K. S.; LIMA, R. M. T.; PAIVA, J. E.; FILHO, J. L. L.; CARVALHO, I. T. Avaliação microbiológica da água de consumo empregada em unidades de alimentação. Ciência & Saúde Coletiva, v. 15, n. 1, p. 63-66, 2010.

ALVES, S. G. S.; ATAIDE, C. D. G.; SILVA, J. X. Análise microbiológica de coliformes totais e termotolerantes em água de bebedouros de um parque público de Brasília, Distrito Federal. Rev. Cient. Sena Aires, v. 7, n. 1, p. 12-17, 2018.

SANTOS, J. A.; SILVA, J. X.; REZENDE, A. J. Avaliação Microbiológica de Coliformes Totais e Termotolerantes em Água e Bebedouros de Uma Escola Pública no Gama - Distrito Federal. Revisa, n. 1, p. 11-18, 2014.

DANTAS, A. K. D.; SOUZA. C.; FERREIRA, M. S.; ANRADE, M. A.; ANDRADE, D.; WATANABE, E. Qualidade microbiológica da água de bebedouros destinada ao consumo humano. Revista Biociências, UNITAU, Taubaté, v. 16, n. 2, p. 132-138, 2010.

ZULPO, D. L.; PERETTI, J.; ONO, L. M.; GARCIA, J. L. Avaliação microbiológica da água consumida nos bebedouros da universidade estadual do Centro-Oeste, Guarapuava, Paraná, Brasil. Semina: Ciências Agrárias, Londrina, v. 27, n. 1, p. 107-110, 2006.

PONGELUPPE, A.T.; OLIVEIRA, B.D.; SILVA, E.A.; AGUILEIRA, K.K.; ZITEI, V.; BASTOS, M.F. Avaliação de coliformes totais, fecais em bebedouros localizados em uma instituição de ensino de Guarulhos. Revista Saúde, v. 3, n. 2, p. 5-9, 2009.

SILVA, N.; JUNQUEIRA, V. C. A.; SILVEIRA, N. F. A.; TANIWAKI, M. H.; SANTOS, R. F. S.; GOMES, R. A. R. Manual de métodos de análise microbiológica de alimentos e água. São Paulo: Varela; 2010.

MARTINEZ, M. B.; TRABULSI, L. R. Enterobacteriaceae. In: TRABULSI, L. R.; ALTERTHUM, F. editores. Microbiologia. São Paulo: Atheneu; p. 271-279, 2008.

SOUZA, C. O.; MELO, T. R. B.; MELO, C. S. B.; MENEZES, E. M.; CARVALHO, A. C.; MONTEIRO, L. C. R. Escherichia coli enteropatogênica: uma categoria diarreiogênica versátil. Revista Pan-Amazônica de Saúde, v. 7, n. 2, p. 79-91, 2016.

SILVA, A. B.; BRITO, J. M.; DUARTE, J. S.; ALMEIDA, O. E. L. Análise microbiológica da água utilizada para consumo nas escolas de Esperança, Paraíba. Revista Principia, n. 37, p. 11-17, 2017.

SECO, B. M. S.; BURGOS, T. N.; PELAYO, J. S. Avaliação bacteriológica das águas de bebedouros do campus da Universidade Estadual de Londrina – PR. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde, Londrina, v. 33, n. 2, p. 193-200, 2012.

BARBOSA, D. A.; LAGE, M. M.; BADARÓ, A. C. L. Qualidade microbiológica da água dos bebedouros de um campus universitário de Ipatinga, Minas Gerais. Revista Digital de Nutrição, Ipatinga. v. 3, n. 5, p. 505-517, 2009.

Publicado
2019-08-01
Como Citar
DA SILVA, A. B., SILVA, J. D. C., DE MELO, B. F., DO NASCIMENTO, R. F., DUARTE, J. D. S., & FILHO, E. D. D. S. (2019). ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DE BEBEDOUROS NAS ESCOLAS PÚBLICAS DA CIDADE DE ESPERANÇA/PB. South American Journal of Basic Education, Technical and Technological , 6(1). Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/SAJEBTT/article/view/2261
Seção
Artigos Originais Ciências Biológicas

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##