CIRURGIAS SEGURAS: INSTRUMENTO DE ENFERMAGEM OBSTÉTRICA PERIOPERATÓRIA

  • Tamires Mota da Silva Sistema Assistencial à Saúde da Mulher e da Criança, Rio Branco, Acre, Brasil
  • Neuma de Souza Oliveira
  • Patricia Rezende do Prado Universidade Federal do Acre http://orcid.org/0000-0002-3563-6602

Resumo

Objetivo: Construir e validar o conteúdo de um instrumento de enfermagem obstétrica perioperatória para uma maternidade da cidade de Rio Branco Acre, Brasil, visando atender as exigências da Organização Mundial da Saúde e do Ministério da Saúde Brasileiro para a segurança cirúrgica. Método: Relato de experiência de construção e validação de um instrumento de enfermagem. A construção do instrumento fundamentou-se na teoria das Necessidades Humanas Básicas de Wanda Horta, no Manual de cirurgias seguras do Ministério da Saúde Brasileiro e na revisão bibliográfica sobre o tema. O instrumento foi validado por 21 profissionais do serviço e da academia, todos com experiência na área. Para validação de conteúdo do instrumento foram realizadas aulas expositivas para treinamento da equipe de enfermagem e médica. Resultados: O instrumento foi construído em duas folhas, constituído em sua maioria em perguntas em check – list, o que permite ao profissional um direcionamento na prestação de serviços a paciente cirúrgica obstétrica. O instrumento consta de seis partes, sendo: identificação do paciente, período pré-operatório mediato (setor de internação, enfermaria e pré-parto, parto e puerpério, período pré-operatório imediato, sala de observação do centro cirúrgico, período intraoperatória, sala de recuperação pós-anestésica e pós-operatório mediato (enfermaria). O instrumento foi analisado como satisfatório pelas avaliadoras por ser de fácil interpretação e preenchimento, foram acatadas sugestões para o instrumento assim como inseridos espações extras para a anotação de enfermagem. Conclusão: O instrumento foi construído e validado de forma satisfatória pelos avaliadores atendendo os itens para a segurança cirúrgica e para o binômio mãe-filho.

Biografia do Autor

Tamires Mota da Silva, Sistema Assistencial à Saúde da Mulher e da Criança, Rio Branco, Acre, Brasil
  1. Sistema Assistencial à Saúde da Mulher e da Criança, Rio Branco, Acre, Brasil
Neuma de Souza Oliveira
  1. Sistema Assistencial à Saúde da Mulher e da Criança, Rio Branco, Acre, Brasil
Patricia Rezende do Prado, Universidade Federal do Acre
Centro de Ciências da Saúde e do Desporto, Curso de Bacharelado en Enfermagem.

Referências

. BOECKMANN, L.M.M; RODRIGUES, M.C.S. Segurança Cirúrgica na Cesárea: Revisão Integrativa. Cogitare Enferm, v.20, n.4, p. 758-766, 2015.

. FLORES, P.L; GONZÁLEZ, G.J.P; TREJO, J.F; VEJA, G.L.; CABRERA, C.E.P; CAMPOS, A, et al. Risk factors in cesarean section. Ginecol Obstet Mex, v.76, n.7, 2008. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih. gov/pubmed/18798440.

. WILEY, J; SONS, I.N.C. Debo tener una cesárea? J Midwifery Womens Health, v.58, n. 4, 2013. Disponível em: http:// onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/jmwh.12048/epdf.

. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Uma análise da situação de saúde e a vigilância da saúde da mulher. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

. Organização Mundial da Saúde (OMS). Segundo desafio global para a segurança do paciente: Manual cirurgias seguras salvam vidas. Rio de Janeiro: Organização Pan-Americana da Saúde; Ministério da Saúde; Agência Nacional de Vigilância Sanitária, 2009.

. American College of Obstetricians and Gynecologists (ACOG). Patient safety checklist n.º 3: scheduling planned cesarean delivery. Gynecol Obstet, v. 118, n. 6, 2011.Disponível em: https://dx.doi.org/10.1097/ AOG.0b013e31823ed20d.

. WALKER, A.; RESHAMWALLA, S.; WILSON, I.H. Surgical safety checklists: do they improve outcomes? Br. J. Anaesth, v. 109, n.1, 2012. Disponível em: http://bja.oxfordjournals.org/ content/109/1/47.full.pdf+html.

. CASTELLANOS, B.E.P; JOUCLAS, V.M.G. Assistência de enfermagem perioperatória: num modelo conceitual. Rev Esc Enferm USP, v.24, n. 3, p .359-370, 1990.

. FONSECA, R.M; PENICHE, A.C.G. Enfermagem em centro cirúrgico: trinta anos após criação do Sistema de Assistência de Enfermagem Perioperatória. Acta Paul Enferm, v. 22, n.4, p. 428-33, 2009.

. SOBECC. Práticas recomendadas SOBECC/ Sociedade Brasileira de Centro Cirúrgico, Recuperação Anestésica e Centro de Material e Esterilização. 5ª Ed. São Paulo: SOBECC; 2009.

. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [homepage na internet]. Maternidade Bárbara Heliodora: Rio Branco, AC [Acesso: 20 jun 2017]. Disponível em: www. http://biblioteca.ibge.gov.br.

. Conselho Federal de Enfermagem. (COFEN). Resolução COFEN nº 358/2009, de 15 de outubro de 2009. Dispõe sobre a Sistematização da Assistência de Enfermagem e a Implantação do Processo de Enfermagem em ambientes públicos ou privados, em que ocorre o cuidado profissional de enfermagem, e dá outras providências. In: Conselho Federal de Enfermagem [legislação na internet]. Brasília 2209. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/resoluo-cofen-3582009_4384.html. Acesso em: 25/06/2017.

. MONTEIRO, E.L; MELO, C.L; AMARAL, T.L.M; PRADO, P.R. Cirurgias Seguras: elaboração de um instrumento de trabalho perioperatória. Rev SOBECC., v.19, n.2, p. 99-109, 2014.

. HORTA, W.A. Enfermagem: teoria das necessidades humanas básicas. Enf. Novas Dimens: São Paulo.1979.

. Conselho Federal de Enfermagem. (COFEN). Resolução COFEN nº 358/2009, de 15 de outubro de 2009. Dispõe sobre a Sistematização da Assistência de Enfermagem e a Implantação do Processo de Enfermagem em ambientes públicos ou privados, em que ocorre o cuidado profissional de enfermagem, e dá outras providências. In: Conselho Federal de Enfermagem [legislação na internet]. Brasília 2209. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/resoluo-cofen-3582009_4384.html. Acesso em: 25/06/2017.

. SARAGIOTTO, I.R.A; TRAMONTINI, C.C. Sistematização da assistência de enfermagem perioperatória- estratégias utilizadas por enfermeiros para sua aplicação. Cienc Cuid Saude, v.8, n.3, p. 366-371, 2009.

. CAMPOS, S.M.C.L. Sistemática da assistência da enfermagem perioperatória: percepção de enfermeiros assistenciais. Rev. SOBECC, v.5, n.4, p. 21-25, 2000.

. GUEDES, M.V.C; FÉLIX, V.C.S; SILVA, L.F. O trabalho no centro cirúrgico: representações sociais de enfermeiros. Nursing, v. 4, n. 37, p. 20-24, 2001.

. SANTOS, R.R; PICCOLI, M; CARVALHO, A.R.S. Diagnósticos de enfermagem emocionais identificados na visita pré-operatória em pacientes de cirurgia oncológica. Cogitare Enferm, v.12, n. 1, p. 52-61, 2007.

. North American Nursing Diagnosis Association. Diagnósticos de Enfermagem da NANDA: definições e classificação 2015-2017. Porto Alegre: Artmed, 2015.

. DAVIM, R.M.B; TORRES, G.V.; DANTAS, J.C., MELO, E.S.M; PAIVA, C.P; VIEIRA D, et al. Banho de chuveiro como estratégia não farmacológica no alívio da dor de parturientes. Rev eletrônica Enferm, v. 10, n.3, p. 600-609, 2008. Disponível em: http://www.fen.ufg.br/revista/v10/n3/v10n3a06.htm

. JORGETTO, G.V; NORONHA, R; ARAÚJO, I.E. Assistência de enfermagem a pacientes cirúrgicos: avaliação comparativa. Rev Eletr Enf, v.7, n.3, p. 273-277, 2005. Disponível em: http://www.fen.ufg.br/revista/revista7_3/original_03.htm.

Publicado
2019-08-01
Como Citar
da Silva, T. M., Oliveira, N. de S., & do Prado, P. R. (2019). CIRURGIAS SEGURAS: INSTRUMENTO DE ENFERMAGEM OBSTÉTRICA PERIOPERATÓRIA. South American Journal of Basic Education, Technical and Technological , 6(1). Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/SAJEBTT/article/view/2219