“I AM BALLROOM": TENSÕES, REITERAÇÕES E SUBVERSÕES NA PARTILHA DO SENSÍVEL DA CULTURA BALLROOM MIDIATIZADA

  • Thiago Henrique Ribeiro dos Santos ESPM
  • Pedro de Assis Pereira Scudeller ESPM-SP
Palavras-chave: partilha do sensível; cultura pop; cultura ballroom; complexidade

Resumo

Este artigo objetiva discutir as tensões políticas na partilha do sensível acionadas pela cultura ballroom, mais especificamente aquela midiatizada na cultura pop por produtos audiovisuais pós-massivos. Para cartografar tais entrelaçamentos entre ballroom, política do sensível e cultura pop, utiliza-se como corpus Legendary e My House, dois programas não ficcionais, com narrativas autorais e práticas de consumo pós-massivas. A discussão empírico-teórica tem três âmbitos de análise: a diversidade entre membros da cultura ballroom; as relações de sociabilidade intra, inter e extracomunidade; e as normatizações internas deste campo. Identifica-se que, nessa outra forma de organização do mundo sensível, há algumas tensões e contradições que evidenciam a complexidade do fenômeno ballroom. Ao mesmo tempo em que são subvertidas certas normas de raça, classe, gênero e sexualidade entre o perfil dos participantes da cena ballroom e da ordem compulsória sexo/gênero/desejo da matriz de inteligibilidade, outras inflexíveis categorizações identitárias são criadas. Já as houses, estruturas familiares não consanguíneas e organizadas por afetividades, têm sido atravessadas por lógicas de consumo que ordenam os vínculos afetivos com base em negociações estratégicas. Por fim, a despeito do acolhimento dessas sociabilidades, há também reiterações coercitivas de performatividade, operantes nas dinâmicas de disputa de poder internas ao campo.

Referências

AWHA, Dan. My House Star Alex Mugler On Dancing With Rihanna & The Need For Inclusiveness. In: Viva, 8 de julho de 2018. Disponível em:
https://www.viva.co.nz/article/fashion/alex-mugler-from-my-house-ballroom-scene/. Acesso em: 20 jun. 2020.

BAILEY, Marlon. Butch Queens Up in Pumps: Gender, Performance, and Ballroom Culture in Detroit. Michigan: The University Of Michigan Press, 2013.

BAUDRILLARD, Jean. A transparência do mal: Ensaio sobre os fenômenos extremos. 4. ed. Campinas: Papirus, 1998.

BOURDIEU, Pierre. Algumas Propriedades dos Campos in Questões de sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1983a.

BOURDIEU, Pierre. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: UNESP, 2004.

BOURDIEU, Pierre. A Distinção: crítica social do julgamento. Tradução: Daniela Kern e Guilherme J. F. Teixeira. São Paulo: Edusp; Porto Alegre: Zouk, 2017.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2019.

BUTLER, Judith. Undoing Gender. New York: Routledge, 2004

CASTRO-GÓMEZ, Santiago; GROSFOGUEL, Ramón. Prólogo. Giro decolonial, teoría crítica y pensamiento heterárquico. In: CASTRO-GÓMEZ, Santiago; GROSFOGUEL, Ramón (orgs.). El giro decolonial: reflexiones para una deversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores, 2007, p. 9-23.

DIÉGUEZ CABALLERO, Ileana. Cenários liminares: teatralidades, performances e política. Uberlândia: EDUFU, 2011.

GROSFOGUEL, Ramón. A estrutura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas: racismo/sexismo epistêmico e os quatro genocídios/espitemicídios do longo século XVI. Sociedade e Estado, v. 31, n. 1, jan/abr 2016. Disponível em:
http://www.scielo.br/pdf/se/v31n1/0102-6992-se-31-01-00025.pdf. Acesso em: 20 jun. 2020.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Produção de presença: o que o sentido não consegue transmitir. Rio de Janeiro: Contraponto, Ed. PUC-RIO, 2010.

LEITE JÚNIOR, Jorge. O que é um monstro? ComCiência – Revista Eletrônica de Jornalismo Científico. 2007. Disponível em:
. Acesso em: 20 jun 2020.

LEMOS, André. Ciber-cultura-remix. São Paulo, Itaú Cultural, ago. 2005.
Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2020.

MORIN, Edgar. Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre: Sulina, 2011.

PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virgínia; ESCÓSSIA, Liliana da (orgs.). Pistas do
método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2015.

RANCIÈRE, Jacques. O Desentendimento: Política e Filosofia. Tradução Angela Leite Lopes. São paulo: Editora 34, 1ª ed., 1996.

RANCIÈRE, Jacques. A Partilha do Sensível. Tradução de Monica Costa Netto. São Paulo: Editora 34, 2ª ed., 2009.

ROCHA, Rose de Melo; CAMINHA, Marina. Estéticas bastardas de subjetividades celebrizadas: sensualização, deboche e resistências no pop-funk de Lia Clark. Famecos, Porto Alegre, v. 26, n. 1, jan./abr. 2019, p. 1-19.

ROCHA, Rose de Melo; GHEIRART, Ozzie. “Esse close eu dei!”: a pop-lítica “orgunga” de Rico Dalasam. Eco-Pós, v. 19, n. 3, 2016, p. 161-179.

ROCHA, Rose de Melo; NEVES, Thiago Tavares das. “Deixa eu bagunçar você”: Liniker e atravessamentos do trans. In: Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 41., 2018, Joinville. Anais [...]. Joinville: 2018.

ROLNIK, Suely. Cartografia sentimental: transformações contemporâneas do desejo. Porto Alegre: Sulina; Editora da UFRGS, 2006.

SANTOS, Henrique Cintra. A transnacionalização da cultura dos ballrooms. 2018. 180 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

SOARES, Thiago. Abordagens teóricas para estudos sobre cultura pop. Logos, n. 41, 2014a, p. 1-14.

SOARES, Thiago. Lady Gaga não é Madonna (Embora a mídia queira que seja): notas sobre mitos geracionais, ídolos pós-modernos e monstruosidades. In: Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 33., 2010, Campina Grande. Anais [...]. Campina Grande: 2010.

SOARES, Thiago. Quero ficar no teu corpo feito tatuagem. In: Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 37., 2014b, Foz do Iguaçu. Anais [...]. Foz do Iguaçu: 2014.

VOIGT, André Fabiano. Nem moderno, nem pós-moderno: Jacques Rancière e os regimes de identificação das artes. In: Urdimento, v.2,n.23, dezembro 2014, p 63-82

WUNENBURG, Jean-Jacques. O imaginário. São Paulo: Edições Loyola, 2007
Publicado
2020-09-21
Como Citar
Santos, T. H. R. dos, & Scudeller, P. de A. P. (2020). “I AM BALLROOM": TENSÕES, REITERAÇÕES E SUBVERSÕES NA PARTILHA DO SENSÍVEL DA CULTURA BALLROOM MIDIATIZADA. TROPOS: COMUNICAÇÃO, SOCIEDADE E CULTURA (ISSN: 2358-212X), 9(2). Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/tropos/article/view/3997
Seção
Dossiê - Potências políticas do pop: gênero e ativismo na cultura pop