ARTICULAÇÕES DE GÊNERO E RAÇA NO CONTEXTO DA CULTURA POP: A EXPERIÊNCIA DE THELMA REGINA NO BBB20

Palavras-chave: Mídia. Gênero. Raça. Cultura pop. BBB20.

Resumo

A imbricação entre raça e gênero, sob uma perspectiva interseccional, engendra violências ainda mais intensas contra mulheres negras. Essas opressões não podem ser hierarquizadas, pois atuam de forma simultânea sobre esses corpos. A cultura pop, por sua vez, permeia as esferas sociais e contribui para o desenvolvimento das relações individuais, coletivas e da produção de sentido. O reality show Big Brother Brasil, exibido anualmente pela Rede Globo, é um exemplo desse espectro cultural que mobiliza audiências a partir da publicização de existências que performam cotidianidades. Neste artigo, propomos uma reflexão acerca da presença da mulher negra no BBB20, centrada na participação de Thelma Regina, tomando por caminho metodológico uma pesquisa bibliográfica sobre as variáveis raça e gênero, buscando compreender de que forma se relacionam como categorias de opressão interseccionais. A análise é fundamentada em Ribeiro (2018), Almeida (2018), Soares (2014), Sodré (2006), Saffioti (2004) e Crenshaw (2002), entre outras autoras e autores.

Biografia do Autor

Alice Oliveira de Andrade, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

Doutoranda e mestra pelo Programa de pós-Graduação em Estudos da Mídia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (PPgEM/UFRN). Bacharel em Comunicação Social – Jornalismo pela mesma instituição. Pesquisadora do grupo de pesquisa Pragmática da Comunicação e da Mídia (PRAGMA-CNPq).

Jadeanny Arruda Silva dos Santos, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Mestranda pelo Programa de pós-Graduação em Estudos da Mídia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (PPgEM/UFRN). Bacharel em Comunicação Social – Jornalismo pela mesma instituição. Pesquisadora do grupo de pesquisa Pragmática da Comunicação e da Mídia (PRAGMA-CNPq).

Maria do Socorro Furtado Veloso, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Docente do Departamento de Comunicação Social e do Programa de Pós-graduação em Estudos da Mídia da UFRN. Integrante dos grupos de pesquisa Pragma e Ecomsul (UFRN). Doutora em Ciências da Comunicação (ECA/USP).

Referências

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. O perigo de uma história única. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

ALMEIDA, Silvio. O que é racismo estrutural?. São Paulo: Pólen, 2019.

BEAUVOIR, Simone. O segundo sexo: fatos e mitos. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1980.

BILGE, Sirma. Théorisations féministes de l'intersectionnalité. Revista Diogène, v. 1, n. 225, p. 70-88, 2009. Disponível em: . Acesso em: 15 jun. 2020.

BUENO, Winnie. Imagens de controle: um conceito do pensamento de Patricia Hill Collins. Porto Alegre: Editora Zouk, 2020.

BUTLER, Judith. Corpos em aliança e a política das ruas: notas para uma teoria performativa da assembleia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

CASTELLS, Manuel. A galáxia da internet: reflexões sobre a internet, os negócios e a sociedade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 10, n. 1, 171-188, 2002. Disponível em: . Acesso em: 15 mai. 2020.

DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

DE PERRA, Hija. Interpretações imundas de como a Teoria Queer coloniza nosso contexto sudaca, pobre de aspirações e terceiro-mundista, perturbando com novas construções de gênero aos humanos encantados com a heteronorma. Revista Periódicus, v. 1, n. 2, p. 291-298, jan. 2014. Disponível em: . Acesso em: 08 jun. 2020.

GONZALEZ, Lélia. Racismo e sexismo na cultura brasileira. In: SILVA, L. A. et al. Movimentos sociais urbanos, minorias e outros estudos. Ciências Sociais Hoje, Brasília, ANPOCS n. 2, p. 223-244, 1983.

HOOKS, Bell. Teoria feminista. São Paulo: Perspectiva, 2019.

LEMOS, André. Mídias Locativas e territórios informacionais. Salvador, 2008. Disponível em: . Acesso em: 15 jun. 2020.

LIPOVETSKY. G; SERROY, J. A estetização do mundo: viver na era do capitalismo artista. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

MBEMBE, Achilli. Crítica da razão negra. Lisboa: Editora Antígona, 2014.
NASCIMENTO, Abdias. O quilombismo: documentos de uma militância pan-africanista. 3ed. São Paulo: Editora Perspectiva, 2019.

RIBEIRO, Djamila. Quem tem medo do feminismo negro?. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

SÁ, Simone Pereira; CARREIRO, Rodrigo e FERRARAZ, Rogério (org.). Cultura pop. Salvador: Edufba, 2015.

SAFFIOTI, Heleieth Iara Bongiovani. O poder do macho. São Paulo: Editora Moderna, 1987.

____________. Gênero, violência e patriarcado. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004.

SCHECHTER, Susan. Violência feminina e masculina: as visões e lutas do movimento de mulheres agredidas. South End Press, 1982.

SILVERSTONE, Roger. Por que estudar a mídia. São Paulo: Sage, 2002.

SILVERTONE, Roger. Let us return to the murmuring of everyday practices: a note on Michel de Certeau, television and everyday life. Revista Theory, Culture and Society, vol.6, p. 77-94, 1989. Disponível em: . Acesso em: 16 jun. 2020.

SOARES, Thiago. Abordagens teóricas para estudos sobre cultura pop. Logos, v. 2, n. 24, 2014. Disponível em: < https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/logos/article/view/14155>. Acesso em: 18 jun. 2020.

SODRÉ, Muniz. Antropológica do espelho: uma teoria da comunicação linear e em rede. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

__________. As estratégias sensíveis: afeto, mídia e política. Petrópolis: Mauad, 2006.

SOUZA, Jessé. A elite do atraso: da escravidão à Lava Jato. Rio de Janeiro: Leya, 2017.
Publicado
2020-09-21
Como Citar
Oliveira de Andrade, A., Arruda Silva dos Santos, J., & Furtado Veloso, M. do S. (2020). ARTICULAÇÕES DE GÊNERO E RAÇA NO CONTEXTO DA CULTURA POP: A EXPERIÊNCIA DE THELMA REGINA NO BBB20. TROPOS: COMUNICAÇÃO, SOCIEDADE E CULTURA (ISSN: 2358-212X), 9(2). Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/tropos/article/view/3970
Seção
Dossiê - Potências políticas do pop: gênero e ativismo na cultura pop