HERÓIS SEM CAPA, VILÕES SEM MÁSCARA: O DISCURSO DE ÓDIO REPRESENTADO NA SÉRIE SUPERGIRL

  • Júlia Cavalcanti Versiani dos Anjos UFRJ
Palavras-chave: Ódio, Séries de televisão, Cultura POP, Gênero

Resumo

A série de televisão Supergirl apresentou uma inovação em sua quarta temporada: o grande vilão que a heroína precisou enfrentar não foi um empresário do mal ou um extraterrestre com superpoderes, mas o ódio. A narrativa, portanto, pode ser percebida como um enunciado historicamente situado, que expõe receios contemporâneos. Com base nessa premissa, este artigo tem o objetivo de analisar como a produção trata a questão do discurso de ódio, por meio de uma análise do discurso de inspiração foucaultiana, que compreende enunciados como raridades. O exame do conteúdo foi associado a contribuições teóricas sobre o ódio e seu uso político, de modo a discutir se a série foi pautada por uma visão do senso comum sobre a questão, ou se conseguiu propor uma reflexão crítica sobre este tema. A investigação demonstrou que a narrativa forneceu uma representação crítica acerca da mobilização do ódio, na medida em que colabora para que o fenômeno seja entendido como um problema social e não meramente individual. No que tange a representação do grupo de difusores de ódio e, também, o tema do modo adequado de reação a estes ataques, contudo, a produção acabou por reforçar alguns estereótipos, como o apagamento da participação ativa feminina em grupos de ódio e a necessidade de que movimentos contra essa emoção se apresentem de maneira homogênea.

Referências

AHMED, Sara. The cultural politics of emotion. Edinburgh: Edinburgh University Press, 2014.

ANJOS, Júlia. Megeras (in)domadas: discurso de ódio antifeminista nas redes sociais. Rio de Janeiro, 2019. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Cultura). Escola de Comunicação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2019.

ARISTÓTELES. Retórica das paixões. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

BRUDHOLM, Thomas. Hatred as an attitude. Philosophical Papers, v. 39, n. 3, 2010. p. 289-313.

CHAUVAUD, Frédéric; GAUSSOT, Ludovic (Orgs.). La haine: histoire et actualité. Rennes: Presses Universitaires de Rennes, 2008

DAVIS, Angela. Women, race and class. New York: Vintage Books, 1983.

DOW, B. J. Hegemony, feminist criticism and the Mary Tyler Moore show. Critical Studies in Media Communication, v. 7, n. 3, p. 261-274, 1990

FOUCAULT, Michel. Arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

FRAGOSO, Suely; RECUERO, Raquel; AMARAL, Adriana. Métodos e técnicas de pesquisa para Internet. Porto Alegre: Sulina, 2016.

FREVERT, Ute. Emotions in History: lost and found. Budapest: Central European University Press, 2011.

GAY, Peter. O cultivo do ódio. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

HOOKS, bell. Killing rage: ending racism. Nova Iorque: Owl Books, 1995.

KOLNAI, Aurel. The standard modes of aversion: fear, disgust and hatred. Mind, v. 107, n. 427, p. 581-596, 1998.

LEPOUTRE, Maxime. Rage inside the machine: Defending the place of anger in democratic speech. Politics, Philosophy & Economics, v. 17, n. 4, p. 398 426, 2018.

LEWIS, Clara S.. Tough on hate? The cultural politics of hate crimes. New Brunswick: Rutgers University Press, 2014.

LORDE, Audre. Eye to Eye: Black Women, Hatred, and Anger: Where does the pain go when it goes away? In: LORDE, Audre. Sister outsider: essays and speeches. Berkeley: Crossing Press, 1984.

LORDE, Audre. The Uses of Anger. Women's Studies Quarterly, v. 25, n. ½., 1997. p. 278 285.

LUTZ, Catherine. Unnatural emotions: everyday sentiments on a Micronesian atoll and their challenge to western theory. Chicago: The University of Chicago Press, 1988.

MEDEIROS, Amanda. “Devemos implodir o que resta de seus castelos”: o Movimento Brasil Livre (MBL) e a mobilização política de emoções. Tese (Doutorado em Comunicação e Cultura). Escola de Comunicação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2020.

NUSSBAUM, Martha. Hiding from humanity: disgust, shame, and the law. Nova Jersey: Princeton University Press, 2004.

RENDALL, Jane. The origins of modern feminism: women in Britain, France and the United States 1780-1860. London: The Macmillan Press LTD, 1985.

SHOHAT, Ella; STAM, Robert. Unthinking Eurocentrism: multiculturalism and the media. New York: Routledge, 2014.

STANTON, Elizabeth Cady; ANTHONY, Susan B.; GAGE, Matilda Joslyn (Orgs.). History of Woman Suffrage, volume I. New York: Fowler & Wells, 1889.

STERNBERG, Robert J.; STERNBERG, Karin. The nature of hate. New York: Cambridge University Press, 2008.

SUNDÉN, Jenny; PAASONEN, Susanna. Shameless hags and tolerance whores: feminist resistance and the affective circuits of online hate. Feminist Media Studies, 2018.

SUPERGIRL, quarta temporada. Desenvolvida por Greg Berlanti, Andrew Kreisberg e Ali Adler. Netflix. 2018.

THORUP, Mikkel. Democratic Hatreds: The making of the hating enemy in liberal democracy. In: BRUDHOLM, Thomas; JOHANSEN, Birgitte Schepelern (Orgs.). Hate, politics, law: critical perspectives on combating hate. Oxford: Oxford University Press, 2018. p. 215 235
Publicado
2020-09-24
Como Citar
Cavalcanti Versiani dos Anjos, J. (2020). HERÓIS SEM CAPA, VILÕES SEM MÁSCARA: O DISCURSO DE ÓDIO REPRESENTADO NA SÉRIE SUPERGIRL. TROPOS: COMUNICAÇÃO, SOCIEDADE E CULTURA (ISSN: 2358-212X), 9(2). Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/tropos/article/view/3943
Seção
Dossiê - Potências políticas do pop: gênero e ativismo na cultura pop