ANITTA, #ELENÃO E AS COBRANÇAS POR REPRESENTATIVIDADE E COERÊNCIA

Palavras-chave: representatividade, celebridades, Anitta, #elenão.

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar como se deu a cobrança pública por posicionamento de Anitta durante a campanha #elenão. Nosso aporte teórico dialoga com os estudos sobre a emergência das celebridades e sua relação com a política, junto da discussão sobre representatividade. Desenvolvemos uma análise de conteúdo de 184 tweets publicados durante o período eleitoral de 2018. Entre nossos achados, verificamos um entrecruzamento de questões associadas ao gênero da cantora, sua trajetória como artista e demais posicionamentos morais para cobrar a publicização de seu apoio ou não ao candidato e/ou à hashtag.

Biografia do Autor

Denise Figueiredo Barros do Prado, UFOP

Professora do Curso de Jornalismo e do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Ouro Preto. É coordenadora do GIRO – Grupo de Pesquisa em Mídia e Interações Sociais (UFOP/CNPq). Atualmente, desenvolve Estágio de Pós-doutorado junto à Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com bolsa do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPq (CHAMADA CNPq nº 08/2019). E-mail: denise.prado@ufop.edu.br

Lívia Alessandra Campos Monteiro

Lívia é mestre em Comunicação pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Ouro Preto e é graduada em jornalismo pela mesma universidade. É integrante do GIRO - Grupo de Pesquisa em Mídia e Interações Sociais (CNPq/UFOP). Desenvolve pesquisas relacionadas a representações, práticas sociais, redes sociais, comunicação e cultura. Contato: liviaacm@gmail.com

Rayza Sarmento, UFV

Professora Adjunta da Universidade Federal de Viçosa. Doutora em Ciência Política pela Universidade Federal de Minas Gerais. Coordenadora do GCODES/CNPq - Grupo de Pesquisa em Gênero, Comunicação, Democracia e Sociedade.

Referências

ALMEIDA, Débora. Representação como processo: a relação Estado/sociedade na teoria política contemporânea. Rev. Sociol. Polit., v. 22, n. 50, jun. 2014, p. 175-199.
ARRUZZA, Cinzia. Feminismo para os 99%: um manifesto. SP: Boitempo, 2019.
CLICK, Melissa A.; LEE, Hyunji; HOLLADAY, Holly Willson. Making Monsters: Lady
Gaga, Fan Identification, and Social Media. Popular Music and Society, Londres, ed. 36, v.3, 2013, p. 360-379.
CONNELL, Raewyn; PEARSE, Rebecca. Gênero: uma perspectiva global. SP: nVersos, 2015.
BANET-WEISER, Sarah. Empowered. Popular feminism and popular misogyny. Durham: Duke University Press, 2018.
FRANÇA, Vera V. F. Celebridades: identificação, idealização ou consumo? In: FRANÇA, Vera et al. (Orgs.). Celebridades do século XXI: transformações no estatuto da fama. Porto Alegre: Sulina, 2014. p. 15-36.
GARCEZ, Regiane. Representação política discursiva e movimento social dos surdos: coletivização de questões como fonte de autoridade. Organicom, ano 14, n.26, 2017, p. 193-203
hooks, bell. Olhares negros: raça e representação. SP: Elefante, 2019.
LAVALLE, Adrián G. et. al. Democracia, pluralização da representação e sociedade civil. Lua Nova, São Paulo, 67, 2006, p. 49-103.
MANIN, Bernard. As metamorfoses do Governo Representativo. Revista Brasileira de Ciências Sociais, n. 29, ano 10, outubro,1995, sp/p.
MARSHALL, D. Celebrity, Politics, and New Media: an Essay on the implications of pandemic fame and persona. International Journal of Politics, Culture and Society. v. 33, p. 89-104, 2020.
MARWICK, Alice. BOYD, Danah. To see and be seen: celebrity practice on Twitter. Convergence: the international journal of Research into New Media Technology, v. 17, n. 2, p. 139-158, 2011.
PHILLIPS, A. De uma política de ideias a uma política de presença? Revista Estudos Feministas, v.9, n.1, 2001, p. 268-290.
SAMPAIO, Rafael; LYCARIÃO, Diógenes. Eu quero acreditar! Da importância, formas de uso e limites dos testes de confiabilidade na Análise de Conteúdo. Revista de Sociologia e Política, v. 26, n. 66, jun.2018, p. 31-47.
SAWARD, Michael. Authorization and authenticity: representation and the unelected. The Journal of Political Philosophy, v. 17, n. 1, 2009 p. 1-22.
SIBILIA, Paula. Autenticidade e performance: a construção de si como personagem visível. Revista Fronteiras – Estudos Midiáticos, São Leopoldo, v.17, n.3, p. 353-364, set./dez.2015.
SIMÕES, Paula G. O poder de afetação das celebridades. In: FRANÇA, Vera et al. (Orgs.). Celebridades do século XXI: transformações no estatuto da fama. Porto Alegre: Sulina, 2014. p. 209-225.
TSALIKI, Liza. Tweeting the good causes: social networking and celebrity activism. In: MARSHAL, David. REDMUND, Sean (Orgs.). A companion to celebrity. New Jersey: Wiley and Sons Inc, 2016. p. 235-257.
TURNER, Graeme. Celebrity, participation, and the Public. In: MARSHAL, David. REDMUND, Sean (Orgs.). A companion to celebrity. New Jersey: Wiley and Sons Inc, 2016. p. 235-257.
URBINATI, Nadia. O que torna a representação democrática?. Lua Nova, São Paulo, 67, 2006, p. 191-228.
WHEELER, Mark. The mediatization of celebrity politics through the social media. International Journal of Digital Television, v.5, n. 3, p. 221-235, 2014.
Publicado
2020-09-23
Como Citar
Denise Figueiredo Barros do Prado, Lívia Alessandra Campos Monteiro, & Rayza Sarmento. (2020). ANITTA, #ELENÃO E AS COBRANÇAS POR REPRESENTATIVIDADE E COERÊNCIA . TROPOS: COMUNICAÇÃO, SOCIEDADE E CULTURA (ISSN: 2358-212X), 9(2). Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/tropos/article/view/3922
Seção
Dossiê - Potências políticas do pop: gênero e ativismo na cultura pop