NEM TODO FIM É TRÁGICO: HQS, NARRATIVAS HOMOAFETIVAS E FINAIS FELIZES

  • Natalia Rosa Muniz Sierpinski Mestranda PPGCOM - USP
  • Claudia Lago USP - ECA - PPGCOM - Docente
Palavras-chave: HQs; Narrativas; Relações Homoafetivas Femininas; Melaço; Finais felizes

Resumo

Este artigo aborda a construção de narrativas que fogem ao padrão heteronormativo em quadrinhos, ao tematizar relações amorosas entre mulheres. Apoiando-se em pesquisadoras/res que discorrem sobre gênero e sexualidade, o trabalho contextualiza a construção de heteronormatividade nas HQs, reflete sobre a autoria feminina nos quadrinhos e depois analisa as narrativas em histórias em quadrinhos de autoras que questionam esta heteronormatividade. O objeto empírico é a HQ “Melaço” em que as nove autoras contam histórias que falam de relações homoafetivas femininas. Ao contrário de boa parte das narrativas que enfocam a homoafetividade, estas histórias têm em comum a ênfase em um final feliz. O objetivo é refletir sobre estas produções e sua potencialidade de desconstrução de estereótipos de gênero e sexualidade dentro de um ícone da cultura pop, as revistas em quadrinhos.

 

Biografia do Autor

Natalia Rosa Muniz Sierpinski, Mestranda PPGCOM - USP

Licenciada em Educomunicação pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (2017). Mestranda em Ciência da Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo no programa de Ciências da Comunicação (PPGCOM-USP) desde 2019. Bolsista de mestrado do CNPq - Brasil e integrante do grupo de pesquisa Alteridade, Subjetividades, Estudos de Gênero e Performances nas Comunicações e Artes (AlterGen). Pesquisa sobre histórias em quadrinhos e gênero desde 2014, com iniciação científica com esta temática. 

Claudia Lago , USP - ECA - PPGCOM - Docente

Graduada em Jornalismo - pela Faculdade de Comunicação Social Cásper Líbero (1989), mestre em Antropologia Social pela Universidade Federal de Santa Catarina (1995) e doutora em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo (2003). Foi professora da Universidade Anhembi Morumbi (2005-2014), onde fez parte do Comitê Institucional de Pesquisa e Desenvolvimento da Universidade, líder do Comitê de Pesquisa e Desenvolvimento da Escola de Comunicação e Educação e coordenadora do Núcleo de Pesquisa em Comunicação e Educação. É membro do Núcleo de Pesquisa em Comunicação e Educação (NCE ECA/USP) e Labidecom (CCA ECA/USP). Foi vice-chair da Journalism Research and Education (JRE) of IAMCR de 2010 a 2016, quando foi eleita Chair da Seção (2016-2020). Foi presidente da Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo (SBPJor) gestão 2013-15 e 2015-17 e vice-presidente da Federação das Entidades Científicas e Acadêmicas de Comunicação (Socicom), gestão 2016-2018. Foi membro do Conselho Científico da SBPJor (2017-2019) é integrante do Comitê Editorial da Brazilian Journalism Research (BJR), do Comitê de Relações Internacionais da SBPJor e foi eleita em 2020 membro do International Council da IAMCR. É professora da Escola de Comunicações e Artes no departamento CCA, curso Licenciatura em Educomunicação, da Universidade de São Paulo, professora do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação da Universidade de São Paulo e presidente da Comissão de Direitos Humanos da ECA/USP. Desenvolve pesquisa na área de Comunicação tendo como foco a construção da Alteridade, especialmente relacionada aos estudos de gênero em narrativas não ficcionais, e pesquisa e extensão em Educomunicação, relacionadas também ao estudo da Alteridade. Coordena o Grupo de Pesquisa Alteridade, Subjetividades, Estudos de Gênero e Performances nas Comunicações e Artes (AlterGen).

Referências

ALMEIDA, Ana Luiza Nunes. A representação da homoafetividade em Duas iguais, de Cínthia Moscovich e Morangos mofados, de Caio Fernando Abreu. 2015. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Letras, Centro de Letras e Comunicação, Universidade Federal de Pelotas. Pelotas. 2015.

ALVES SILVA, Alba Valéria Tinoco. O Traço de 3 Mulheres nas Tiras em Quadrinhos de Humor. In: BRAGA JR, Amaro. X.; SILVA, Valéria F.. (Orgs.) Representações do Feminino nas Histórias em Quadrinhos. Maceió: EDUFAL, 2015. ISBN 978-85-7177-836-8.

BARROS, Ana Paula Oliveira. Homens e Mulheres produtores de HQ: discursos sobre o corpo e a sexualidade da mulher na Indústria Cultural.Mestrado em antropologia. Instituição de Ensino: Fundação Universidade Federal de Sergipe, 2017.
BEAUVOIR, Simone. O segundo sexo: fatos e mitos. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2000. Vol. I
BOFF, Ediliane de Oliveira. De Maria a Madalena: representações femininas nas histórias em quadrinhos. Tese (Ciências da Comunicação). Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina: a condição feminina e a violência simbólica. Bertrand Brasil, 16ª ed., Rio de Janeiro, 2019.

BUTTLER, Judith. Atos performáticos e a formação dos gêneros: um ensaio sobre fenomenologia feminista. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de. Pensamento Feminista Brasileiro: formação e contexto. Rio de Janeiro: Bazar do tempo, 2019.

CALDEIRA SILVA, Helena Madeira Caldeira. Amélia Não! Amely, a boneca inflável: uma análise retórica da tirinha cômica de Pryscila Vieira. Mestrado em linguística. Instituição de Ensino: Universidade de Franca, 2016.
COSTA, Albertina de Oliveira: BRUSCHINI, Cristina. Uma questão de gênero. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos; São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 1992
CRUZ, Dandara Palankof e. A outra ponte do arco-íris: discursos e representações LGBTT nas histórias em quadrinhos de super-heróis norte-americanas. Dissertação (Ciências da Comunicação). Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes. Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa, 2017.

EUGENIO, Jessica Daminelli. Elas fazem HQ! Mulheres brasileiras no campo das Histórias em Quadrinhos Independentes. Mestrado em Sociologia e Ciência Política Instituição de Ensino: UFSC, 2017.

IIZUKA, Raquel Vitorelo. A resistência política nos quadrinhos experimentais. Mestrado em Comunicação e Semiótica. Instituição de Ensino: PUC/SP, 2019

LAURETIS, Teresa de. Alicia ya no. Feminismo, Semiótica, Cine. Madrid, Ediciones Cátedra, 1992.
LOURO, Guacira Lopes. Gênero e sexualidade: pedagogias contemporâneas. Pro-Posições. Campinas, v. 19, n. 2 (56), p. 17-23, maio/ago. 2008.
MALCHER DE CARVALHO, Monique. Sem linhas retas: gênero e sexualidade nas Graphic Novels. Mestrado em antropologia. Instituição de Ensino: Universidade Federal do Pará, 2018.

MARINO, Daniela dos Santos Domingues; MACHADO, Laluña Gusmão; LHORET, Danielle Costa. Quadrinhos eróticos na era digital: o protagonismo feminino e o Male Gaze. In: V Jornadas Internacionais de quadrinhos, 2018. São Paulo. Disponível em: Acesso em 25 de maio de 2020.

MEDEIROS, T. S. Psicodelia, humor e militância: os coletivos de mulheres quadrinistas no comix underground norte americano. Revista Ártemis, v. 26, n. 1, p. 76-103, 21 dez. 2018. Disponível em: Acesso em 25 de maio de 2020.

MESSIAS, Carolina Ito. Um panorama da produção feminina de quadrinhos publicados na internet no Brasil. Mestrado em Ciência da Informação. Instituição de Ensino: ECA/USP, 2018.

OLIVEIRA, Selma Regina Nunes. Mulher ao Quadrado as representações femininas nos quadrinhos norteamericanos: permanências e ressonâncias (1895 1990). Brasília: Editora Universidade de Brasília: Finatec, 2007.

POSTEMA, Barbara. Estrutura narrativa nos quadrinhos: construindo sentido a partir de fragmentos; traduzido por Gisele Rosa. São Paulo: Peirópolis, 2018.

PRECIADO, B. Multidões queer: notas para uma política dos "anormais". Rev. Estud. Fem., Florianópolis , v. 19, n. 1, p. 11-20, Apr. 2011 . Disponível em . Acesso em 15 de junho de 2020.

REBLIN, Iuri Andréas. Relacionamentos homoafetivos nos quadrinhos e seu lugar na discussão acerca do princípio da igualdade de direitos. In: III Encontro Internacional de Ciências Sociais, 2012, Pelotas, RS. Anais do III Encontro Internacional de Ciências Sociais. Pelotas, RS: UFPel, 2012. p. 1-14.

SÁ, Simone Pereira de, CARREIRO, Rodrigo, e FERRARAZ, Rogerio. Cultura pop. EDUFBA, 2015

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil para análise histórica. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de. Pensamento Feminista Brasileiro: formação e contexto. Rio de Janeiro: Bazar do tempo, 2019.

VERGUEIRO, Waldomiro. Panorama das histórias em quadrinhos no Brasil. São Paulo: Peirópolis. 2017.

WITTIG, Monique. Não se nasce mulher. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de. Pensamento Feminista Brasileiro: formação e contexto. Rio de Janeiro: Bazar do tempo, 2019.
Publicado
2020-09-20
Como Citar
Rosa Muniz Sierpinski, N., & Lago , C. (2020). NEM TODO FIM É TRÁGICO: HQS, NARRATIVAS HOMOAFETIVAS E FINAIS FELIZES . TROPOS: COMUNICAÇÃO, SOCIEDADE E CULTURA (ISSN: 2358-212X), 9(2). Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/tropos/article/view/3921
Seção
Dossiê - Potências políticas do pop: gênero e ativismo na cultura pop