#MYGAMEMYNAME: GÊNERO, VIOLÊNCIA E RESISTÊNCIA NO DISCURSO DE MULHERES GAMERS

  • Graciele Urrutia Dias Silveira UFPel
  • Virginia Barbosa Lucena Caetano
Palavras-chave: Discurso; Violência; Gênero: Resistência

Resumo

A partir da análise de uma postagem publicada no site de rede social Facebook, vinculada à campanha #MyGameMyName, buscamos, no presente artigo, compreender como se dá o processo de subjetivação de mulheres gamers. Para atender a esse propósito, nos ancoramos teoricamente na Análise de Discurso pêcheuxtiana. Considerando a análise da materialidade significante, podemos perceber que o processo de subjetivação dessas mulheres se dá atravessado por uma negação, a negação das evidências produzidas pela Formação Discursiva dominante sobre qual deve ser o lugar das mulheres no universo gamer. Esse processo discursivo apontou para o funcionamento da violência simbólica nos ambientes virtuais que se constitui pelo silenciamento das vozes femininas e deslegitimação de seu discurso.

Referências

REFERÊNCIAS

APPERLEY, Thomas; JAYEMANE, Darshana. A virada material dos game studies. Lumina, vol.1, n.11, 2017. Disponível em: https://lumina.ufjf.emnuvens.com.br/lumina/article/view/721. Acesso em 23 jan. 2020.

BARBOZA, Eduardo Fernando Uliana ; SILVA, Ana Carolina de Araújo. A evolução tecnológica dos jogos eletrônicos : do videogame para o newsgame. 5° Simpósio Internacional de Ciberjornalismo. Campo Grande, MS, p. 1-16, 2014.
BOURDIEU, Pierre. O Poder Simbólico. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 1989.

_______________. Language and Symbolic Power. Massachusetts, Harvard University Press, 1991.

_________________. A dominação masculina. 9 ed. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 2010.

CROSS, Katherine. Ethics for cyborgs: On real harassment in an “unreal” place. Loading… The Journal of the Canadian Game Studies Association, Vol 8(13): 4-21, 2014. Disponível em http://journals.sfu.ca/loading/index.php/loading/article/viewArticle/140. Acesso em 20 dez 2019.

FAHLSTRÖM, Josephine; MATSOM, Emma. Preventing toxic behavior through game mechanics. Uppsala Universitat, Faculty of Arts, Department of Game Design, 2014. Disponível em: http://www.divaportal.org/smash/record.jsf?pid=diva2%3A731451&dswid=4298. Acesso em 25 jan. 2020.
FRAGOSO, Suely ; RECUERO, Raquel; CAETANO, Mayara. Violência de gênero entre gamers brasileiros: um estudo exploratório no Facebook. Lumina, vol.11, n.1. 2017. Disponível em: https://lumina.ufjf.emnuvens.com.br/lumina/article/view/660. Acesso 22 dez 2019.

FERREIRA, Maria Cristina Leandro. O caráter singular da língua na Análise do Discurso. Organon, Porto Alegre, v.17, n.35, p. 189-200. 2003. Disponível em: Acesso em: 06 jan. 2020.

______. O quadro atual da Análise de Discurso no Brasil. In: FERREIRA,
Maria Cristina Leandro; INDURSKY, Freda. (orgs). Michel Pêcheux & Análise de Discurso: uma relação de nunca acabar. São Carlos: Claraluz, 2007. p.39-46.

INDURSKY, Freda. Da interpelação à falha no ritual: a trajetória teórica da noção de Formação Discursiva. In: BARONAS, Roberto Leiser. (org.). Análise de Discurso: apontamentos para uma história da noção-conceito de Formação Discursiva. São Carlos: Pedro & João, 2011. p. 77-91.

KURTZ, Gabriela Birnfeld. “Se tiver meninas, melhor ainda”: análise da participação feminina no jogo Dota 2 no Brasil. In: XXXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Rio de Janeiro, RJ, 2015. Disponível em http://portalintercom.org.br/anais/nacional2015/resumos/R10-2823-1.pdf. Acesso em 12 jan 2020.

MENTI, Daniela Cristina; ARAÚJO, Denise Castilhos de. Violência de gênero contra mulheres no cenário dos eSports. Conexão- Comunicação e Cultura, v. 16, n. 31, 2017. Disponível em: www.ucs.com.br/etc/revistas/index.php/conexao/article/view/4948. Acesso em: 27 jan. 2020.

ORLANDI, Eni Pulcinelli. Análise de discurso: Princípios & Procedimentos. Campinas, Pontes, 2015. 12ª edição.

PÊCHEUX, Michel. Só há causa daquilo que falha ou o inverno político francês: início de uma retificação. In:_____. Semântica e discurso. [Trad.] Eni Orlandi et al. 4. ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2014a. 5ª edição. p. 269-281.

______. Análise automática do discurso (AAD-69). In: GADET, Françoise; HAK, Tony. (orgs.). Por uma análise automática do discurso: Uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Campinas: Editora da Unicamp, 2014b. 5ª edição. p. 59-158.

______. Ousar pensar e ousar se revoltar. Ideologia, marxismo, luta de classes. Décalages. v. 1, Issue 4, article 15, 2015. Disponível em: Acesso em: 10 jan. 2020.

PERROT, Michelle. Minha história das mulheres. [tradução Angela M.S. Côrrea]. 2.ed., 5° reimpressão. São Paulo> Contexto, 2017.

VIEGAS, Paula; RECUERO, Raquel. Violência simbólica de gênero na publicidade digital. In: XXXVII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Foz do Iguaçu, PR, 2014.

ZIZEK, Slavoj. Violência: seis reflexões laterais. 1.ed. São Paulo, Boitempo, 2014.
Publicado
2020-09-16
Como Citar
Urrutia Dias Silveira, G., & Barbosa Lucena Caetano, V. (2020). #MYGAMEMYNAME: GÊNERO, VIOLÊNCIA E RESISTÊNCIA NO DISCURSO DE MULHERES GAMERS: . TROPOS: COMUNICAÇÃO, SOCIEDADE E CULTURA (ISSN: 2358-212X), 9(2). Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/tropos/article/view/3875
Seção
Dossiê - Potências políticas do pop: gênero e ativismo na cultura pop