STRONG BLACK LEAD: DISCURSOS SOBRE A REPRESENTAÇÃO NEGRA NA CAMPANHA DA NETFLIX

  • Bárbara Camirim UFF
Palavras-chave: Negritude; Representação Racial; Discurso Midiático; Indústria Audiovisual; Netflix.

Resumo

O artigo analisa a campanha Strong Black Lead, idealizada por executivos negros da Netflix para estimular as obras e a audiência negra da plataforma, buscando entender seus potenciais e limitações para um deslocamento das representações raciais, a partir de autores como Hall (2003; 2016), Collins (2016), Sodré (1999) e Almeida (2019). A campanha reflete um momento mais amplo, no qual demandas históricas por representatividade são apropriadas pelas próprias indústrias de mídia. Nossos resultados mostram que a campanha traz a potencialidade de ser um espaço no quais artistas negros podem externar suas visões da indústria audiovisual e da representação negra, ocorrendo uma amplificação dessas vozes e o potencial para novas formas de olhar. No entanto, por ser feita em um contexto institucional e com objetivos comerciais, há um limite do que pode ser dito, que a participação do público, através das redes sociais, alarga.

Referências

ANDERSON, TreVell. Everything you need to know about that Netflix ‘Strong Black
Lead’ spot you saw during the BET awards. Los Angeles Times, Los Angeles, 24 jun.
2018. Disponível em: < https://www.latimes.com/entertainment/movies/la-et-mn-strongblack-lead-netflix-bet-awards-20180624-story.html> Acesso em: 9 jun. 2020.
BIANCHINI, Maíra; CAMIRIM, Bárbara. Mais histórias, mais vozes: Netflix e a
promessa de diversidade na tela. In: Revista ALAIC, v. 17, n. 31, 2019.
BOGLE, Donald. Primetime Blues: African Americans on network television. Nova
Iorque: Farrar, Strauss and Giroux, 2001.
COLLINS, Patricia Hill. Aprendendo com a outsider within: a significação sociológica
do pensamento feminista negro. In: Sociedade e Estado, v. 31, n. 1, 2016.
DHOEST, Alexander. Contextualising diversity in tv drama. Policies, practices and
discourses. In: International Journal of TV serial narrative, v. 1, n. 2, 2015.
GRAY, Herman. Cultural Moves: African Americans and the politics of
representation. Berkeley, Los Angeles, Londres: University of California Press, 2005.
HALL, S. Que “negro” é esse na cultura negra? In: ___; SOVIK, L. Da diáspora:
identidades e mediações culturais. Belo horizonte e Brasília: Editora UFMG e
Representação da UNESCO no Brasil, 2003.
HALL, S. Cultura e Representação. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio: Apicuri, 2016.
HUNT, Darnell. Race in the Writer’s Room: How Hollywood whitewashes the stories
that shape America, Relatório encomendado pela Colors of Change Hollywood, 2017.
Disponível em: Acesso em: 09 jun. 2020.
JEAN CHRISTIAN, Aymar. Beyond Branding: The value of intersectionality on
streaming TV channels. Television and New Media, online first, 2019. Disponível em:
< https://journals.sagepub.com/doi/full/10.1177/1527476419852241> Acesso em: 09
jun. 2020.
JEAN-PHILIPPE, McKenzie. The team behind Netflix’s Strong Black Lead Wants to
Bring More Melanin to Your Queue. The Oprah Magazine, 9 ago. 2019. Disponível
em: . Acesso: 09 jun. 2020.
JENNER, Mareike. Netflix and the Re-invention of Television. Palgrave Macmillan,
2018.
JOHNSON, Catherine. Tele-branding in TVIII. In: New Review of Film and Television
Studies, v. 5, n. 1, 2007.
KOHNEN, Melanie. Cultural Diversity as Brand Management in Cable Television. In:
Media Industries Journal, v. 2, n. 2, 2015.
MONTGOMERY, K. Target: Prime Time: Advocacy Groups and the struggle over
entertainment television. Nova Iorque: Oxford University Press, 1989.
RIBEIRO, Djamila. O que é: lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento: Justificando,
2017.
Publicado
2020-09-16
Como Citar
Camirim, B. (2020). STRONG BLACK LEAD: DISCURSOS SOBRE A REPRESENTAÇÃO NEGRA NA CAMPANHA DA NETFLIX . TROPOS: COMUNICAÇÃO, SOCIEDADE E CULTURA (ISSN: 2358-212X), 9(2). Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/tropos/article/view/3840
Seção
Dossiê - Potências políticas do pop: gênero e ativismo na cultura pop