ATIVISMO FEMINISTA DIGITAL: REDES FEMININAS E A TENTATIVA DA DIMINUIÇÃO DO GAP DE GÊNEROS A PARTIR DOS COLETIVOS DE MÚSICA

  • Beatriz Medeiros Universidade Federal Fluminense
Palavras-chave: Estudos feministas, Redes femininas, Música e comunicação, Cultura pop

Resumo

Os feminismos inseridos na cultura pop vêm ganhando características próprias que se refletem em diversos tipos de movimento já consolidados, como o Riot Grrrl e o Girl Power (MELTZER, 2010). Justamente por causa dessa popularização dos ativismos feministas, as mudanças continuam acontecendo, dando espaço para feminismos como interseccional, latino-americano ou sul-globalista. Tendo isso em mente, e compreendendo que a digitalização dos ativismos é um dos fatores para a popularização desses feminismos (BANET-WEISER, 2018), o presente trabalho se preocupa em apresentar a análise de três páginas de coletivos de música que têm como objetivo endossar a participação feminina na indústria fonográfica: Girls I Rate, MUSAP e Women Walk Together. As análises ilustram a discussão realizada sobre os ativismos feministas contemporâneos e como eles vêm sendo influenciados pelo ativismo digital. Portanto, este trabalho intenciona compreender a desenvoltura dos feminismos contemporâneos e como a digitalização auxilia, ou não, a formação de redes entre meninas e mulheres que trabalham, ou desejam trabalhar, com música.

Referências

ARENDT, Hannah. A Condição Humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007.
BANET-WEISER, Sarah. Introduction. In: BANET-WEISER, Sarah. Popular Feminism and Popular Misogyny. Durham, London: Duke University Press, 2018a.
BANET-WEISER, Sarah. Postfeminism and Popular Feminism. In: Feminist Media Histories, Volume 4, Número 2, 2018b. pp. 152-156.
BRIGHENTI, Andrea. Visibility: A category for the social sciences. Current Sociology, Volume 55, Número 3, 2007. pp. 323-342.
CARRERA, Fernanda. Racismo e sexismo em bancos de imagens digitais: análise de resultados de busca e atribuição de relevância na dimensão financeira/profissional. In: SILVA, Tarcízio. Comunidades, algoritmos e ativismos digitais: olhares afrodiaspóricos. São Paulo: LiteraRUA, 2020.
COMAROFF, Jean. Teorias do sul. In: Mana, Volume 17, Número 2, Agosto de 2011. pp. 467-480,
DANAHER, William. Music and Social Movements. In: Sociology Compass, Volume 4, Número 9, 2019. pp. 811-823.
DAVIDSON, Marilyn; COOPER, Cary. Shattering the glass ceiling: the woman manager. London: Paul Chapman Publishing, 1992.
DAVIS, Angela. Mulheres, Raça e Classe. São Paulo: Boitempo, 2016.
DE BEAUVOIR, Simone. O Segundo Sexo. 1. Fatos e Mitos. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1970.
ELIAS, Maria Lígia. Feminismo, diferenças: uma reflexão sobre pesquisa, categorias analíticas e transformação social. In: MARQUES, Danusa; REZENDE, Daniela; KUBÍK MANO, Maíra; SARMENTO, Rayza; GONÇALVES FREITAS, Viviane. Feminismos em Rede. Porto Alegre: Editora ZOUK, 2019.
FARRUGIA, Rebekah. Critical Connection: Gender, Technology, and Popular Music Cultures. In: FARRUGIA, Rebekah. Beyond the Dance Floor: Female DJs, Technology and Electronic Dance Music Culture. Chicago: University of Chicago Press, 2013.
FEDERICI, Silvia. Calibã e a Bruxa: Mulheres, corpo e acumulação primitiva. Rio de Janeiro: Editora Elefante, 2019.
FOX-GENOVESE, Elizabeth. Para Além da Irmandade. In: Estudos Feministas, Volume n/c, Número n/c, 1992. pp. 31-56.
HILL COLLINS, Patricia. Black Feminist Thought – Knowledge, Consciousness, and the Politics of Empowerment. New York and London: Routledge, 2000.
HILL COLLINS, Patricia. Aprendendo com a outsider within: a significação sociológica do pensamento feminista negro. In: Revista Sociedade e Estado, Volume 31, Número 1, 2016. pp. 99-127.
KELLER, Jesallyn Marie. Virtual Feminisms. In: Information Communication & Society, Volume 15, Número 3, 2012. pp. 429-447.
MARQUES, Danusa; REZENDE, Daniela; KUBÍK MANO, Maíra; SARMENTO, Rayza; GONÇALVES FREITAS, Viviane. Feminismos em Rede. Porto Alegre: Editora ZOUK, 2019.
MATOS, Marlise. Movimento e teoria feminista: é possível reconstruir a teoria feminista a partir do Sul global? In: Revista de Sociologia e Política, Volume 18, Número 36, 2010. pp. 67-92.
MCROBBIE, Angela. Post-feminism and popular culture. In: Feminist Media Studies, Volume 4, Número 3, 2004. pp. 255-264.
MCROBBIE, Angela; GARBER, Jenny. Girls and Subcultures [1977]. In: HALL, Stuart; JEFFERSON, Tony. Resistance through Rituals – Youth Subcultures in Post-War Britain. London: Routledge, 2006.
MELTZER, Mariza. Girl Power: the nineties revolution in music. New York: Ferrar, Straus and Giroux, 2010.
MIGNOLO, Walter. Desobediência Epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. In: Caderno de Letras da UFF, Número 34, 2008. pp. 287-324.
PAPACHARISSI, Zizi. The Personal as Political – Everyday Disruptions of the Political Mainstream. In: PAPACHARISSI, Zizi. Affective Publics: Sentiment, Technology, and Politics. New York: Oxford University Press, 2014.
PEREIRA DE SÁ, Simone; POLIVANOV, Beatriz. Auto-reflexividade, coerência expressiva e performance como categorias para análise dos sites de redes sociais. In: Contemporânea, Volume 10, Número 3, 2012. pp. 574-596.
PNUD; ONU mujeres. Del Compromiso a la Acción: Políticas para erradicar la violencia contra las mujeres en América Latina y el Caribe, 2016. Documento de Análises Regional. Panamá, 2017.
RESENDE, Fernando; THIES, Sebastian. Temporalidades enredadas do Sul Global. In: Contracampo – Brazilian Journal of Communication, Volume 36, Número 3, 2017. pp. 2-19.
RODGERS, Tara. Pink Noises: Women on Electronic Music and Sound. London: Duke University Press, 2010.
ROSE, Tricia. Black Noise: Rap Music and Black Culture in Contemporary America Music/Culture. Middletown: Wesleyan University Press, 1994.
SENNET, Richard. O declínio do homem público. Rio de Janeiro: Record, 2014.
SIBILIA, Paula. O show do Eu – a intimidade como espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 2016.
SILVA, Jacilene Maria. Feminismo na Atualidade: A Formação da Quarta Onda. Recife: Independently published, 2018.
ULDAM, Julie. Social Media Visibility: challenges to activism. Media, Culture & Society, Volume 40, Número 1, 2017. pp. 41-58.
Publicado
2020-09-20
Como Citar
Medeiros, B. (2020). ATIVISMO FEMINISTA DIGITAL: REDES FEMININAS E A TENTATIVA DA DIMINUIÇÃO DO GAP DE GÊNEROS A PARTIR DOS COLETIVOS DE MÚSICA. TROPOS: COMUNICAÇÃO, SOCIEDADE E CULTURA (ISSN: 2358-212X), 9(2). Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/tropos/article/view/3752
Seção
Dossiê - Potências políticas do pop: gênero e ativismo na cultura pop