GÊNERO E COMUNICAÇÃO: REFLEXÕES TEÓRICAS A PARTIR DA DISCUSSÃO SOBRE IDENTIDADES E CIDADANIA

  • Luíza Buzzacaro Barcellos Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos)
  • Raiana da Silva Rodrigues Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS)
Palavras-chave: Gênero, Comunicação, Mídias, Identidades, Cidadania

Resumo

Este artigo propõe uma reflexão teórica sobre gênero a partir da discussão sobre identidades culturais, cidadania e comunicação. A formação de identidades culturais perpassa uma série de fatores que influenciam na forma do sujeito ser e agir perante a sociedade; quando falamos de gênero, este aspecto se torna ainda mais relevante, pois a formação das identidades de homens e mulheres perpassa estereótipos e papéis fundantes de diferenças que se transformam em desigualdades na cultura de um país. Neste sentido, as mídias, sobretudo a jornalística, têm um papel importante ao reforçar essas identidades: a veiculação sobre desigualdade entre gêneros a partir da comunicação pode contribuir para uma efetividade da cidadania ou, no entanto, legitimar uma série de percalços relacionados ao gênero nesse caso.

Referências

ALVES, Branca Moreira; PITANGUY, Jacqueline. O que é feminismo. Coleção Primeiros Passos. São Paulo: Editora Brasiliense, 2003.
BIROLI, Flávia. Gênero e desigualdades: os limites da democracia no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2018.
BONIN, Jiani Adriana. A pesquisa exploratória na construção de investigações comunicacionais com foco na recepção. In: BONIN, Jiani Adriana; DO ROSÁRIO, Nísia Martins (Organizadoras). Processualidades metodológicas: Configurações transformadoras em Comunicação. Florianópolis: Insular, 2013.
BUTLER, Judith P. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2019a.
BUTLER, Judith. Atos performáticos e a formação dos gêneros: um ensaio sobre fenomenologia e teoria feminista. In: BUARQUE DE HOLLANDA, Heloisa (org.). Pensamento feministas: conceitos fundamentais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2019b.
CANCLINI, Néstor García. Culturas híbridas: Estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: EDUSP, 1998.

CERTEAU, Michel. A invenção do cotidiano. Artes da fazer. 3. ed. Petrópolis: Editora Vozes, 1998.

CONNELL, Raewyn; PEARSE, Rebecca. Gênero: uma perspectiva global. São Paulo: nVersos, 2015.
CORTINA, Adela. Cidadãos do mundo: para uma teoria da cidadania. São Paulo: Loyola, 2005.

COUTO, Márcia Thereza; SCHRAIBER, Lilia Blima. Machismo hoje no Brasil: uma análise de gênero das percepções dos homens e das mulheres. In: VENTURI, Gustavo; GODINHO, Tatau (orgs). Mulheres Brasileiras e Gênero nos Espaços Público e Privado - Uma Década de Mudanças na Opinião Pública. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2013.
ESCOSTEGUY, Ana Carolina D. Mídia e questões de gênero no Brasil: pesquisa, categorias e feminismos. Trabalho apresentado ao Grupo de Trabalho Comunicação, Gêneros e Sexualidades do XXVIII Encontro Anual da Compós, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre - RS, 11 a 14 de junho de 2019.
FERNÁNDEZ, Adrián José Padilla. A luta dos homens e das mulheres de milho: ciberpolítica, resistência ancestral e novas subjetividades. In: MALDONADO, Efendy; MAXIMO, Maria Elisa; LACERDA, Juciano; BIANCHI, Graziela (Organizadores). Epistemologia, investigação e formação científica em comunicação. Rio do Sul: UNIDAVI, 2012.

FRIAS, Navi. Tem sexo a notícia? In: LIMA, Mercedes; VICENTE, Terezinha (orgs). O controle social da imagem da mulher na mídia. São Paulo: Articulação Mulher e Mídia, 2009.
FRASER, Nancy. Feminismo, capitalismo e a astúcia da história. In: BUARQUE DE HOLLANDA, Heloisa (org.). Pensamento feminista: conceitos fundamentais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2019.
HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 1999.

HALL, Stuart. Cultura e representação. Rio de Janeiro; Apicuri: Ed. PUC-Rio, 2016.

HJARVARD, Stig. Midiatização: conceituando a mudança social e cultural. In: Matrizes. Revista do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação da Universidade de São Paulo. Vol.8, n.1, jan./jun. 2014. p.21-44.

JOHNSON, Allan G. Dicionário de sociologia: guia prático da linguagem sociológica. Tradução: Ruy Jungmann; consultoria: Renato Lessa. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1997.
LINS, Beatriz Accioly; MACHADO, Bernardo Fonseca; ESCOURA, Michele. Diferentes, não desiguais: a questão de gênero na escola. São Paulo: Editora Reviravolta, 2016.
LORDE, Audre. Não existe hierarquia de opressão. In: BUARQUE DE HOLLANDA, Heloisa (org.). Pensamento feminista: conceitos fundamentais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2019.
MALDONADO, Alberto Efendy. A construção da cidadania científica como premissa de transformação sociocultural na contemporaneidade. Anais, XX Encontro da Compós, Porto Alegre, UFRGS, 14-17 de junho de 2011a.
MALDONADO, Alberto Efendy. Pensar os processos sociocomunicacionais em recepção na conjuntura latino-americana de transformação civilizadora. In: BONIN, Jiani Adriana; DO ROSÁRIO, Nísia Martins (Organizadoras). Processualidades metodológicas: Configurações transformadoras em Comunicação. Florianópolis: Insular, 2013.
MALDONADO, Alberto Efendy. Pesquisa em comunicação: trilhas históricas, contextualizações, pesquisa empírica e pesquisa teórica. In: VVAA. Metodologias de pesquisa em Comunicação: olhares, trilhas e processos. Porto Alegre: Sulina, 2011b.
MARTÍN-BARBERO, Jesús. Medios y culturas en el espacio latino-americano. Pensar Iberoamérica, Revista de Cultura, n. 5, Abril, 2004. Disponível em: Acesso em: 31 dez. 2019.
ORTIZ, Rocío Rueda. Ciberciudadanías, multitud y resistencias. In: MARTÍNEZ, Silvia Lago (Organizadora). Ciberespacio y resistencias. Exploración en la cultural digital. Buenos Aires: Hekht Libros, 2012.
PERROT, Michele. Minha história das mulheres. São Paulo: Contexto, 2007.
PRADO, Débora; SANEMATSU, Marisa (orgs). Feminicídio: #InvisibilidadeMata. São Paulo: Instituto Patrícia Galvão, 2017.
SANTOS, Boaventura de Sousa. A gramática do tempo: para uma nova cultura política. São Paulo: Cortez, 2006.
SARDENBERG, Cecília M. B.; COSTA, Ana Alice A. Feminismos, feministas e movimentos sociais. In: BRANDÃO, Margarida Luiza Ribeiro; BINGEMER, Maria Clara Lucchetti (orgs). Mulher e relações de gênero. São Paulo: Edições Loyola, 1994.
SCHWARCZ, Lilia M.; STARLING, Heloisa M. Brasil: Uma biografia. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.
SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil para análise histórica. In: BUARQUE DE HOLLANDA, Heloisa (org.). Pensamento feminista: conceitos fundamentais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2019.
TIBURI, Marcia. Feminismo em comum: para todas, todes e todos. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2018.
VEIGA DA SILVA, Marcia. Masculino, o gênero do jornalismo: modos de produção das notícias. Florianópolis: Insular, 2014.
VEIGA DA SILVA, Marcia. Masculino, o gênero do jornalismo: um estudo sobre os modos de produção das notícias. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 2010. 250p.
VIANA, Raquel. Desafios e limites das políticas públicas no cotidiano das mulheres. In: VENTURI, Gustavo; GODINHO, Tatau (orgs). Mulheres Brasileiras e Gênero nos Espaços Público e Privado - Uma Década de Mudanças na Opinião Pública. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2013.
Publicado
2020-07-07
Como Citar
Buzzacaro Barcellos, L., & da Silva Rodrigues, R. (2020). GÊNERO E COMUNICAÇÃO: REFLEXÕES TEÓRICAS A PARTIR DA DISCUSSÃO SOBRE IDENTIDADES E CIDADANIA. TROPOS: COMUNICAÇÃO, SOCIEDADE E CULTURA (ISSN: 2358-212X), 9(1). Recuperado de https://periodicos.ufac.br/index.php/tropos/article/view/3694
Seção
Artigos